Acesso Rápido

    Com 50 anos ainda é possível fazer uma aposentadoria com dividendos?

    Com 50 anos ainda é possível fazer uma aposentadoria com dividendos?

    Muitas pessoas nos perguntam se mesmo após os 50 anos vale ainda a pena investir e se ainda é possível obter uma renda de dividendos, já que é uma idade relativamente avançada, e eu respondo, com convicção, que sim. É plenamente possível, e com um pouco de paciência e foco, qualquer pessoa pode chegar lá.

    A verdade é que sempre é tempo para começar a investir, e nós costumamos dizer que o melhor momento para iniciar sua carteira previdenciária é hoje, independente da sua idade.

    Eu tenho um caso muito interessante que serve como um exemplo perfeito disso, e que ao meu ver, deveria servir de exemplo e inspiração para muitas pessoas.

    No Brasil são poucos os casos explícitos e conhecidos de pessoas que vivem de renda passiva de ativos geradores de renda no mercado de capitais, e casos como esses, devem ser sempre aplaudidos e tidos como exemplo, pois servem de inspiração para aqueles que estão iniciando.

    Eu conheci um senhor que, após décadas de trabalho árduo, ao perceber que a previdência pública não seria capaz de lhe proporcionar uma aposentadoria digna, decidiu que deveria investir para que quando decidisse parar de trabalhar, tivesse um certo conforto e tranquilidade, algo que o INSS dificilmente proporcionaria.

    Ele começou então a estudar e pesquisar alternativas de investimentos que poderiam preencher mais adequadamente este perfil previdenciário, que é o que ele buscava, e após muitas pesquisas, decidiu investir em ações de dividendos, que lhe serviam perfeitamente para seu propósito: obter uma renda complementar na aposentadoria além do INSS.

    Assim, mesmo com seus 52 anos aproximadamente, não se deixou desanimar pela idade e começou a investir, reservando todos os meses uma parcela de seus ganhos mensais, e somando-os com um pequeno capital que já havia acumulado durante sua vida, deu início a uma carteira previdenciária, inicialmente focada em ações, e alguns anos depois, passou a direcionar a maior parte dos seus recursos e aportes para fundos imobiliários, que ainda possuem um perfil de renda ainda maior que o das ações.

    Após cerca de 13 anos investindo, e sempre reinvestindo todos os dividendos nesse período, este senhor se tornou milionário, e como viu que seus planos estavam dando muito certo, e ele ainda gostava de trabalhar, e não queria parar, continuou trabalhando e aportando mensalmente, fortalecendo ainda mais sua carteira previdenciária, que através de um efeito exponencial, passou a lhe entregar cada vez mais dividendos.

    Hoje, com mais de 75 anos, esse investidor vive de renda passiva, e apesar de receber também uma parcela da previdência social, fruto do seu trabalho exercido durante a vida, os rendimentos com dividendos de ações e especialmente fundos imobiliários representam a maior parcela disparada de sua renda, e lhe proporcionam uma aposentadoria realmente digna, onde ele pode consumir à vontade, ajudar terceiros, fazer viagens e ainda possuir um carro bastante confortável, um conforto que ele sempre apreciou e sonhou.

    Se outras pessoas seguissem o exemplo deste senhor, eu não tenho a menor dúvida de que chegariam à terceira idade com uma condição financeira muito mais tranquila, ainda que tivessem começado relativamente tarde.

    Por casos como estes que eu afirmo: apesar de parecer que é tarde, o investidor que tem essa idade e se interessa em investir ainda tem um bom tempo pela frente, tempo este que pode lhe proporcionar ainda uma belíssima aposentadoria com dividendos.

    Vamos supor que uma pessoa que pretende começar a investir aos 50, deseja se aposentar com 65 anos, que é a idade onde a maioria dos brasileiros se aposenta, então temos 15 anos pela frente.

    15 anos é tempo mais do que suficiente para se iniciar e estabelecer um plano de aportes mensais, se focando em ações e fundos imobiliários, e reinvestindo todos esses ativos mensalmente, assim como fez o senhor que eu citei anteriormente.

    É evidente que é provável que, a depender da renda que se deseja obter na aposentadoria, é provável que seja necessária a realização de aportes elevados e robustos todos os meses, até para compensar o menor tempo que se tem pela frente, porém, ainda que o investidor opte por aportes menores, eu não tenho dúvida que no mínimo será possível obter pelo menos um bom complemento de renda para sua aposentadoria.

    Já para aqueles que acumularam algum patrimônio fora do mercado financeiro ao longo da vida, como aplicações em renda fixa ou mesmo imóveis, e estão dispostos a direcionar parte desses recursos para o mercado de capitais, além dos aportes mensais que são basicamente essenciais, então sem dúvidas o caminho se torna muito menor, e é possível que até em menos de 10 anos seja possível atingir uma independência financeira com dividendos.

    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Luiz Fernando De Oliveira 2 de outubro de 2019

      Tiago,lhe sigo a pouco mais de dois meses, só tenho a lhe agradecer, estou realmente aprendendo muito contigo. Obrigado.

      Responder