Acesso Rápido

    PGBL: o que é? Como funciona o Plano Gerador de Benefício Livre?

    PGBL: o que é? Como funciona o Plano Gerador de Benefício Livre?

    PGBL é o nome dado a um tipo de previdência privada, ideal para aqueles que querem aumentar sua rentabilidade no momento da aposentadoria.

    Além disso, dentre os planos disponíveis no mercado, o PGBL é certamente a alternativa de previdência privada mais conhecida pelo público.

    De fato: cada vez mais, as pessoas têm buscado soluções que visem complementar a aposentadoria

    O que é PGBL?

    O PGBL (Plano Garantidor de Benefício Livre) é um plano de previdência privada em que os pagamentos mensais podem ser descontados do Imposto de Renda, diferentemente do que ocorre no caso do VGBL.

    Portanto, o principal objetivo do PGBL é preservar e investir o dinheiro aplicado pelos poupadores, de forma que o valor total acumulado até o final do plano seja o maior possível.

    No entanto, é preciso entender também em quais casos a previdência privada é ou não viável para cada um, pois muitas particularidades podem tornar essa modalidade mais ou menos atraente.

    Quais são as principais características gerais do PGBL?

    Para quem deseja investir em um plano de previdência privada, em destaque, o PGBL, é fundamental conhecer as características do produto.

    Logo, as principais características do PGBL, entre elas:

    • Taxas e custos;
    • Tributação;
    • Resgate;
    • Portabilidade de planos de previdência;

    Taxas e custos

    Os planos PGBL cobram duas taxas: a taxa de administração e a taxa de carregamento. A primeira, como o próprio nome sugere, é a cobrada para remunerar os custos da instituição que administra o plano.

    Já a taxa de carregamento serve para remunerar o distribuidor ou corretor que vendeu o plano. Porém nem sempre essa taxa é cobrada – sendo isenta em diversos planos.

    Tributação

    No PGBL os resgates podem ser tributados pela tabela regressiva quanto pela tabela progressiva. Fica a cargo do investidor escolher a melhor forma.

    Portanto, a tributação do PGBL pode ser divida em:

    Assim, o pagamento de Imposto de Renda ocorre sobre todo o valor que for resgatado, quando o plano passar a remunerar o investidor, e não apenas sobre os rendimentos.

    Na prática a tabela regressiva funciona assim: quanto maior for o tempo de resgate do plano de previdência menor será o valor da alíquota do imposto sobre o montante resgatado.

    Por fim, os aportes anuais realizados ao plano possam ser deduzidos do Imposto de Renda, com um limite de até 12% da renda bruta do investidor.

    Resgate

    resgate do PGBL pode ser vitalício (pagos periodicamente sob a forma de aposentadoria), por um período determinado ou realizados todos de uma vez, em um pagamento único.

    Portabilidade de planos|

    O titular pode mudar seu plano de uma instituição para outra, mas desde que eles sejam da mesma categoria. Ou seja, quem tem um PGBL só pode migrar apenas para outro Plano Garantidor de Benefício Livre.

    Em linhas gerais, portabilidade da previdência privada é a migração do plano da previdência. Dessa forma, quem estiver insatisfeito com o atual plano de previdência privada pode migrar para outro plano através da portabilidade de previdência.

    Qual a diferença entre PGBL e VGBL?

    O PGBL e VGBL são as duas principais maneiras de investimento em aposentadoria privada existente no Brasil.

    Para decidir por qual dessas aplicações optar é fundamental levar em consideração a maneira como a pessoa declara o Imposto de Renda.

    Embora tenham nomes parecidos, existe uma grandes diferenças entre os dois. A principal delas estão na forma como o Imposto de Renda incide sobre cada plano.

    No VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre), o imposto incide apenas sobre os rendimentos. Por outro lado, no PGBL, a tributação é feita sobre o valor total de resgate, o que pode representar em ganhos maiores no final do período investido.

    Logo, essa questão acaba dando finalidades para ambos os planos. O PGBL vai funcionar melhor como uma previdência complementar, enquanto o VGBL se aproximar mais seguro de vida.

    Sendo assim, é fundamental entender que existem casos onde cada um será melhor para uma função. Ou seja, escolher entre PGBL ou VGBL é uma questão que não depende apenas da rentabilidade, mas sim do objetivo final.

    Vale a pena investir no PGBL?

    A grande vantagem do PGBL é o benefício fiscal. Por permitir a dedução dos aportes e tributar apenas no resgate, o investidor consegue incrementar suas aplicações, obtendo maior rentabilidade.

    Mas para aproveitar esses benefícios é recomendado apenas para quem declara seu Imposto de Renda no modelo completo. Além disso, o investidor precisa ficar atento para que os seus aportes não o limite de 12% da sua renda bruta.

    Por outro lado, no momento de utilizar as reservas do PGBL, a tributação incidirá sobre todo o valor que for resgatado – e não só sobre os rendimentos, como acontece no VGBL.

    Sendo assim, é preciso saber para qual objetivo será o plano de previdência, sem desconsiderar outras possibilidades de aposentadoria, como a seleção de ativos para montar uma carteira previdenciária, por exemplo.

    Dessa forma, é possível não depender exclusivamente da aposentadoria via INSS através da escolha desse tipo de plano de previdência privada.

    Dessa forma, o PGBL é uma forma de garantir uma renda mais alta para si mesmo quando decidir se aposentar.

    Ainda possui dúvidas sobre as características do PGBL? Comente abaixo!

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    10 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Ivani 28 de novembro de 2019

      Posso resgatar esse valor

      Responder
    • Clovis 29 de novembro de 2019

      A Caixa está me cobrando taxa de carregamento, porém fiz pesquisa e a Caixa deixou de cobrar esta taxa é verdadeiro ?
      Quero fazer portabilidade tenho que pagar esta taxa, por favor me oriente pois é o único valor que temos.

      Responder
      • Suno Research 4 de dezembro de 2019

        É melhor entrar em contato com a instituição e tentar entender a cobrança.

        Responder
    • Maria 16 de fevereiro de 2020

      Tenho esse plano pgbl procurando entender melhor como funciona

      Responder
    • Ednaldo Rocha 11 de setembro de 2020

      Em caso de resgate antes do término do plano, existe algum valor mínimo q possa ser resgatado sem incidir tributação? Existe uma tabela de % de tributação de acordo com valor resgatado? Isso caso eu queira retirar mensalmente um valor para fazer aportes em renda variável, por exemplo.

      Responder
      • Suno Research 14 de setembro de 2020

        Olá, Ednaldo! Tudo certo?
        Não existe esse valor mínimo que possa ser resgatado sem incidir tributação.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Ismael 12 de setembro de 2020

      Sou aposentado tem 57 anos e tenho alguns investimentos. Hoje meu salário de aposentaria e de 2.000,00 vale apenas investir em Pglb?

      Responder
      • Suno Research 14 de setembro de 2020

        Olá, Ismael! Tudo bem?
        Não podemos dar esse tipo de recomendação sem conhecer o seu perfil e objetivos. Cada caso é um caso.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Luis Gustavo 12 de setembro de 2020

      Mais um texto q no fim nao diz nada, nem exemplo tem. Cansei de perder tempo com cara falando de financas na internet

      Responder
    • Natalia 30 de setembro de 2020

      Tbm achei um pouco fraco o texto, afinal assunto PGBL e bem mais complexo que isso, discordo que é um investimento e concordo que é pra abatimento de ir, e discordo que vgbl e ideia de seguro de vida, afinal tem vários planos que te possibilitam excluir o pecúlio ou nem contratar. Gostaria de entender melhor a questao de abatimento do pgbl (quanto devo aportar, quanto terei de abatimento , se ja estou com o máximo de dedução ele não ajudaria mais?, qual alíquota de ir escolher ja que umas descontam so no resgate e não no ajuste , e se optar pela regressiva e após 10 anos posso fazer resgates parciais para enquadrar nos 10% devido a minha permanência no plano )etc

      Responder