Acesso Rápido

    Keynesianismo: o que diz essa teoria econômica defendida por Keynes?

    Keynesianismo: o que diz essa teoria econômica defendida por Keynes?

    O Keynesianismo foi uma escola econômica muito famosa no início do século XX, principalmente da época da crise de 29.

    O estudo do keynesianismo foi extremamente relevante para a teoria da macroeconomia e sua obra é até hoje muito estudada por diversos economistas.

    O que é Keynesianismo?

    O keynesianismo é uma corrente econômica que tem como principal expoente o economista britânico John Keynes. Esta corrente se estabeleceu com o lançamento do livro “A teoria geral do emprego, dos juros e da moeda” por Keynes.

    Entre seus principais conceitos, estão a intervenção do Estado na economia de um país através de benefícios sociais e políticas fiscais.

    Guia de Economia para Investidores

    Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    O que Keynes defendia ?

    Como a obra de Keynes foi muito revisitada, muitas vezes são atribuídas à teoria keynesiana ideias que não são originalmente de Keynes.

    Entre elas a de que o economista britânico seria um defensor de um estado absoluto e altamente atuante na economia.

    Entretanto, Keynes era um capitalista a favor da iniciativa privada, a sua principal divergência em relação aos economistas clássicos era em relação ao mercado de trabalho e em relação ao papel do estado para que a economia superasse recessões.

    Dessa forma, Keynes elaborou o Keynesianismo tendo como base que os empresários definiam a sua produção levando em conta a demanda efetiva.

    Quando surgiu o Keynesianismo?

    No início do século XX, o pensamento prevalente era o de que a economia seria capaz de se recuperar sozinha em períodos de crise, algo conhecido como Laissez-faire.

    Os economistas da época acreditavam que crescimento da época era totalmente sustentável. O entendimento da economia era de que “a oferta cria a sua própria demanda”. Ou seja, toda a produção da economia seria acomodada.

    Porem, com a quebra da Bolsa de Nova York no ano de 1929, o Keynesianismo se apresentou como uma teoria que entendia as limitações inerentes ao livre mercado.

    Desse modo, a base da teoria keynesiana foi desenvolvida na década de 30 quando ocorreu a maior crise financeira do mundo. Logo, Keynes observou principalmente os acontecimento relacionados à grande depressão americana de 1929.

    Ainda, de acordo com a economia clássica, para curar o desemprego bastava que os salários se reduzissem. No entanto, mesmo com a redução dos salários o desemprego seguia aumentando.

    Os especialistas apontam como principais causas da crise o superaquecimento da economia era a saturação da demanda. Uma das consequências dessa crise foi um grande aumento do índice de desemprego.

    Como a economia passava por uma recessão, com desemprego e falta de confiança, os empresários não investiam. Isto, por sua vez, gerava mais recessão e desemprego, em um ciclo vicioso.

    Quais eram as características do Keynesianismo?

    economia keynesiana passa a argumentar, então, que é necessário criar uma demanda artificial para romper ciclo vicioso que ocorreu na década de 30.

    Assim, as bases keynesianismo podem ser consideradas:

    • Maior atenção para a demanda em relação à oferta
    • Ação anticíclica do estado para vencer crises
    • Criação de mecanismo de bem estar social

    O economia John Keynes buscava entender o motivo dos trabalhadores de seu país, a Inglaterra, perderem seus empregos durante períodos de crise, ainda que topassem receber menos dinheiro para manter sua posição.

    De forma geral, os produtos e serviços diminuem seus preços durante uma crise, enquanto os salários não, o que aumenta o desemprego. Para compensar isso, Keynes defendia o papel do Estado de forma ativa para alcançar o Pleno Emprego, onde o único desemprego presente é aquele no nível de normalidade.

    Sendo assim, sua teoria foi a base para o New Deal, programa do governo dos Estados Unidos para estimular a economia após a crise de 29.

    Planilha da Vida Financeira

    Coloque suas finanças em ordem! Baixe gratuitamente nossa planilha e aprenda a planejar todas as etapas da sua vida financeira da melhor forma!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Quais são as diferenças entre Keynesianismo e Liberalismo?

    Em primeiro lugar, é preciso saber que o liberalismo defende que o estado inferfira o mínimo possível na economia, deixando o livre mercado se autorregular através da mão invisível.

    No entanto, a principal característica do Keynesianismo era a atuação do Estado na economia de forma a influenciá-la. Sendo assim, essa distinção de pensamentos causou oposição entre representantes de ambas as escolas.

    Entretanto, a ideia de Keynes pareceu vencedora, uma vez que diversos países as colocaram em prática depois dos Estados Unidos, especialmente após a Segunda Guerra Mundial.

    Ou seja, diversos países passaram a ter atuação mais forte do governo, com criação de estatais e o aumento do tamanho do funcionalismo público, buscando evitar crises econômicas através dessas medidas.

    Por fim, entre as décadas de 70 e 80, o liberalismo voltou a tomar força, pois via-se que a atuação forte do Estado gerava problemas, como gastos públicos elevados e falta de concorrência.

    Quais são as críticas à teoria do Keynesianismo?

    São diversas as críticas à literatura de economia keynesiana. Entre as principais se destaca a inviabilidade de manter esta demanda artificial por um longo período de tempo, pois isso causa déficits no orçamento do governo.

    Além disso, críticos apontam que Keynes subestimou o papel da inflação na confiança geral da economia.

    Ainda, considera-se que assim como a década de 30 legitima boa parte do keynesianismo, o momento econômico de 1970, caracterizado pelo estagflação, pode ser considerado como um contraponto factual às teoria de Keynes.

    Portanto, Keynes continua sendo um autor bastante lido e estudo por todas as pessoas que trabalham com economia, apesar de todas as críticas ao seu pensamento.

    Ainda possui dúvidas a respeito do Keynesianismo? Comente abaixo para que possamos te ajudar.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    2 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Joel F. 14 de agosto de 2019

      Essa criação de mecanismo de bem estar social, botando ou tirando de pauta, por fim musaroa algo em um cenário econômico de desemprego, ou estaria ai mais pra “abonitar” as paltas de Keyne?

      Responder
      • Suno Research 15 de agosto de 2019

        Não entendemos sua pergunta, poderia estruturar melhor?

        Responder