Acesso Rápido

    O que fazer quando o preço da ação cair?

    O que fazer quando o preço da ação cair?

    Tem uma frase muito interessante do gênio dos investimentos Warren Buffett, que diz: “O mercado é uma máquina que transfere dinheiro dos impacientes para os pacientes”. Diante da volatilidade e das incertezas do curto prazo, observar o preço de seus ativos despencarem não é fácil.

    Na verdade, quando notamos a sabedoria de Buffett, um dos maiores investidores do mundo, entendemos o quanto o mercado financeiro envolve mais do que a movimentação do preço das ações. E saber o que fazer quando o preço da ação cair, vai te ajudar a ir mais longe no mundo dos investimentos.

    1. Tenha visão de longo prazo

    Investidores com visão de longo prazo para investir obtém geralmente os melhores resultados.

    O investidor que deseja investir no longo prazo, precisa ter em mente que sua missão é se tornar sócio de grandes companhias, e não apenas acompanhar diariamente o preço da ação.

    No longo prazo, os estudos demostram que a renda variável é sempre a opção mais rentável e o investidor que realmente deseja ter sucesso investindo deveria sempre focar em um prazo maior.

    Isso pode ser observado no gráfico abaixo, onde são comparados os rendimentos da renda variável X investimentos de renda fixa ao longo do tempo:

    Longo prazo gráfico

    Ou seja, mesmo com momentos de crise e queda na bolsa, no longo prazo o resultado é sempre positivo. Essa é a filosofia que todo investidor deveria ter do mercado financeiro, ou seja, um local onde se investe dinheiro com o intuito de um dia viver apenas de seus rendimentos.

    2. Reflita os motivos que você comprou suas ações

    Para o investidor de longo prazo, as ações são apenas instrumentos para alcançar seu objetivo, que é rentabilizar capital e aumentar seu patrimônio. 

    Em outras palavras, o investidor “buy and hold possui uma visão de futuro. Seu foco está, antes de tudo, em ser sócio de grandes companhias, obtendo rendimentos e ganhos de capital.  

    A estratégia do buy and hold é comprar as melhores empresas, do ponto de vista fundamentalista, e segurá-las por um período indeterminado, enquanto elas ainda continuarem a ter múltiplos atrativos.

    Desta forma, quando as ações estiverem em queda, lembre-se dos motivos que te levaram a investir nessas empresas, mesmo que seu home broker mostre muitos números negativos. Se os motivos para possuir essas ações ainda são bem justificados, então, não venda seus ativos!

    Benjamin Graham escreveu (tradução livre): ”O dinheiro de verdade investindo será feito não da negociação de compra e venda, mas de possuir e manter ações, recebendo juros e dividendos, e se beneficiando do incremento de valor no longo prazo.”

    3. Analise os fundamentos das empresas 

    Dentre as diversas escolas de investimentos, a análise fundamentalista se caracteriza por ser uma das mais coerentes e sustentáveis no longo prazo.

    Após lembrar porque você decidiu investir em determinada empresa, estude novamente seus fundamentos. Como está o caixa da companhia? Você analisou seus múltiplos? Você tomou conhecimento dos fatos mais recentes do ambiente corporativo desta empresa?

    Deste modo, ao interpretar os números e comparar com a qualidade da empresa em questão, uma reflexão é necessária: os fundamentos mudaram após a queda das ações? Isso é importante analisar, visto que muitas baixas do mercado não tem nenhuma relação com os fundamentos das empresas. 

    Ou seja, se a empresa permanece com lucros constantes e endividamento controlado, por que você vai vender suas ações? 

    4. Entenda a lógica da renda variável

    Na verdade, grande parte dos  investidores não sabem lidar com a queda no preço dos ativos. Principalmente porque não entendem a lógica de funcionamento do mercado de capitais. 

    O mercado não sobe em linha reta, as ações não sobem em linha reta, dentro de um período de 10 anos, onde as ações se valorizam muito, há muitos períodos de queda, em que o investidor observará seu patrimônio desvalorizando e isso é completamente natural no mercado.

    Neste caso, crises econômicas e ruídos políticos afetam diretamente o preço das ações. De fato, é realmente difícil perceber qual fato ou notícia está afetando, naquele momento, o preço dos ativos.

    Por isso, se você está posicionado no mercado acionário e está assistindo suas ações em queda, tente entender qual é a maior motivação para a queda dos preços. Até porque, se ações estão em baixa por problemas nos negócios das empresas, logo, você realmente deve repensar sobre o ativo escolhido. 

    Porém, em muitas situações o preço da ação não tem nada a ver com os fundamentos da empresa, que pode estar em seu melhor momento, mas as ações em queda. 

    4. Com as ações em quedas encontramos as melhores oportunidades

    É importante o investidor ter em mente que os preços das ações flutuam, tanto positivamente, quanto negativamente.

    Agora, vamos pensar juntos: se a empresa vai bem e suas ações estão em queda, é muito provável que essa assimetria seja favorável a você. Deixa-me explicar. No cenário de crise, volatilidade e queda das ações, as oportunidades surgem para os mais pacientes. Já para os impacientes, as ações em queda significa pânico e prejuízo. 

    No entanto, para a lógica do investidor de longo prazo, se a companhia passa por um excelente momento, mas suas ações estão em queda, talvez seja o melhor momento para aumentar sua posição e fazer novas compras.

    Ou seja, é justamente quando a “manada” vende seus ativos desesperadamente, você compra mais ações pensando em realizar o lucro nos períodos de “bonança”. Esse é o efeito que Buffett chama de transferir o dinheiro dos impacientes para os pacientes. 

    ”A volatilidade dos mercados é a maior aliada do verdadeiro investidor”.

    Warren Buffett

    6. Diversifique seus investimentos

    Ademais, muitos investidores se desesperam ao verem suas ações em queda por uma simples razão: estão muito concentrados em ativos de renda variável e não conseguem lidar com a volatilidade. 

    Portanto, a diversificação de ativos é uma alternativa importante para amortecer o impacto da volatilidade e mitigar os riscos de sua carteira. 

    Selecionar bons ativos descorrelacionados é uma solução interessante. Em momentos que as ações estão em queda, ter uma parte dos seus recursos em títulos de renda fixa pode te ajudar a lidar com as baixas do mercado. 

    Por fim, a resposta sobre o que fazer com suas ações em baixa envolve muito foco, análise e paciência do investidor. Por isso que a Suno possui a resposta certa para você investir com qualidade.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *