Acesso Rápido

    Previdência privada Itaú vale a pena? Clique e descubra!

    Previdência privada Itaú vale a pena? Clique e descubra!

    Para aqueles que estão analisando as possibilidades para uma futura aposentadoria, a ​​escolha pela previdência privada do Itaú pode ser uma opção interessante.

    Porém, antes de tomar a decisão sobre investir na previdência privada Itaú, é importante, analisar outras opções de investimento. Inclusive aquelas disponíveis na bolsa de valores.

    O que é previdência privada do Itaú?

    A  previdência privada do Itaú é uma modalidade de investimentos oferecida pelo banco para aqueles que desejam complementar a sua aposentadoria no futuro. 

    Ou seja, pode funciona como um plano de aposentadoria que pode garantir uma remuneração complementar ao INSS. Como resultado, é possível que o cliente saiba a quantia mensal necessária para alcançar um determinado valor, proporcionando bons resultados e sem abdicar da segurança.

    Como a previdência social muitas vezes não cobre as necessidades das pessoas, é muito inteligente que as pessoas busquem investir para ter renda no futuro.

    Como funciona a previdência privada do Itaú?

    O Itaú Unibanco é o maior banco privado do Brasil, e ainda a maior instituição financeira da América Latina. Esse fato, por si só, demonstra sua solidez, competência e garantia de gestão do patrimônio dos seus clientes com alta qualificação.

    Na previdência privada do Itaú, o cliente realizará aportes cujo montante de recursos será gerenciado por um gestor do banco. Desse modo, ao longo dos anos, o dinheiro investido com recorrência ficará rendendo.

    Uma vez que o cliente decida por se aposentar, o mesmo poderá resgatar os seus rendimentos mensalmente ou através de um único pagamento.

    Importante destacar que tal valor é variável, a depender da rentabilidade da previdência privada, o plano escolhido, a tributação e o tempo de aplicação do dinheiro.

    Quais são as características da previdência privada do Itaú?

    A previdência privada do Itaú possui uma série de características distintas, que auxiliarão o cliente na escolha que se encaixa nas expectativas pretendidas.

    A previdência privada do Itaú se divide em dois tipos, chamados Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) e o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL). Cada plano possui características diferentes, como regimes de tributação.

    PGBL ou VGBL

    Para aqueles que são isentos de Imposto de Renda (IR), emitem declaração simplificada de IR ou não contribuem para o INSS, o formato de previdência VGBL é o plano mais indicado.  Nesse plano, como um fundo tradicional de ações, o imposto recai sobre o valor dos rendimentos, e não sobre o montante total acumulado.

    Além disso, caso o cliente faleça durante a fase de acumulação, os recursos investidos não integram o inventário de espólio, liberados com agilidade aos herdeiros. Se o cliente tiver dúvidas, é possível fazer uma simulação através do simulador do VGBL Itaú.

    O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) é mais indicado para os clientes que realizam a declaração completa de Imposto de Renda e contribuem para o INSS, uma vez que se torna possível abater uma boa parcela da renda tributável anual em aportes no plano.

    Importante destacar que, ao contrário do VGBL, no formato conhecido como PGBL, o Imposto de Renda incide sobre todo valor acumulado. No entanto, ​​é possível restituir até 12% da renda bruta no Imposto de Renda.

    Tributação

    O tipo de tributação do plano do Itaú previdência pode ser escolhido no momento da contratação do plano, com duas opções disponíveis, tanto para VGBL, quanto para PGBL. Os regimes de tributação são regressivos e progressivos.

    Na tributação regressiva, quanto mais tempo a aplicação estiver investida, menos será o IR a ser pago, começando em 35% e, a cada dois anos, reduz 5 pontos percentuais, podendo alcançar a alíquota de 10% após 10 anos.

    Em outras palavras, na tributação regressiva o desconto do IR é definitivo, ocorrendo apenas no momento do resgate da aplicação.

    Já na tributação progressiva para previdência privada do Itaú, os percentuais são definidos através da  tabela progressiva do IR. Como resultado, possuem variação de isenção até a alíquota de 27,5%, que dependerá do valor resgatado ou recebido como renda.

    Importante destacar que na tributação progressiva há a cobrança da alíquota de 15% na fonte no momento em que ocorre o resgate.

    Resgate

    Quando se trata de resgatar a previdência privada do Itaú, há três escolhas possíveis de se fazer:

    • Resgatar o valor investido, seja ela total, parcial ou até mesmo um resgate mensal;
    • Optar por receber uma renda mensal por um determinado período;
    • Escolher receber uma renda vitalícia.

    De acordo com informações disponibilizadas pelo banco, após a carência, o prazo entre um resgate e outro deve ser de pelo menos 60 dias da data do crédito em conta.

    Custos e taxas da previdência privada

    Na previdência privada do Itaú não há cobra taxa de carregamento na entrada e saída em nenhum plano de previdência. Além disso, a portabilidade também não possui custos, exceto se o plano atual tiver carregamento de saída.

    Já a taxa de administração varia conforme a carteira Itaú de previdência escolhida pelo cliente, que possui grau de risco de baixo, médio e alto grau, com aplicação mínima de R$ 1,00.

    Vale a pena investir na previdência privada do Itaú?

    É possível realizar a simulação da previdência no próprio site do banco, onde o cliente irá informar qual a renda desejada em sua aposentadoria e por quanto tempo realizará as aplicações.

    Além disso, no simulador de previdência privada do Itaú, o cliente deve informar a idade em que iniciará o resgate, para recebimento de sua renda mensal.

    Do mesmo modo, deve informar qual tipo de declaração de seu Imposto de Renda e seu perfil de investidor.

    Quando o assunto é previdência privada, é importante que se escolha por aquela que esteja adequada ao perfil de cada cliente. Assim, é importante considerar outros aspectos como, prazos, taxas, rentabilidade e outros custos. 

    Em suma, para o investidor compreender se previdência privada do Itaú vale a pena é importante considerar seus objetivos. Em geral, se ele busca rentabilidade ao longo dos anos, é valido montar a sua própria carteira previdenciária ao invés de investir na previdência privada.

    O que achou da previdência privada do Itaú? Deixe suas dúvidas e comentários a respeito do tema.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    3 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Mario Dias Tavares 25 de janeiro de 2021

      Ao aplicar em Previdência Privada, não busco qualquer remuneração futura. Meu objetivo é outro. Tenho 90 anos e, minha preocupação écom a praticidade pois venho de família que, tanto pelo lado paterno quanto materno tem vida curta. Sou um ponto fora da curva e, embora meus filhos estejam muito bem financeiramente, quero facilitar para eles, mais uma vez, e não ficarem presos a inventário quando da minha morte. Esta é a motivação.
      Pensando assim, vale a pena aplicar em Previdência Privada ?

      Responder
      • Suno Research 26 de janeiro de 2021

        Olá, Mario! Tudo bem?
        Sim, uma Previdência Privada (desde que adequada) pode ser uma boa opção para os seus filhos.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Mario Dias Tavares 25 de janeiro de 2021

      Ao aplicar em Previdência Privada, não busco qualquer remuneração futura. Meu objetivo é outro. Tenho 90 anos e, minha preocupação écom a praticidade pois venho de família que, tanto pelo lado paterno quanto materno tem vida curta. Sou um ponto fora da curva e, embora meus filhos estejam muito bem financeiramente, quero facilitar para eles, mais uma vez, e não ficarem presos a inventário quando da minha morte. Esta é a motivação.
      Pensando assim, vale a pena aplicar em Previdência Privada ?

      Responder