Acesso Rápido

    Metas financeiras: aprenda como criá-las de maneira inteligente

    Metas financeiras: aprenda como criá-las de maneira inteligente

    Todas as pessoas trazem dentro de si, sonhos e aspirações futuras. Contudo, para alcançar esses objetivos é necessário que sejam desenvolvidas metas financeiras.

    Embora muita gente tenha dificuldades em criar metas financeiras, sem elas é bastante difícil aumentar o patrimônio sem um planejamento financeiro adequado.

    O que são Metas Financeiras?

    Metas financeiras são objetivos traçados cuja intenção é serem alcançados em um determinado período de tempo.

    Sendo assim, ao estabelecer uma meta financeira é preciso também considerar em qual prazo ela deverá ser cumprida. Portanto, as metas precisam ser atingíveis dentro desse prazo para não se tornarem sonhos utópicos.

    Os objetivos financeiros, são portanto, focados em conquistas materiais que envolvem dinheiro. Um bom exemplo de meta financeira é: juntar R$ 200 mil reais em 20 anos para comprar um imóvel e viver de aluguel.

    Como estabelecer metas financeiras?

    Antes de estabelecer uma meta é preciso avaliar se ela é alcançável. Por isso é importante pensar em todas as entradas e saídas atuais, analisando onde é possível cortar gastos e onde não.

    Dentro de uma análise minuciosa, é possível definir as metas para o futuro. As resoluções financeiras serão tomadas, desse modo, amparadas na realidade atual, o que as torna atingíveis.

    É possível também fragmentar uma meta. Ou seja, determinar uma meta de longo prazo e fragmentá-la em diversas metas de curto prazo. Para isso, pode-se usar uma planilha de metas pessoais ou até mesmo um aplicativo de metas.

    A fragmentação da meta é importante justamente para que a pessoa não desista e nem perca o seu foco. Tomando por base o exemplo citado, é possível notar que a meta é de muito longo prazo, o que pode tirar o foco financeiro de quem esteja almejando-a.

    Quer controlar melhor as suas finanças pessoais? Baixe então agora mesmo nossa planilha da vida financeira.

    Como não perder o foco?

    Para não perder o foco é necessário fragmentar a meta. Isso pode ser feito criando as metas de médio prazo e as metas de curto prazo.

    Nesse exemplo, seria necessário juntar cerca de R$ 10 mil ao ano para conseguir atingir os R$ 200 mil em 20 anos. Fragmentando ainda mais, deve-se guardar cerca de R$ 900,00 por mês para atingir o objetivo.

    Logo, existe a meta de longo prazo que consiste em ter R$ 200 mil em dez anos, a meta de médio prazo que é guardar R$ 10 mil por ano, e a meta de curto prazo que é guardar R$ 900,00 por mês.

    Nesse sentido, todo mês deve-se buscar atingir a meta de curto prazo. Sem a criação de metas menores, a chance de se perder o foco é muito maior.

    Além disso, através da análise do horizonte de investimento, é possível ter uma noção melhor de como realizar os aportes financeiros.

    Embora possa parecer difícil, traçar metas financeiras é o principal caminho para que uma pessoa, ou até mesmo um casal consiga alcançar a liberdade financeira.

    6 metas financeiras mais importantes

    De fato, quem deseja traçar metas financeiras pode acabar não entendendo quais são os planos mais importantes para a sua realidade.

    Por exemplo: quitar as dívidas, chegar a um valor estabelecido, manter a constância nos investimentos, aumentar os aportes mensais com o tempo, etc. Esses são alguns exemplos de metas financeiras.

    Portanto, é importante ter noção de algumas das principais metas financeiras que podem ser usadas como guia. Vale notar ser preciso adaptar cada meta financeira segundo as suas condições, ou as metas seriam irrealizáveis.

    Por isso, aqui estão as 6 metas financeiras pessoais com mais importância para alcançar a independência financeira e aumentar patrimônio.

    1- Quitar todas as dívidas

    De fato, nenhum investimento renderá mais do que as dívidas. Isso porque os juros de cartão de crédito e cheque especial são muito maiores do que a rentabilidade de qualquer investimento.

    Por isso, é importante dedicar os primeiros esforços financeiros para quitar qualquer tipo de dívida e evitar a inadimplência, parando de perder dinheiro com juros. Aí então é possível alocar dinheiro.

    Além disso, quitar as dívidas dá um alívio importante para o investidor. Ainda que seja algo mais pessoal, faz com que a pessoa sinta-se mais focada para conseguir então acumular patrimônio.

    É possível conseguir uma renda extra com trabalhos freelancers e acelerar essa quitação de dívidas, ou então se organizar financeiramente para gastar menos. Esse é o primeiro dos objetivos e metas financeiras importantes.

    2- Fazer uma reserva de emergência

    Reserva de emergência é um valor equivalente de 3 a 12 meses de salário de uma pessoa. Esse dinheiro é importante para caso alguém da família tenha problemas de saúde, ou quando aparece algum gasto imprevisto (como o conserto de um carro).

    O valor para se deixar nessa reserva pode variar. Se a pessoa for um empreendedor, por exemplo, podem ser mais meses. Se for um concursado, por outro lado, esse valor pode ser menor.

    O ideal é que a reserva de emergência tenha alta liquidez (ou seja, possa ser sacada rapidamente) e que tenha baixa volatilidade. Dessa forma, ativos de renda variável não são ideais para se deixar esse valor.

    Geralmente, o ideal é colocar a reserva de emergência em um CDB ou no Tesouro Selic, que possuem as características descritas acima.

    A reserva de emergência dá uma segurança muito maior na hora de investir, e impede que o investidor tire dinheiro de seus investimentos em casos de imprevistos.

    3- Investir todo mês

    Infelizmente, algumas pessoas não conseguem manter a constância nos seus investimentos: elas investem por 2 ou 3 meses, mas depois param definitivamente.

    Existem muitas justificativas para não investir todo mês. Por exemplo: um gasto inesperado com o carro, descontrole nos gastos, a necessidade de ajudar um parente, etc.

    Para isso, a reserva de emergência deve existir. Assim, fica mais fácil alocar um pequeno valor todos os meses e manter a constância no aporte mensal.

    Dessa forma, forma-se uma bola de neve que vai aumentando com o tempo através da magia dos juros compostos, capazes de multiplicar o seu patrimônio.

    Por isso, ainda que seja pouco, vale a pena investir todo mês e criar essa mentalidade de, mês a mês, chegar mais perto da independência financeira.

    4- Estudar investimentos

    De fato, muitas pessoas se sentem perdidas quando o assunto é investimentos: alguns se confundem com o nome dos ativos, outros acham que ficarão ricos de um dia pro outro, etc.

    Por isso, é fundamental entender mais sobre o mundo dos investimentos: quais são as classes de ativos e suas características, como montar um portfólio de ações da melhor forma, qual seu perfil de investimentos e outros pontos importantes.

    Estudar assuntos de investimentos pode parecer complicado para quem olha de fora, mas quando se pára pra estudar, é possível ver que não é tão complexo assim.

    Assim, com o conhecimento mais apropriado, é possível passar até mesmo a gostar de estudar sobre investimentos. Isso faz com que a atividade de investir se torne divertida e o investidor aprenda mais facilmente.

    5- Fazer renda extra

    Cada vez mais, as pessoas conseguem ver a necessidade de ter mais de uma fonte de renda. Isso é benéfico para poder ganhar mais dinheiro e investir mais.

    Entretanto, a renda extra também ajuda a não depender totalmente de apenas uma fonte de dinheiro: é possível ter duas, três, quatro ou até bem mais fontes de renda.

    Por exemplo: um trabalhador com carteira assinada pode pegar alguns clientes como freelancer e conciliar com seu trabalho convencional, ganhando assim um dinheiro extra no fim do mês.

    Melhor ainda, é possível que esses trabalhos extras rendam tanto dinheiro que acabam se tornando a fonte de renda principal.

    O melhor é que muitos trabalhos desse tipo são feitos completamente online, o que permite ganhar dinheiro em casa. Isso pode ser um alívio, sem gastar tempo e dinheiro com transportes públicos.

    6- Criar objetivos de curto, médio e longo prazo

    Um ponto importante que muitas pessoas acabam ignorando. Muitas pessoas traçam planos de investimento limitados para apenas curto prazo, como viagens ou a compra de um carro.

    Entretanto, é preciso traçar metas financeiras de curto, médio e longo prazo. Por exemplo: um objetivo de médio prazo pode ser o de juntar para comprar um imóvel (ou pelo menos para juntar o dinheiro de entrada).

    Já um planejamento de longo prazo nos investimentos pode ser o de ter R$1 milhão na conta bancária, ou então de ganhar o suficiente de dividendos para não precisar mais trabalhar, entre outros. São metas que demoram mais para se realizar.

    Saber definir cada uma das metas é importante para não se frustrar no objetivo. Afinal, é preciso entender que certos objetivos que exigem mais dinheiro podem demorar para serem alcançados.

    Gostou de saber um pouco mais sobre metas financeiras? Deixe o seu comentário e compartilhe essa notícia nas redes sociais.

    Perguntas frequentes sobre metas financeiras
    O que são Metas Financeiras?

    São objetivos com relação com a vida financeira, como: comprar um carro ou casa, se livrar das dívidas, ganhar mais dinheiro com o seu trabalho, acumular determinada quantidade de patrimônio, investir certa quantidade de dinheiro todo mês, etc.

    Como estabelecer metas financeiras?

    Primeiro, é preciso saber se a meta é de curto, médio ou longo prazo. Depois, é preciso estabelecer a meta segundo a sua realidade (por exemplo, se uma pessoa está desempregada, pode ser impraticável colocar a meta de que ela ganhe R$ 10 mil por mês). Por fim, é preciso se manter constante na meta para chegar no objetivo pretendido.

    Gabriela Mosmann
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *