Acesso Rápido

    Recompra de ações: o que significa para a empresa e para o investidor

    Recompra de ações: o que significa para a empresa e para o investidor

    Recompra de ações é um mecanismo muito útil para as empresas de capital aberto e que tem se popularizado muito nos últimos tempos.

    Se você investe em ações já deve ter recebido um comunicado de recompra de ações. Quem está começando e busca investimentos para iniciantes deve ter lido notícias a respeito.

    O que é uma recompra de ações?

    A recompra de ações é um método em que a empresa compra ações no mercado para custodiá-las em sua tesouraria ou cancelá-las. Em geral, a ação é feita quando a companhia considera que o preço de suas ações está abaixo do seu valor.

    Isso pode acontecer por um momento irracional de queda nos mercados. Ou se a empresa considera que o mercado não está avaliando corretamente seu real valor.

    Quando uma empresa deseja fazer o programa de recompra de ações, ela pode estar se aproveitando de um momento do mercado para utilizar seu capital de forma inteligente.

    Apesar de ser o motivo mais comum, uma queda irracional nos mercados não é a única razão para uma companhia realizar a recompra de ações.

    Dentre outros motivos, ela pode estar buscando reduzir os seus gastos com dividendos ou, até mesmo, distribuir as ações entre seus próprios executivos pelos sistemas de Stock Options.

    Como funciona recompra ações?

    De certa forma, a intenção de recomprar ações é vista pelo mercado como uma sinalização da empresa de que acredita no potencial de suas ações.

    Caso as ações sejam canceladas, o número de acionistas diminui. Logo, o lucro total da companhia é dividi-lo por menos pessoas. O que significa que a empresa retém mais o lucro pelas ações que possui.

    Já se as ações forem mantidas pela empresa em sua tesouraria, ela irá esperar o melhor momento para vendê-las. Como acredita que o seu preço irá subir, terá um lucro com a operação. Dessa forma, a empresa realiza essa ação por ser lucrativa para ela.

    Mas isso é benéfico para os outros acionistas? De fato, para o acionista, isso também é vantajoso. Isso porque mesmo o acionista minoritário passa a ser dono de uma porcentagem maior da empresa, aumentando assim seu patrimônio.

    Por que ocorre a recompra de ações?

    Recompra de ações

    Muitos investidores se perguntam o porquê de determinadas companhias optarem pela recompra de ações e não pela distribuição de dividendos, uma vez que o dividendo é um dinheiro distribuído diretamente ao investidor.

    O principal motivo que justifica a recompra de ações é o menor gasto com impostos. Nos EUA, por exemplo, a distribuição de dividendos é taxada em até 33%. Ou seja: o governo ficaria com um terço dos dividendos da empresa.

    Por outro lado, o buyback não possui nenhum imposto associado à operação. Isso faz com que empresas prefiram essa opção.

    Na prática, o resultado é o mesmo: o investidor passa a ter uma fatia maior da empresa, pois as ações recompradas geralmente são canceladas em tesouraria.

    Por exemplo: se o investidor tem 1% das ações de uma empresa e essa campanha recompra 10% de suas ações disponíveis no mercado, o investidor que mantiver seus ativos terá 1,11% do total da companhia.

    Quais podem ser as consequências de uma recompra de ações?

    A recompra tem consequências diferentes para os acionistas dependendo do que a companhia fizer com as ações compradas.

    Caso a empresa cancele as ações o acionista passa a ter uma fatia maior da empresa. Portanto, receberá permanentemente mais dividendos pelas mesmas ações que possui.

    Já se a empresa guardar os papéis, o acionista ganha quando a empresa vender e obter lucro com a operação. Já que o ganho de capital será adicionado aos lucros da companhia e distribuído aos acionistas. Mas nessa opção, o ganho será pontual.

    No entanto, quando a empresa compra as ações no mercado ela reduz o número de papéis em negociação, no chamado “free float”. O que diminui a liquidez dos ativos. Isso pode ser relevante dependendo da ação em questão.

    Outras possibilidades para a recompra de ações

    Nem sempre a empresa realiza a recompra porque suas ações estão baratas. E nesses casos, pode não ser uma sinalização tão interessante.

    Uma utilização pode ser para atender o programa de stock options da empresa. Ao invés de emitir novas ações para dar aos seus executivos, a empresa as compra no mercado. Dessa forma, a empresa não está diluindo suas ações no mercado.

    A ação também pode vir a ser interpretada como um modo de utilizar o caixa excedente da empresa. Assim, pode ocorrer com as ações estando baratas ou não.

    Ou seja, a geração de caixa está alta e ele não está sendo utilizado para novos investimentos e aquisições.

    O que pode significar que não haja oportunidades interessantes no momento, ou que a empresa não está investindo, ou que a empresa não tem mais espaço para crescer.

    Dessa maneira, a aquisição de suas ações podem indicar má gestão ou estagnação da empresa.

    Por fim, a recompra de ações é um instrumento interessante a ser usado pela empresa e pode dar vantagem aos seus acionistas.

    Recompra de ações nos EUA

    No cenário global, os Estados Unidos se destacam cada vez mais como o país em que a recompra de ações é mais volumosa. Só no ano de 2021, cerca de 850 bilhões de dólares foram usados para recomprar ações.

    O buyback nos EUA se deve ao elevado imposto sobre dividendos no país. Muitas empresas optam por simplesmente não distribuí-los e preferem recomprar ações.

    Vale notar, no entanto, que nem sempre a recompra é positiva: algumas empresas realizam esse procedimento, mas oferecem opções de compra de ações a seus funcionários, o que acaba equilibrando o valor de ações disponíveis no mercado.

    No entanto, algumas empresas realmente diminuíram consideravelmente o número de ações em circulação. Empresas recompram ações de forma frequente no país, especialmente as big techs.

    Por exemplo, muitas das FAANG possuem um programa relevante de recompras: Apple (19%), Microsoft (3%), Facebook (1%), Alphabet (9%) e Oracle (35%) reduziram consideravelmente suas ações em circulação.

    As empresas de tecnologia lideram a lista de recompras justamente por possuírem um fluxo de caixa maior. Mesmo depois de reinvestimentos, ainda há dinheiro em caixa. Por isso, elas optam por realizar recompras periódicas.

    Já há discussões a respeito de uma possível taxação de recompras nos EUA, mas, por enquanto, nada foi determinado. Enquanto isso, as empresas continuam diminuindo o número de ações em circulação.

    Você ainda tem algúma dúvida sobre como funciona a recompra de ações? Comente abaixo para que possamos te ajudar.

    Perguntas frequentes sobre recompra de ações
    O que é uma recompra de ações?

    É um procedimento onde uma companhia compra suas ações diretamente no mercado para cancelá-las ou custodiá-las em sua tesouraria. Costuma ser feita quando o preço das ações está descontado.

    Como funciona programa de recompra de ações?

    As ações são recompradas para serem canceladas em tesouraria, para serem vendidas em momentos de alta ou para servirem de remuneração aos gestores da companhia.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    14 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • José Carlos 3 de setembro de 2019

      A teoria clássica diz que as recompras, como os dividendos, só devem acontecer se a empresa não tiver novos projetos de investimentos (qq livro ou aula Damodaran e Brealey & Myers) ou algum projeto que não supere seu custo de capital.

      As recompras de ações pq “acham” que estão baratas tem haver com efeitos comportamentais…se fosse assim, toda empresa teria o incentivo total de estar recomprando sempre, esquecendo até dos dividendos, pois 99% dos executivos acham que suas ações estão baratas.

      Responder
    • Márcio Pires 21 de janeiro de 2020

      No caso da M Dias…. está fazendo um Turnaround e novas aquisições…essa recompra seria para segurar o preço de suas ações ? Obrigado.

      Responder
      • Suno Research 21 de janeiro de 2020

        Essa recompra tem como objetivo aumentar a “parcela do bolo” que vai ficar com quem manteve a ação quando os resultados normalizarem.

        Responder
    • Andre 17 de agosto de 2020

      Quando teremos um app da Suno?

      Responder
    • Rubens Pacheco 26 de agosto de 2020

      MGLU3 anunciou hoje recompra de 10 milhoes de acoes, equivalente a 1,49% do total, com prazo de 18 meses para essa operação… O que isso pode inpactar os preços? sendo que adquiriu varias empresas de tecnologia e gestão recentemente também… Preço alvo indicado para dezembro é de 78,00 … ontem fechou em 88,00 e hoje, um dia após o anúncio atingiu 91,50…

      Responder
      • Suno Research 27 de agosto de 2020

        Olá, Rubens! Tudo certo?
        A recompra de ações é um método em que a empresa compra ações no mercado para custodiá-las em sua tesouraria ou cancelá-las. Ou seja, comprar mais ações significa tirá-las de circulação, reduzindo a oferta. Reduzir a oferta, na maioria dos casos, pode levar a um leve aumento em sua cotação.
        Já sobre a Magazine Luiza, temos relatórios em nossa área de assinantes. Segue o link:
        https://www.suno.com.br/nossas-assinaturas/
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Romildo 13 de novembro de 2020

      Um texto extremamente didático. Muito exclarecedor para um neófito no mercado de ações como eu.

      Parabéns.

      Responder
      • Suno Research 16 de novembro de 2020

        Olá, Romildo! Tudo certo?
        Muito obrigado! Ficamos felizes em ajudar. Pode contar com a gente em sua jornada como investidor!
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Fábio Luzio Marques Araujo 30 de julho de 2021

      E quando uma empresa estrangeira compra uma nacional? Por exemplo: uma pessoa tinha 10.000 ações a R$ 50,00 cada ação. Em 2008 uma empresa estrangeira comprou a empresa nacional. Quando a pessoa perde o direito de resgatar as ações?

      Responder
    • Airton 27 de setembro de 2021

      Bem elucidativo.

      Responder
    • Rui 6 de outubro de 2021

      Excelente esclarecimento.
      Então e quando uma empresa vende em vez de comprar como é o caso da Pharol (antiga PT)?

      Responder
    • Talles Queiroz 7 de janeiro de 2022

      Ontem 06/01/2022, a Raizen anunciou recompra de ações. Sabem qual impacto pode ter nesse caso, uma vez que suas ações estão a 5,56??

      Responder
    • Daniel Silva 25 de abril de 2022

      Parabéns pelo ótimo conteúdo, muito elucidativo! Mas esse trecho me deixou um pouco intrigado:

      “De fato, para o acionista, isso também é vantajoso. Isso porque mesmo o acionista minoritário passa a ser dono de uma porcentagem maior da empresa, aumentando assim seu patrimônio.”

      Como o “patrimônio” do acionista aumenta ao ocorrer o cancelamento, se o dinheiro da compra de tais ações sai do caixa da empresa?! Não seria menos ações para um patrimônio menor? Já que será deduzido do patrimônio o dinheiro usado pela empresa para a compra. Ao meu ver não altera o patrimônio, simplesmente diminui o número de acionistas. Aumenta a participação dos acionistas remanescentes, mas será vantajoso apenas se a empresa mantiver seus resultados ou melhorá-los!

      Não sei se deu pra entender minha linha de raciocínio, espero que sim! 🙂

      Responder
    • Gerado 6 de maio de 2022

      Quando uma empresa anuncia recompra de ações, é uma oportunidade para o investidor comprar mais ações?

      Responder