Acesso Rápido

    Valor intrínseco: saiba mais sobre o preço justo de uma ação

    Valor intrínseco: saiba mais sobre o preço justo de uma ação

    Valor intrínseco é o nome de uma métrica muito importante na hora de avaliar uma ação. Ela pode ser o diferencial que vai definir se uma ação é atrativa ou não.

    Portanto, é muito importante entender o conceito de valor intrínseco e a sua importância quando se fala em investimentos em ativos de renda variável.

    O que é valor intrínseco?

    O valor intrínseco pode ser entendido como o preço justo de uma ação. Logo, nem sempre esse preço será igual à cotação do mercado. Em outras palavras, uma ação pode estar sendo cotada a um preço e ter um valor intrínseco diferente.

    Isso porque essa metodologia se concentra no Valuation, ou seja, no que a empresa vale e não no quanto a ação está sendo negociada.

    “O preço é o que você paga, o valor é o que você ganha.”

    Warren Buffett

    Um dos recursos mais utilizados pelos investidores para auxiliar na tomada de decisões é a análise fundamentalista. Isso porque ela permite a avaliação dos principais indicadores financeiros de uma empresa e, inclusive, serve de base para o cálculo do valor intrínseco de uma ação.

    Sendo assim, para o investidor de longo prazo, as ações possuem um valor intrínseco, diferente do preço que ela está sendo negociada na bolsa de valores.

    Após calcular e encontrar o preço justo de um ativo, o investidor tem à sua disposição mais uma ferramenta para auxiliá-lo na construção de sua carteira de investimento. Para isso, o investidor deve escolher ativos cujo preço atual seja inferior ao calculado por ele.

    Contudo, a análise de valor intrínseco das ações costuma ter uma certa subjetividade, então não é um número fixo ou padrão. Logo, oscila dentro de uma faixa de valores e também ao longo do tempo.

    Como calcular o valor intrínseco?

    Através da análise fundamentalista, o investidor tem uma visão global do ativo que pretende adquirir.

    Isso porque esse tipo de análise permite examinar aspectos qualitativos da empresa como: modelo de negócios, governança corporativa e participação no mercado.

    E também avaliar aspectos quantitativos da empresa, tais como: indicadores financeiros e análise das demonstrações financeiras.

    Benjamin Graham, considerado um dos pioneiros em investimentos a longo prazo, apresentou a ideia de que o valor intrínseco de uma ação poderia ser calculado. Uma possível fórmula do valor intrínseco seria:

    • VI= (22,5 x LPA x VPA)

    Onde,

    Porém, cabe ressaltar que esse cálculo do valor intrínseco não funciona para todo tipo de empresa, sendo esse cálculo mais preciso para companhias que tenham lucros constantes.

    Também, não funciona para aquelas que têm valor patrimonial muito pequeno e que, por consequência, geram muito caixa.

    Outras formas de encontrar o valor intrínseco

    Existem diferentes variações de fórmulas para encontrar o preço justo da ação. Entre elas, podemos assinalar:

    • Avaliação baseada em ativos e passivos da empresa;
    • Histórico de múltiplos;
    • Análise de Fluxo de Caixa Descontado (DCF);
    • Modelo de Gordon;
    • WACC.

    1. Avaliação baseada em ativos e passivos da empresa

    Primeiramente, uma forma simples de avaliar uma ação é observando os ativos e passivos de uma empresa. Isso pode ser feito através da observação do balanço patrimonial de uma empresa.

    De forma geral, é uma métrica que pode ser usada para setores mais simples, como o setor imobiliário, mas pode acabar gerando reducionismos se for usada de forma exclusiva.

    2. Histórico de múltiplos

    É possível observar o histórico de múltiplos de mercado para saber se o preço de determinada ação está atrativo ou não. Dessa forma, investidores acreditam que podem encontrar boas oportunidades.

    Entre os múltiplos mais comuns estão o P/VPA (Preço sobre Valor Patrimonial), P/L (Preço sobre Lucro) e Dividend Yield.

    3. Análise de Fluxo de Caixa Descontado (DCF)

    O fluxo de caixa descontado é uma das formas mais comuns de se avaliar o valor intrínseco de uma ação, e é conhecido por muitos investidores.

    Essa metodologia busca calcular o fluxo de caixa de uma empresa ao longo do tempo e trazer o valor futuro a um valor presente, calculado para isso um determinado desconto.

    É uma conta relativamente simples que pode trazer clareza para o investidor sobre como tende a ser o comportamento de uma empresa ao longo do tempo.

    4. Modelo de Gordon

    O modelo de Gordon é uma forma de precificação de ativos baseada na estimativa do crescimento constante de dividendos. Através da análise de dados passados que possam se repetir, é feita essa determinação de valor intrínseco.

    Por exemplo: é possível atribuir o dividendo pago em uma ação de uma companhia em determinado período e assumir que ela crescerá a taxas constantes no futuro.

    Com o modelo de Gordon, traz-se o valor presente dos fluxos de dividendos futuros através de uma taxa de desconto.

    Como toda métrica de determinação de valor intrínseco, ela deve ser usada com cautela e, de preferência, ser analisada em conjunto com outras informações. Assim, é possível ter uma visão mais clara sobre a companhia em que se deseja investir.

    5. WACC

    Por fim, o custo médio ponderado de capital (WACC) é o custo médio ponderado de capital. Ou seja: ele fornece a taxa de desconto usado em uma análise de retorno sobre investimentos.

    No cálculo do WACC, estão incluídas todas as fontes de capital: ações ordinárias, preferenciais, títulos que a empresa emitiu, dívidas e outros.

    Por que é importante fazer o cálculo do valor intrínseco?

    valor intrínseco

    As ações negociadas abaixo do seu valor intrínseco podem oferecer boas oportunidades de compra, já que oferecem menos riscos ao investidor.

    Por isso, é importante que o investidor saiba usar o método ideal para avaliar o preço e a qualidade de cada ação, a fim de fazer boas escolhas.

    Mesmo assim, deve-se escolher sempre ativos com margem de segurança positiva, evitando assim uma má escolha de investimentos.

    Além disso, saber calcular este indicador dá poder de decisão ao investidor para optar por comprar ou vender uma ação. Através da determinação do valor intrínseco de uma ação, é possível escolher companhias boas por um preço justo.

    Permite também comprar ações e outros investimentos com “desconto” quando comparado ao seu preço justo.

    Por exemplo: uma crise econômica pode ter diminuído o preço das ações de determinada companhia, mas ela pode manter os fundamentos. Nesse caso, pode ser interessante ao investidor comprar essas ações.

    Qual a diferença entre valor extrínseco e intrínseco?

    O questionamento sobre a diferença entre valor extrínseco e intrínseco é muito comum, uma vez que ambos os termos soam muito parecidos.

    Primeiramente, como já foi falado nesse artigo, o valor intrínseco tem como função avaliar os aspectos internos no valor do tempo de determinado ativo.

    Por outro lado, o valor extrínseco de um ativo é o seu risco envolvido no tempo de exposição do capital. É uma métrica usada para medir o nível de incerteza que determinado ativo traz ao investidor.

    Na metodologia do valor extrínseco, quanto maior for esse valor, maior será o risco de determinada ação – pois haverá incertezas em sua confiança.

    Ou seja: essas são duas métricas que podem ser usadas em conjunto para analisar um ativo, gerando assim uma avaliação mais completa da empresa.

    Ficou alguma dúvida sobre o que é valor intrínseco? Escreva suas questões nos comentários e compartilhe conosco o que você achou do artigo.

    valor intrínseco
    O que é valor intrínseco?

    É o valor considerado como o preço justo de uma ação. Dessa forma, esse preço pode estar acima ou abaixo do valor de mercado da companhia.

    Como calcular o valor intrínseco?

    Existem várias formas de calcular o valor intrínseco: analisando o fluxo de caixa, observando o histórico de múltiplos, usando o modelo de Gordon, etc. De forma geral, os cálculos consistem em avaliar o histórico de alguma métrica do ativo e o trazem ao valor presente para avaliar se a ação está a um preço justo ou não.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    16 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Gilvan 12 de fevereiro de 2020

      Qual o melhor método para saber o preço justo de uma ação para iniciante? Bejamim? Gordon?

      Responder
      • thiago 17 de fevereiro de 2020

        Acredito que seja Benjamin, simples e objetivo.

        Responder
    • Juan Pablo 22 de março de 2020

      Ola, Boa Noite,
      Obrigado pela explicação. COm relação ao calculo do VI, como posso encontrar o LPA e VPA de uma determinada empresa. Poderia dar exemplo pratico utilizando uma determinada empresa.
      Mais uma vez, obrigado.

      Responder
      • Diego 31 de março de 2020

        LPA OU VPA voçe pode encontra-la no site Status Invest ou no Fundamentus

        Responder
    • Diego 31 de março de 2020

      essa formula de benjamim ela serve pra qualquer setor ou tem algum setor especifico??

      Responder
      • Suno Research 1 de abril de 2020

        Bom dia, Diego!
        Não há especificação de setor para a aplicação da fórmula.

        Responder
    • ZILEYR 18 de abril de 2020

      Boa tarde! Fiquei com uma dúvida de como calcular o valor intrínseco. O LPA lucro por ação?? Seria pegar o lucro mensal ou anual?? Tipo pega o lucro da empresa no ano e divide pelo total de açoes no mercado?? No caso todas ações= PN+ON +11??

      Responder
    • Felipe 11 de maio de 2020

      Qual o contexto do valor 22,50?

      Responder
      • Carlos 11 de junho de 2020

        Felipe, o calculo do 22,5 vem das seguintes premissas:
        -Ativo circulante deve ser 1,5x maior que o passivo circulante
        – P/L deve ser de no máximo 15x
        Ou seja 15 x 1,5 = 22,5.
        O que ele quer dizer então com esses 22,5? que você pode comprar empresas com PL mais caros, desde que a relação ativo e passivo seja menor. No fim das contas o resultado deve ser 22,5

        Responder
        • Álvaro 17 de junho de 2020

          Tudo bem, Carlos?
          O fator 1,5 na realidade se refere ao valor contábil por ação, ou seja, o valor patrimonial por ação (VPA). Dessa forma, segundo Graham, o 22,5 é a multiplicação dos 15 (muito bem explicado por você, acerca do P/L) e 1,5 do VPA. Em tese, significa que a empresa deve valer no mercado, idealmente, no máximo 50% a mais do seu real valor.

          Responder
    • Rhamon Asafe 5 de novembro de 2020

      Quanto a resultado, há alguma premissa de interpretação ? Por exemplo, empresa cujo resultado da raiz quadrada deu 1, como entender esse resultado e empresas que deram resultado maior, por exemplo 12. É indicativo de que?

      Responder
    • Lucas Sillos 13 de dezembro de 2020

      E quando o LPA for negativo?

      Responder
      • Suno Research 14 de dezembro de 2020

        Olá, Lucas! Tudo certo?
        Nesses casos, a fórmula de Valor Intrínseco proposta por Benjamin Graham não poderá ser utilizada. Como falamos no artigo, o cálculo se torna mais preciso para companhias que tenham lucros constantes.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Daniel F 9 de fevereiro de 2021

      Pode me auxiliar com um exemplo pratico?
      EX.: Empresa X – LPA = 0,05 – VPA = 1,14 , com isso teremos VI= √ (22,5 x 0,05 x 1,14) = 1,1324
      Com esse resultado como eu sei se está com preço justo para vender ou para comprar?

      Responder
      • Suno Research 11 de fevereiro de 2021

        Olá, Daniel! Tudo bem?
        Em primeiro lugar, cabe ressaltar que essa fórmula é bastante simplista e não deve ser levada como um fator decisivo em seus investimentos.
        O resultado de 1,1324 indica que esse deve ser o valor justo das ações. Ou seja, se a ação está abaixo de R$ 1,1324, ainda há espaço para valorização. Se estiver acima, não há mais espaço para valorização.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Eduardo Alves 6 de outubro de 2021

      Olá, gostei do artigo, ajudou a esclarecer um pouco sobre valor intrínseco.
      Mas gostaria de saber mais sobre a tal fórmula e como adaptar para outros ativos.
      Afinal o objetivo é ter uma carteira diversificada.
      Esse raciocínio (fórmula) faz diferença para ativos de valor e ativos de crescimento?
      Busco essa informação pq estou lendo o livro do Haward Marks, O mais importante para o investidor.

      Responder