acesso rápido

    Perfil do Investidor: descubra o seu e como investir de acordo com ele

    headerSP__illustration

    Para quem pretende começar os investimentos no mercado financeiro, é essencial saber qual o seu perfil de investidor. Conhecer o seu vai te permitir investir com mais segurança, mais assertividade e mais resultados.

    Acompanhe nosso guia definitivo do perfil de investidor e entenda o que o seu apetite para risco diz sobre você.

    O que é o perfil de investidor?

    O que é o perfil de investidor?

    O perfil do investidor é uma forma de classificar o apetite a risco de cada um. É o que evita que você faça operações e se arrependa delas depois, perdendo dinheiro. Um mecanismo importante de compliance dos bancos, o perfil de investidor precisa ser respeitado. Pelo menos, se você quiser bons resultados na bolsa.

    perfil do investidor moderado, conservador e arrojado

      Como começou essa classificação?

      Esse perfil surgiu como uma exigência de compliance da CVM para Instituições do Mercado Financeiro (IF’s). De acordo com a autarquia, um banco ou corretora não poderia fazer publicidade agressiva de produtos que vão contra o perfil do investidor.

      Imagine que você não suporta ver seus ativos desvalorizando 50% – risco comum no mercado de ações. Ao mesmo tempo, você recebe publicidade de um IPO toda vez que abre seu app do banco. Confiante, você investe sem fazer o valuation.

      No dia seguinte, as ações caem 50%. No outro, mais 10%. Você se desespera e vende tudo, para um mês depois ver as mesmas ações dispararem 120%. Revoltante, não? É a partir disso que a regulação surgiu: a necessidade de direcionar a publicidade certa para a pessoa certa.

      Qual a necessidade para você saber o seu perfil de investidor?

      Embora essa regulação tenha partido da CVM para as Instituições Financeiras (IF’s), existe uma grande importância em você saber o seu perfil. E esta é justamente a que obedece as duas leis do Warren Buffett:

      1. Não perca dinheiro
        Não esqueça a primeira lei

      A ideia de ter consciência do seu perfil de investidor está em evitar que você entre em negócios os quais não sabe navegar. Assim você se resguarda e não fere os próprios investimentos seguindo qualquer tendência. Investir de acordo com o seu perfil te dá um novo benefício: dormir com a cabeça tranquila, ciente do risco que está correndo.

      ANIVERSARIO SUNO 7 ANOS

      Tipos de perfil de investidor

      Tipos de perfil de investidor

      O seu perfil do investidor pode ser classificado dentro de três macro categorias, dependendo do seu apetite para risco. São elas:

      • Conservador;
      • Moderador;
      • Arrojado

      Cada um desses perfis deve ser tratado, segundo a legislação, de maneira diferente pelas IF’s. E, como especialistas em finanças, podemos destacar que cada grupo deve manter uma carteira bem distinta. Respeitar o seu perfil é uma salvaguarda: conhecê-lo, uma necessidade.

      cada um dos perfis do investidor representado em imagens

        Perfil do investidor conservador

        O perfil do investidor conservador é aquele que opta pela segurança do seu capital acima das possibilidades de ganho. Apesar de não ser o perfil mais lucrativo, é aquele que dá mais certeza. Consequentemente, é o perfil mais adotado no começo da jornada do investidor.

        Enquanto os investimentos estão rendendo dentro das expectativas, o investidor conservador tem uma noite de sono tranquila. Portanto, é natural que sua carteira contenha mais ativos de renda fixa. Ele compensa o retorno menor com um risco proporcional.

        O fator disponibilidade também está presente. Investidores considerados conservadores, dão prioridade a investimento com liquidez diária ou com prazos de vencimento mais curtos.

        Sob essas perspectivas, fica ainda mais complexo investir em produtos de renda variável, ou mesmo de renda fixa, mas com liquidez restrita ao vencimento.

        Um vício comum do perfil conservador é investir na poupança. Apesar de ser um investimento seguro, a sua segurança deriva do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), ele é pouquíssimo rentável. Há, por outro lado, investimentos com a mesma segurança – a garantia do FGC – e rentabilidade consideravelmente maior, como os CDBs, Títulos do tesouro, Fundos DI e outras aplicações de renda fixa.

        Perfil do investidor moderado

        O perfil do investidor moderador é o meio termo entre o conservador e o arrojado. Ele não abre mão da segurança, porém se arrisca em empreitadas mais lucrativas.

        Logo, enquanto parte de sua carteira é mais “defensiva” – com títulos atrelados a IPCA+ ou correções monetárias – ela não se furta a ter os atacantes em campo. Essas podem ser ações, fundos imobiliários e fundos multimercado, por exemplo.

        A diversificação do perfil moderado, mais abrangente que a do conservador quando pensamos nas classes de ativos, também diversifica prazos. Enquanto seus CDB’s podem ter prazo de 2 a 4 anos, uma debênture pode ter um prazo maior, e uma ação, ser calculada para ser vendida em uma semana.

        Perfil do investidor arrojado

        O investidor de perfil arrojado, por outro lado, direciona todos os seus esforços para fazer a maior quantidade de dinheiro. Tem baixa aversão ao risco, o que se traduz em empreendimentos mais audazes. Ao mesmo tempo que um conservador vai procurar se defender da inflação, o arrojado pode estar apostando na sua alta.

        Seus empreendimentos envolvem operações com derivativos e alavancagem. Eventualmente pode ter uma grande concentração da carteira, de modo a maximizar os lucros esperados. É um perfil que alinha muito capital e conhecimento, no melhor dos casos, e muita insensatez, se não tiver as duas coisas.

        Com apetite maior aos riscos, o investidor arrojado também não se preocupa muito com a liquidez dos investimentos, tendo uma visão de longo prazo para sua carteira.

        MINICURSO DIVIDENDOS

        Como montar uma carteira de investimento para o seu perfil de investidor?

        Como montar uma carteira de investimento para o seu perfil de investidor?

        Você já reparou que cada perfil de investidor tem uma tendência a alguns ativos. É da natureza do investidor, assim como é da natureza do ativo, fornecer mais ou menos segurança, e mais ou menos rentabilidade. Por isso, separamos algumas das principais características – ou como se pareceriam as carteiras de pessoas que seguissem a risca seus perfis de investidores.

        Carteira de investimento conservadora

        A carteira de investimento do perfil de investidor conservador é composta quase que exclusivamente de ativos de renda fixa. Lembre-se: o objetivo do conservador é segurança. E nada mais seguro do que ter um FGC afirmando: vou pagar as contas se algo der errado.

        Entre os principais ativos que podem compor a carteira de investimento conservadora, estão:

        • Títulos do tesouro;
        • CDBs;
        • Debêntures;
        • Fundos de renda fixa e fundos DI;
        • Entre outros ativos de renda fixa que apresentem ganhos acima da inflação.

        Se, contudo, o investidor quiser começar a se expor à renda variável, há jeitos. Mesmo entre conservadores. É o caso de ativos como os FIIs e ações Blue Chips. No caso desses ativos, apesar de se enquadrarem na renda variável, a segurança e estabilidade são mais inerentes. Um volume como 5% da carteira de um investidor conservador poderia receber esses ativos.

        Outro dado importante sobre o investidor conservador envolve o prazo dos investimentos e da carteira em si.

        Um investidor conservador costuma dar mais prioridade a ativos de alta liquidez, ou seja, CDBs, letras do Tesouro e demais ativos, com vencimento curto, ou liquidez diária.

        Investimentos de prazo mais longo, dificilmente fazem parte da carteira do investidor conservador, ou pelo menos, possuem espaço mais limitado dentro do portfólio.

        Desse modo, até o investimento em produtos de renda variável é impactado, uma vez que é prudente adotar uma visão de longo prazo para investir em ativos como ações, fundos imobiliários e derivados.

        Nome do AtivoPorcentagem da Carteira
        CDB40%
        Tesouro Direto40%
        Fundos DI18%
        ETFs2%
        Carteira conservadora

        Explicação:

        • CDB (40%): Certificados de Depósito Bancário são investimentos seguros e oferecem rendimentos acima da poupança. São ideais para investidores conservadores que buscam baixo risco e liquidez.
        • Tesouro Direto (40%): Títulos públicos são considerados os investimentos mais seguros do mercado. O Tesouro Direto oferece diferentes tipos de títulos que podem ser adequados para diferentes objetivos, prazos e tolerâncias ao risco.
        • Fundos DI (18%): Estes fundos investem em ativos atrelados ao CDI e são conhecidos por sua liquidez e segurança. São uma boa opção para diversificar a carteira sem assumir riscos significativos.
        • ETFs (2%): Embora os ETFs possam ser mais voláteis, uma pequena alocação em uma carteira conservadora pode oferecer um potencial de crescimento sem expor o investidor a riscos excessivos.

        Carteira de investimento moderada

        A carteira de investimento do investidor moderado reflete o equilíbrio entre os ativos. Essa carteira pode ser composta com uma porcentagem na renda fixa e outra na renda variável, por exemplo. O importante é que não hajam extremismos para um dos lados.

        Dentro da renda variável, o investidor moderado começa a expandir seus horizontes. Além dos já comentados FIIs e Blue Chips, ele também pode mirar as Small Caps. Ações de empresas menores e com potencial de valorização, são, ao mesmo tempo, mais arriscadas.

        Além disso, o investidor arrojado terá uma tolerância maior com investimentos com vencimentos mais longos.

        Assim, o leque de alternativas na renda fixa e variável aumenta. Inclusive, as ações de Small Caps se beneficiam dessa tolerância maior, já que o investidor terá uma estratégia de longo prazo para elas, absorvendo a volatilidade do mercado e compreendendo a flutuação dos preços.

        Obviamente, por não ter um perfil arrojado, essas ações representam uma parcela menor do grupo de ativos de renda variável. Nada disso impede a renda fixa. Enquanto a carteira pode ter um meio de campo e ataque mais agressivo do que a conservadora, ainda estamos falando de alguém moderado.

        Nome do AtivoPorcentagem da Carteira
        Tesouro IPCA+25%
        CDB20%
        Fundos Multimercado20%
        Ações15%
        Fundos Imobiliários10%
        ETFs5%
        Fundos DI5%
        Carteira moderada

        Explicação:

        • Tesouro IPCA+ (25%): Este título público oferece uma rentabilidade atrelada à inflação, mais uma taxa fixa. É uma boa opção para proteger o poder de compra do investidor a longo prazo.
        • CDB (20%): Ainda uma opção segura, mas com uma alocação menor em comparação com a carteira conservadora. Permite diversificar as fontes de renda fixa.
        • Fundos Multimercado (20%): Estes fundos investem em diversos tipos de ativos e estratégias, oferecendo um equilíbrio entre risco e retorno. São uma boa opção para diversificar a carteira.
        • Ações (15%): Investir uma parte da carteira em ações pode oferecer um bom potencial de valorização. No entanto, é importante diversificar e talvez optar por ações de empresas mais estáveis.
        • Fundos Imobiliários (10%): Estes fundos investem em imóveis ou títulos imobiliários e podem oferecer uma renda passiva através de dividendos.
        • ETFs (5%): Um pequeno percentual em ETFs pode oferecer diversificação e a possibilidade de ganhos atrelados a diferentes índices ou setores.
        • Fundos DI (5%): Mantendo uma pequena parcela em Fundos DI, o investidor ainda conta com a segurança e liquidez desses fundos, mas em menor proporção em relação a uma carteira conservadora.

        Carteira de investimento arrojada

        Aqui a carteira pode seguir um modelo agressivo de investimentos. O investidor arrojado pode escolher tanto uma concentração agressiva quanto ativos de alto risco. É uma carteira com um beta – índice de variação – altíssimo, na maior parte dos casos.

        Nesse sentido, o investidor terá um apetite muito maior por ativos com vencimento mais longo e prazos maiores.

        Querendo ou não, quanto mais longo for o prazo de vencimento de um título de renda fixa, mais arriscado ele se torna ao investidor. Já na renda variável, é fundamental ter uma estratégia de longo prazo, a fim de se beneficiar da evolução do ativo, ao longo dos anos.

        Assim, com uma tolerância superior aos investidores de perfil conservador e moderado, o investidor arrojado poderá aportar uma parcela maior de sua carteira em ativos de alto risco.

        Ações são o padrão de um investidor arrojado. Fundos inovadores, como fundos temáticos, multimercado e operações com opções e derivativos também constam no “kit”. Porém, é importante destacar que essa carteira também terá uma parte dos investimentos em ativos de liquidez.

        É a famosa reserva de oportunidade, natural para quem opta por trades ocasionais.

        Nome do AtivoPorcentagem da Carteira
        Ações40%
        Fundos Multimercado20%
        Fundos Temáticos15%
        Operações com Derivativos10%
        Criptomoedas5%
        Reserva de Liquidez (CDB)5%
        ETFs5%
        Carteira arrojada

        Explicação:

        • Ações (40%): O principal componente da carteira, focando em empresas com alto potencial de crescimento ou setores específicos que o investidor acredita ter grande potencial.
        • Fundos Multimercado (20%): Estes fundos oferecem uma diversificação em diferentes tipos de ativos e estratégias, permitindo ao investidor arrojado explorar oportunidades em várias frentes.
        • Fundos Temáticos (15%): Estes são fundos que investem em setores ou temas específicos, como tecnologia ou energia renovável, e podem oferecer retornos significativos.
        • Operações com Derivativos (10%): Inclui opções, futuros e outros instrumentos financeiros que podem amplificar os ganhos, mas também os riscos.
        • Criptomoedas (5%): Embora arriscadas, as criptomoedas podem oferecer retornos significativos e são cada vez mais aceitas como uma classe de ativo legítima.
        • Reserva de Liquidez (CDB) (5%): Mesmo uma carteira arrojada deve ter uma pequena parcela dedicada à liquidez para aproveitar oportunidades de mercado.
        • ETFs (5%): Um pequeno percentual em ETFs pode oferecer diversificação e a possibilidade de ganhos atrelados a diferentes índices ou setores.

        Qual a importância de saber seu perfil do investidor?

        Qual a importância de saber seu perfil do investidor?

        Conhecer o seu perfil de investidor é fundamental para que você possa escolher os investimentos mais adequados ao seu perfil, e assim obter o melhor resultado. Isso porque cada investimento tem características específicas, como nível de risco, prazo de investimento e rentabilidade esperada, e é importante escolher aqueles que concordem com o seu perfil.

        Vamos imaginar que você é um investidor conservador. Não gosta de ver desvalorizações no seu patrimônio. Caso você invista em ações, que tem alta volatilidade, você poderia ficar nervoso ao ver uma queda e vender suas ações – só para vê-las valorizarem 3 vezes o que caíram no dia seguinte.

        O perfil também pode lhe ajudar a definir uma estratégia com relação aos prazos dos investimentos. Muitas vezes, ao procurar por opções de produtos de renda fixa ficamos “deslumbrados” com algumas rentabilidades que são oferecidas.

        Porém, às vezes, tais rendimentos estão atrelados a títulos de longo prazo, com vencimentos para mais de 2, 3, ou até 10 anos.

        Desse modo, mesmo que seja um ativo de renda fixa, o investidor precisa ter ciência que o ativo só se tornará líquido, ou seja, disponível, quando o vencimento chegar.

        Contudo, ao traçar o perfil do investidor, ficará mais fácil identificar os ativos e os prazos mais apropriados para a sua carteira.

        Outra vantagem de conhecer seu perfil de investidor é que você poderá traçar um plano de investimentos personalizado, que concorde com as suas necessidades e expectativas. Isso significa que você terá mais controle sobre o seu dinheiro e poderá alcançar seus objetivos financeiros com mais facilidade.

        Como descobrir o perfil do investidor?

        Como descobrir o perfil do investidor?

        Através de um simples diálogo com um investidor é possível detectar em quais dos perfis enquadrar o mesmo.

        Isto porque, normalmente, por meio de algumas respostas de perguntas básicas, é possível entender suas preferências, objetivos e o nível de aversão ao risco

        Por exemplo, hoje em dia, existem diversos questionários que visam descobrir o perfil do investidor.

        As perguntas até podem mudar entre os questionários, mas o intuito deles costuma ser igual. Com as respostas em “mãos” é possível identificar o perfil do investidor.

        Então, para saber qual é o seu perfil de investidor você pode seguir esse passo a passo:

        1. 1.

          Identifique sua tolerância a risco

          Saiba o que você faria se o valor caísse
        2. 2.

          Entenda para que você quer investir

          Renda passiva, aposentadoria, patrimônio, ou objetivos específicos
        3. 3.

          Meça o seu patrimônio

          Acima de R$ 1 milhão você é considerado investidor qualificado
        4. 4.

          Avalie quanto sabe sobre investimentos

          Nunca invista em algo que você não conhece
        5. 5.

          Você possui um prazo para os seus investimentos

          Fique atento aos prazos dos investimentos e se há restrições com relação à liquidez.

        Conhecer o seu perfil de investidor é fundamental para começar a investir bem. Quer começar nos investimentos com o pé direito? Então baixe o Ebook Comece a Investir na Bolsa da Suno Research.

        O perfil de investidor muda ao longo do tempo?

        Muitas pessoas têm dúvidas se o seu perfil de investidor pode mudar ao longo do tempo.

        Portanto, verdade é que o investidor pode sim alterar o seu perfil, já que seus objetivos podem estar sujeitos a mudanças, assim como a sua forma de encarar os riscos associados aos investimentos.

        De conservador a moderado De conservador a moderado

        É comum que, quanto mais tempo e experiência no mercado financeiro o investidor tem, mais compreensível e resistente à volatilidade o indivíduo fique. Por isso migrar para ativos como fundos multimercado ou começar a investir em FIIs pode ser o primeiro passo para ir de conservador a moderado.

        De moderado a arrojado De moderado a arrojado

        Com o tempo, é comum que investidores de perfil conservador se tornem moderados ou arrojados, à medida que aprendem mais sobre o mercado de capitais. Entendendo, por exemplo, o que são opções e como elas podem te proteger, alguns investidores tendem a esse caminho.

        De arrojado para conservador De arrojado para conservador

        Assim como, também é possível que investidores arrojados, após já terem construído um patrimônio suficientemente grande, queiram tornar suas aplicações mais estáveis e seguras, tornando-se mais moderados ou conservadores. É o caso de aposentados ou idosos, que não querem a perspectiva de mais vinte anos esperando o investimento deslanchar para colher os frutos.

        Esse artigo te ajudou a entender melhor o que é perfil de investidor? Deixe comentários e dúvidas no espaço abaixo.

        PLANILHA DA VIDA FINANCEIRA

        Perguntas frequentes sobre perfil do investidor
        O que é perfil do investidor?

        Perfil do investidor é um conjunto de características que definem a tolerância ao risco, objetivos e expectativas de um investidor em relação aos seus investimentos.

        Quais os tipos de perfil do investidor?

        Existem basicamente três tipos de perfil de investidor: conservador, moderado e arrojado (ou agressivo).

        Como saber meu perfil de investidor?

        Você pode preencher testes em sites de bancos ou finanças, assim como ler este texto e se identificar com as características de um perfil.

        Porque meu teste de perfil de investidor deu “conservador”

        Esse resultado ocorreu porque você demonstrou alta aversão a risco: o melhor é optar por investimentos com Fundo Garantidor de Crédito.

        Porque meu teste de perfil de investidor deu “moderado”

        Esse resultado ocorreu porque você demonstrou uma aversão a risco média: você pode estudar mais para se qualificar como arrojado ou optar por fundos multimercado ou FIIs.

        Porque meu teste de perfil de investidor deu “arrojado” ou “agressivo”

        Isso significa que você tem alta tolerância a risco, mas cuidado para saber qual o investimento que você está entrando.

        Porque os bancos tem um teste de perfil de investidor?

        A CVM obriga as instituições financeiras a manter um registro do seu perfil de investidor para recomendações direcionadas e educação financeira.

        Tiago Reis
        Henrique Imperial
        Compartilhe sua opinião
        Nenhum comentário

        O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *