Acesso Rápido

    Investimento para iniciantes: entenda quais são e sua importância

    Investimento para iniciantes: entenda quais são e sua importância

    Quem deseja começar a investir, mesmo que seja pouco dinheiro, precisa saber um pouco mais sobre qual é o melhor investimento para iniciantes.

    Assim, é fundamental conhecer os conceitos e estratégias de investimento utilizadas no mercado financeiro, além de conhecer quais são os investimentos para iniciantes, tanto da renda fixa quanto na renda variável.

    O que é investimento para iniciantes?

    Investimento para iniciantes é um tipo de aplicação financeira para quem quer começar a investir.

    Dessa forma, um investidor iniciante precisa saber algumas questões básicas antes de dar seus primeiros passos e aplicar o seu dinheiro, como a diferença entre renda fixa e renda variável.

    Além disso, é preciso também conhecer alguns conceitos do mundo financeiro como liquidez, risco, retorno e diversificação de investimentos.

    Qual a importância de começar a investir?

    Investir é importante para proteger os recursos poupados e conseguir fazer eles se multiplicarem na conta.

    Se a pessoa está poupando mais não está investindo, deixando os recursos na poupança, por exemplo, esses valores não estão rendendo.

    Devido ao FGC (fundo garantidor de crédito), os recursos até podem estar protegidos, mas não estão sendo remunerados de forma apropriada.

    Ao investir os valores em fundo DI (se taxa administrativa, ou no Tesouro Selic, CDB que paga 100% do CDI, a pessoa estará pelo menos conseguindo um rendimento na média do mercado.

    Agora se a pessoa realizar uma análise do próprio perfil e buscar conhecimentos na área de investimentos, a fim de formular uma estratégia para buscar bons rendimentos sem correr tantos riscos, aí a pessoa vai passar a ser um investidor.

    Se a importância está relacionada a proteger o capital e remunerar o mesmo, além disso, outro ponto relevante de investir está na possibilidade de construir um patrimônio substancial, a ponto de oferecer a pessoa condições de viver de renda.

    Tudo isso, é possível iniciando com pouco dinheiro e ganhando experiência ao longo do caminho.

    Quais são os conceitos de investimento para iniciantes?

    Antes de falar sobre os melhores investimentos para iniciantes é preciso conhecer os conceitos que fazem parte das aplicações financeiras:

    Liquidez

    A liquidez é a capacidade de converter um bem ou ativo em dinheiro. Dessa forma, quanto mais fácil e rápido for vender um ativo e receber o dinheiro por ele, mais liquidez possui esse ativo.

    Ativos com maior liquidez é ideal para investidores iniciantes, e por isso quando decidir vender ou resgatar a aplicação, irá conseguir fazer isso com mais facilidade.

    Risco

    Já o risco pode ser qualquer risco financeiro associado ao ativo, como a perda do valor do investimento.

    Retorno

    O retorno é o ganho que um investidor terá sob uma aplicação financeira. Esse retorno pode ser dado tanto em percentual quanto em valor absoluto. Além disso, pode ser uma medida do desempenho do ativo.

    Diversificação

    A diversificação é uma estratégia de investimento bastante conhecida no mercado financeiro para gerenciar o risco da carteira de investimento. É uma técnica para distribuir o valor investido em uma certa variedade de ativos.

    Reserva de Emergência.

    Por fim a reserva de emergência. Normalmente, quando o investidor começa a poupar e alocar seus recursos em algum ativo, toda essa movimentação ocorre na tentativa de construir uma reserva de emergência.

    Sendo que o conceito na reserva de emergência está subentendido em seu próprio nome, é uma reserva para emergências.

    Assim, os valores ali depositados precisam estar disponíveis, mas não podem deixar de render ou de estarem protegidos. Boas aplicações para esses recursos são os CDBs, Tesouro Selic e fundos DI.

    Qual a diferença entre renda fixa e variável?

    Para saber qual é o melhor tipo de investimento para iniciantes é fundamental saber diferenciar a renda fixa da renda variável.

    A renda fixa, como o próprio nome já diz, é uma classe de investimentos financeiros em que a rentabilidade do investidor é determinada por regras pré-estabelecidas.

    Por exemplo, se você adquire um título de renda fixa com juros pré-fixados que paga 4% de rentabilidade ao ano, você tem a certeza de que ao final do período vai receber o combinado.

    Esse é o tipo de investimento ideal para quem está começando a acumular patrimônio ou deseja formar a reserva de emergência, que corresponde ao montante correspondente a seis meses de custo de uma pessoa.

    Dentre os principais ativos de renda fixa, estão:

    • CDB;
    • Títulos do Tesouro Direto;
    • LCI e LCA;
    • Letra de Câmbio;
    • CRI e CRA.

    Já a renda variável é aquele tipo de aplicação financeira cuja rentabilidade é desconhecida antes da aplicação. Dessa forma, o investidor poderá ter prejuízo ou lucro.

    Contudo, apesar de possuir mais risco, esse tipo de investimento também pode garantir um retorno melhor para os investidores. Dentre os principais ativos de renda variável estão:

    • Ações;
    • Fundos de investimento;
    • Fundos multimercados;
    • Fundos imobiliários;
    • Etfs.

    A renda variável para iniciantes vai exigir um pouco mais de estudo, por se tratar de algo que oferece mais riscos em comparação a renda fixa.

    Quais são os principais investimentos para iniciantes?

    O mercado financeiro está repleto de alternativas de investimentos. Para aqueles que são iniciantes no mercado, o mais interessante é permanecer no início, dentro da renda fixa.

    Por se tratar de investimentos que a pessoa terá uma previsibilidade de rendimentos e que possuem certas “garantias”, como é o caso do FGC, os produtos de renda fixa são os mais indicados aos investidores iniciantes.

    O mercado financeiro para iniciantes pode ser algo arriscado, por isso, é importante buscar conhecimento antes de investir na renda variável, por exemplo.

    Títulos do Tesouro Direto

    Dentre os títulos do Tesouro Direto a um que é o mais interessante para os iniciantes, ele é o Tesouro Selic.

    Diferente das outras letras, o Tesouro Selic oferece rendimento vinculado à Selic. Portanto, quando a taxa Selic sobe, esse papel costuma oferecer rendimentos maiores, seguindo a rentabilidade oferecida pela taxa, se o inverso ocorrer então a letra vai render menos.

    As demais letras do Tesouro Direto, como é o caso do Tesouro IPCA e do prefixado, são bons ativos, porém, esses investimentos podem sofrer muito com a volatilidade do mercado.

    Por contarem com taxas prefixadas em suas remunerações, esses papéis costumam ser influenciados pelo mercado de forma mais contundente, diferente do que ocorre com o Tesouro Selic.

    Vale destacar que dentre as opções do Tesouro Selic, aquelas que têm o vencimento mais curto, são as melhores para os investidores iniciantes. Quanto menor for o vencimento, menos volátil será o título.

    CDB

    O CDB é bem semelhante ao Tesouro Selic. Mas, dentre as opções existentes no mercado, há uma grande variedade de tipos de CDB com os mais diferentes rendimentos.

    Como estamos tratando do investidor iniciante, uma das melhores alternativas é o CDB de liquidez diária. Os grandes bancos costumam oferecer esse tipo de CDB atrelado a um rendimento de 100% do CDI, ou DI.

    A taxa CDI, ou DI segue de perto as variações da Selic, sendo que a rentabilidade das duas é bem similar.

    Como os bancos grandes já oferecem uma rentabilidade de 100% do CDI, os bancos menores, normalmente, oferecem rendimento um pouco maior para a mesma modalidade de CDB, liquidez diária.

    Esses rendimentos podem ser de 105% do CDI, chegando à casa dos 120% do CDI. Pode parecer uma diferença pequena, mas dependendo dos montantes e do prazo que o valor permanecer aplicado, no final, o resultado é interessante.

    Vale destacar que o CDB, dependendo da instituição financeira, é protegido pelo FGC. Essa proteção vai até os 250 mil reais por CPF e instituição.

    Porém, isso não dá condição de sair por aí investindo em qualquer CDB. O FGC possui recursos limitados em seu fundo e a garantia só funciona enquanto houver recursos em seu fundo.

    Por isso, ainda é importante avaliar muito bem os investimentos, antes de escolher qual comprar.

    LCI e LCA

    As letras de crédito imobiliário e do agronegócio seguem as mesmas características do CDB.

    Ambos os tipos de investimentos possuem o FGC como garantidor, mas, além disso, a LCI e LCA ainda têm isenção de imposto de renda.

    Enquanto o CDB pode contar com uma retenção regressiva de IR sobre os rendimentos auferidos, no momento do resgate, a LCI e LCA não têm retenção.

    Isso dá mais ganhos aos investidores. Ao invés de investir em um CDB que paga até 120% do CDI, o investidor pode muito bem comprar uma LCI que paga 100% do CDI e não tem retenção de IR.

    Sem falar que não havendo a retenção de IR, a LCI ou LCA pode acabar sendo liquidada antes do CDB e a rentabilidade será muito maior, devido ao caráter regressivo do IR sobre os rendimentos do CDB.

    Vale destacar que não há LCI e LCA com liquidez diária. Normalmente, o vencimento mais curto para esse tipo de investimento é de 90 dias.

    Por não contar com uma opção de liquidez diária, a melhor alternativa é investir em LCI e LCA de vencimento mais curto possível.

    Desse modo, os eventuais riscos sobre o LCI e LCA são mitigados e o investidor terá os valores liquidados o mais rápido possível e poderá alocar os valores em outro ativo.

    Fundos de investimento

    Existem vários tipos de fundos de investimento no mercado. Há opções tanto de renda fixa quanto de renda variável.

    Dando foco nos investidores iniciantes, as melhores opções de fundos de investimento são os DI. Os fundos DI isentos de imposto de renda investem predominantemente em letras do Tesouro Selic e possuem ótima liquidez.

    Inclusive os valores para aplicação inicial são bem acessíveis. Há opções no mercado em que existe investimento inicial de R$ 100,00, por exemplo. Ou seja, é mais fácil investir em um fundo desses do que no próprio Tesouro Selic.

    Como o investimento do fundo vai todo no Tesouro Selic, os riscos são mitigados. Outro ponto está relacionado à comodidade.

    Ao investir no Tesouro Selic, o investidor precisa ficar atento aos custos que são cobrados semestralmente na conta da corretora. Esses custos estão relacionados à taxa administrativa do Tesouro.

    Portanto, ao investir no fundo DI, o investidor não precisa ficar preocupado em deixar saldo na conta ao final de um semestre.

    Como mencionado, há vários outros fundos que podem ser alvo dos investidores iniciantes, porém, o mais interessante é manter o foco em ativos mais líquidos e de fácil compreensão.

    Quais são os critérios de investimentos para iniciantes na bolsa?

    Dessa forma, o investimento em ações para iniciantes está ganhando cada vez mais espaço, principalmente a disseminação da educação financeira.

    Sendo assim, para começar a investir em ações é preciso entender o que é uma análise fundamentalista e uma análise técnica.

    Ou seja, é preciso começar a acompanhar as empresas e suas ações, e evitar colocar todo o capital em uma única empresa ou setor.

    É preciso também definir objetivos de investimento. Ou seja, se prazo de resgate será de curto, médio ou longo prazo.

    Pois, existem ativos que são mais rentáveis no longo prazo e ativos mais indicados para o curto prazo. Além disso, existem ativos mais arriscados e menos arriscados.

    Como começar a investir?

    Ao poupar dinheiro, a pessoa terá que armazenar esses recursos em algum lugar, sendo que nesse momento, é a hora de começar a investir.

    Quando a pessoa começa a investir, normalmente um dos primeiros objetivos é construir uma reserva de emergência.

    Na reserva de emergência os valores são aplicados em títulos de liquidez diária que podem ser acessados com agilidade. Além disso, o investidor vai preferir ativos que possam entregar rendimento em média ao mercado e com boa segurança.

    Ao iniciar a reserva de emergência, o investidor pode começar a buscar mais conhecimento sobre o mercado e colocar o mesmo em prática.

    Por isso, é importante ler livros sobre o tema de finanças e investimentos, além de buscar conhecimento em blogs e sites de confiança.

    Destacando que é importante manter uma estratégia bem eficiente de alocação de ativos, tendo em mente que alguns valores devem conter uma característica de curto prazo e outros de longo prazo.

    A mentalidade de investidor será construída ao longo do tempo, mas para isso, é preciso investir e construir uma boa carteira.

    Foi possível entender o que é investimento para iniciantes? Então deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta matéria com seus amigos nas suas redes sociais.

    perguntas frequentes sobre investimento para
    Qual a melhor plataforma de investimento para iniciantes?

    É difícil cravar a melhor plataforma. Tanto bancos quanto corretoras possuem ativos que são interessantes aos investidores iniciantes.
    Se o investidor permanecer com os valores no próprio banco, uma alternativa é o CDB que pague ao menos 100% do CDI.
    Já com a conta em uma corretora há mais alternativas. Os CDBs de liquidez diária estarão lá também, além disso, há os fundos DI, Tesouro Selic e LCI e LCA. Tudo isso, como o foco na liquidez diária ou no vencimento mais curto possível.

    Como começar a investir do zero?

    Para começar a investir, a pessoa precisa poupar. Manter um padrão de vida equivalente a sua renda e poupar recursos é algo essencial.
    Conseguir tudo isso, para muitos já é algo relevante. Então mantenha um bom controle das finanças e vá investindo os valores poupados em opções de investimento de liquidez diária e que possam entregar ao menos 100% do CDI.

    Onde começar a investir com 100 reais?

    Tanto bancos quanto corretoras terão alternativas para investimentos de até R$ 100,00. Antes de abrir uma conta em qualquer banco ou corretora, tente fazer uma pesquisa.
    Principalmente olhando a qualidade da instituição e dos produtos que a mesma oferece. Algumas instituições chegam a deixar abertas as alternativas que existem na renda fixa, ou na carteira de fundos.
    Assim, o investidor consegue ver tudo antes, sem necessidade de abrir a conta. De qualquer forma, com R$ 100,00, o foco do investidor precisa ser os ativos de liquidez diária, como é o caso do Tesouro Selic, fundos DI, LCI e LCA além dos CDBs.

    O que eu preciso saber para começar a investir?

    O investidor precisa conhecer bem alguns termos do mercado financeiro, como a liquidez. A liquidez está associada à acessibilidade dos recursos investidos.
    Ou seja, se a pessoa compra um CDB com vencimento em 2 anos, esses recursos ali aplicados, estarão disponíveis só após 2 anos. Desse modo, os recursos investidos não são de fácil liquidez, ou são pouco líquidos.
    Já um CDB que tem liquidez diária, que pode ser vendido e liquidado a qualquer momento, tem uma acessibilidade muito maior.
    É muito importante verificar a liquidez em fundos também. Há diversos fundos que possuem liquidez para 15 dias, e até ultrapassando os 30 dias. No caso dos fundos DI isentos de taxa administrativa, a liquidez normalmente é de zero dia (imediata, D+0) ou de um dia (D+1).
    Além da liquidez é importante conhecer o CDI, ou DI. Os CDBs e LCI e LCA normalmente tem como rendimento o CDI, ou DI. Portanto, o investidor precisa estar familiarizado com tal taxa de rendimento.

    O que todo investidor deve saber?

    Todo investidor precisa saber do poder dos juros compostos e dos ganhos proporcionados pela bolsa de valores oferecidos no longo prazo.
    No Brasil, a renda fixa tem ganhado da renda variável (representado pelo Ibovespa) a anos. No médio a longo prazo, os juros vêm gerando mais retorno que o próprio índice.
    Por isso, os juros compostos são uma das principais armas dos investidores. Já em países desenvolvidos como é os Estados Unidos, o S&P 500, um dos principais índices da bolsa, vem gerando retornos muito maiores do que o juro.
    Outro ponto importante que os investidores precisam conhecer é a alocação de ativos. Uma boa alocação pode ajudar em momentos de alta volatilidade e com uma carteira bem diversificada, o investidor tem grandes chances de ganhar da média no longo prazo.

    Bibliografia

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *