Acesso Rápido

    Blockchain: saiba como funciona a tecnologia das criptomoedas

    Blockchain: saiba como funciona a tecnologia das criptomoedas

    Blockchain é o nome de uma tecnologia de informação relacionada à moeda virtual bitcoin e nas negociações das criptomoedas.

    Mas, no Brasil já existem instituições financeiras que vem aderindo ao blockchain como forma para realizar transferências e operações.

    O que é blockchain?

    A blockchain, também chamado de “protocolo de confiança”, é uma tecnologia firmada a partir do conceito de descentralização como medida de segurança. Ela é tida como a principal inovação tecnológica do bitcoin, haja visto que é a evidência de todas as operações na rede.

    O significado de blockchain em português é “corrente de blocos”, por causa da junção das palavras “bloco” (block) e “corrente” (chain).

    O uso mais conhecido dessa tecnologia é na criptomoeda mais famosa do mercado, o bitcoin (BTC). Ela foi desenvolvida sobre o conceito criado por Satoshi Nakamoto. O sistema blockchain é à base da rede de compartilhamento das chamadas moedas virtuais.

    Pode-se dizer que a origem da blockchain está ligada à origem do bitcoin. O projeto contribuiu também para que surgisse um banco de dados distribuído e as ditas altcoins (moedas alternativas ao bitcoin).

    Nesse ambiente, a blockchain é utilizada para verificar as transações. Isso ocorre por meio dos chamados blocos, que são registros que armazenam detalhes e a identificação do processo de transferência das moedas digitais.

    Por fim, as aplicações do registro de transferências foram além do envio de bitcoin e ganharam outras funções. O sistema é estudado por diversas instituições financeiras. Por exemplo, a tecnologia blockchain é empregada em sistemas para registro de:

    Para que serve o blockchain?

    O uso do blockchain serve para transferir e registrar as operações de forma segura. Por exemplo, uma pessoa quer transferir alguma criptomoeda.

    Essa criptomoeda em específico trabalha com o blockchain. Para realizar tal transferência a pessoa terá que conseguir validação da rede da própria criptomoeda.

    Sendo que a validação da rede é efetuada pelos próprios usuários da criptomoeda. Então, quando feita à solicitação de transferência, aqueles que estão na rede fazem a validação e automaticamente, fazem o registro da transferência no blockchain, adicionando mais um bloco na rede.

    Essa transferência é atualizada e registrada para todos os usuários da rede. Essa validação também é autenticada por aqueles que fazem parte da rede.

    Assim, a criptomoeda, antes registrada no usuário que enviou, agora estará registrada com o usuário que a recebeu.

    Todo esse processo leva pouco tempo para ser executado (em questão de minutos).

    Como surgiu a blockchain?

    O blockchain surgiu junto ao bitcoin em 2008. Ao analisar a estrutura do bitcoin fica claro que o blockchain é uma peça fundamental para a existência da criptomoeda.

    Com a disseminação do bitcoin, o blockchain ganhou mais relevância e novas criptomoedas começaram a surgir, utilizando a mesma plataforma.

    Ao mesmo tempo em que criptomoedas começaram a surgir utilizando o blockchain, instituições e demais participantes do mercado começaram a explorar o blockchain em outras atividades.

    Por exemplo: no Brasil já existem instituições financeiras que vem aderindo ao blockchain como forma para realizar transferências e operações.

    Dentre essas instituições, o Itaú, Santander e o BNDES (Banco de desenvolvimento Nacional) já utilizam o blockchain.

    Como funciona a tecnologia blockchain?

    É através do sistema blockchain, que as transações online das criptomoedas, como envio e recebimento, acontecem. Na prática, a rede funciona como livro registro e busca a confiabilidade do sistema aos seus usuários.

    Isso porque o objetivo é fazer comprovação das transferências feitas através de uma rede. Por meio dela, é possível acessar informações como endereço e saldo do bloco. Esses dados são públicos e podem ser acessados por qualquer pessoa. O sistema está organizado em várias bibliotecas públicas, espalhadas por milhares de computadores.

    A tecnologia blockchain é complexa na sua formação, pois é feita através de uma cadeia de blocos. Dessa forma, cria-se um livro de registro que serve para demarcar o envio e recebimentos das moedas. Esse documento é compartilhado entre todos os participantes da rede, tornando uma fraude extremamente difícil de ocorrer.

    Adicionalmente, para evitar irregularidades, cada transferência feita na rede utilizando a blockchain armazenada dentro de um bloco receberá uma camada grossa de criptografia.

    Entre os dados que são inseridos no blockchain, existe a data e hora da transação ou do momento onde o “nó” foi feito.

    Como o blockchain precisa de usuários para ser desenvolvido, ao adicionar um bloco na rede, o registro considera a data e hora onde a validação foi feita.

    Esse dado temporal considera o horário referente à UTC-0 (Hora local de Londres). É claro que a inserção dessa informação na cadeia de blocos não é totalmente precisa e possui certa margem de erro. Esse erro também considera a data e hora de onde o usuário está realizando a validação do bloco.

    Querendo ou não, os usuários da rede podem estar validando blocos nas mais diferentes regiões do mundo (quando a rede de blockchain é descentralizada).

    Ainda dentro do bloco que é adicionado à rede, existem as informações de quantidade e da transação em si.

    É importante mencionar que o blockchain mantém o usuário que adicionou o bloco e as partes responsáveis pela transferência, anônimas.

    Desse modo, é bem difícil (ou impossível) identificar com exatidão quem fez a validação, recebeu ou transferiu. Por último existe o Hash. O Hash, nada mais é do que um código referente ao registro de uma transferência no blockchain.

    Portanto, se o usuário fizer uma transferência de alguma criptomoeda, por exemplo, essa operação vai gerar um Hash que posteriormente pode ser conferido junto ao blockchain a fim de assegurar que tal transferência foi devidamente realizada com sucesso.

    Como as criptomoedas funcionam na rede blockchain?

    Com o intuito de demonstrar melhor a explicação, será utilizado o bitcoin como exemplo do funcionamento do blockchain junto às criptomoedas.

    Os responsáveis por criar os blocos e validar as transações são chamados mineradores. E o sistema de bloco é unido por elos, chamados hash. Cade hash unido formara a corrente de blocos, e a união da corrente formará a rede.

    O trabalho de cada minerador consiste em calcular o hash, através de fórmulas matemáticas complexas. Quando há êxito nesse cálculo, as ligações entre blocos acontecem e o minerador é recompensado com um bitcoin. Por causa da complexidade matemática, o trabalho é desenvolvido mais rapidamente com uso computadores especializados.

    Quais são as características do blockchain?

    Uma das principais características do blockchain é a sua segurança. Da mesma forma que as transações ficam registradas no hash, aumentando a cadeia de blocos, a transação deve ser validada por todos os usuários da rede.

    Tudo isso ocorre de uma única vez ao realizar a transferência entre usuários da rede. Por isso, o blockchain tem alta relevância no contexto atual.

    Em resumo, a cadeia de blocos é formada pelo elo dos Hashes referentes às transações das criptomoedas em si.

    Dentre as características da blockchain estão:

    • Sistema de fé pública para os registros, baseado em confiança e transparência;
    • Sistema feito em código aberto, assim como bitcoin, passível de ser modificado;
    • Segurança feita em criptografia, que requer a participação de outros computadores;
    • Automatização, para que não existam erros como duplicidade ou conflitos na rede.

    Com essa importância, a definição de blockchain ainda conta com duas outras bases importantes que são fundamentais em suas características, elas são:

    Descentralização

    O blockchain não depende de uma organização ou de alguma estrutura centralizada. Como estamos lidando com uma cadeia de blocos, onde os participantes vão validar e preencher os blocos, a estrutura é totalmente descentralizada.

    Transparência

    Como o blockchain é aberto e disponível na rede, o usuário ou terceiros podem analisar e auditar os blocos para determinar se a rede está de acordo.

    Vale destacar que o usuário pode auditar por meio do próprio node (ou nó), sem custos.

    Qual é a relação entre o blockchain e o Bitcoin?

    A relação entre o blockchain e o bitcoin é tão direta, que o bitcoin não seria nada sem o blockchain.

    Para conseguir realizar a transferências da criptomoeda e conseguir dar continuidade a expansão da rede do bitcoin, blockchain é fundamental.

    É por meio do blockchain que os usuários da rede de bitcoin conseguem registrar as transferências e aumentar a quantidade de bitcoins no mercado.

    Como já mencionado, o blockchain é uma cadeia de blocos onde os usuários podem registrar as transferências e adicionar mais blocos à cadeia.

    Ao fazer essa adição e validar a transferência, o usuário que o fez, recebe um prêmio. Esse prêmio é bitcoins.

    Esse trabalho de registar as transferências na cadeia e blocos se chama de “mineração”. Por meio dela, a rede de bitcoins se sustenta e as transferências são realizadas com sucesso.

    Além disso, a rede aumenta, uma vez que aqueles que conseguem efetuar a mineração com sucesso, recebem bitcoins.

    Vale destacar que os bitcoins possuem um limite de quantidade que é de 21 milhões. Quando o bitcoin alcançar o patamar, a mineração vai premiar o usuário que fez a validação do bloco através do desconto de fração dos bitcoins que serão transferidos.

    Enquanto a quantidade de bitcoins não alcançar os 21 milhões, a mineração continuará inserindo mais bitcoins no mercado.

    Exemplo de mineração

    Como a rede de usuários de bitcoin vem crescendo, o registro e a validação das transferências vêm se tornando mais complexas e assim, a quantidade de novos bitcoins (que são criados a título de prêmio) também se torna menor.

    Ou seja, o prêmio que era pago quando um usuário fazia a mineração lá no início do bitcoin era muito maior do que o prêmio de hoje, por exemplo.

    Por outro lado, o usuário que minera ganha um bom valor pela validação, uma vez que houve uma grande valorização do bitcoin.

    Sendo assim, para minerar o bitcoin, o usuário precisa decifrar um cálculo. Esse cálculo quando resolvido vai servir para registrar e validar a transferência de bitcoins na cadeia de blocos, ou seja, no blockchain.

    Quando a rede de bitcoins era pequena e de pouca expressão, o cálculo exigia pouco processamento dos computadores, porém, agora, que a rede está grande e existem vários usuários minerando e transacionando bitcoins, o cálculo ganhou mais complexidade e isso vem exigindo grande investimento em hardware.

    Dentro do algoritmo do bitcoin, quando a rede cresce de tamanho e a mineração ganha mais adeptos, os cálculos para adicionar novos blocos ficam mais complexos. Conforme a rede cai, ou diminui, a complexidade reduz também.  

    Como usar o Blockchain?

    O blockchain pode ser utilizado de diversas formas. Até o presente momento, uma das formas mais tradicionais de conhecer o blockchain é através da criptomoeda.

    Criptomoedas como o bitcoin tem como base de funcionamento o conceito de blockchain. Mas além das criptomoedas existem várias outras formas possíveis de aplicar a cadeia de blocos.

    Dentre elas existe a possibilidade de fazer transferências de valores. Como já mencionado, bancos e outras instituições financeiras já vêm adotando o blockchain em sua estrutura para fazer transferências de valores.

    Principalmente quando tais transferências são para outros países. Assim, o envio dos recursos se dá de forma transparente e mais segura.

    O blockchain também pode ser utilizado na assinatura de contratos inteligentes. Ao invés de fazer um contrato de forma “manual” com a impressão do papel e a necessidade de assinaturas a “mão”, a pessoa pode se utilizar do blockchain para confeccionar o contrato inteligente.

    Dentro desse blockchain, o contrato inteligente pode ser configurado da forma que o usuário precisa e assim, o acordo entre as partes pode ser feito sem necessidade da presença das partes.

    Tudo isso de forma segura e transparente, dentro de uma cadeia de blocos criptografada e segura, evitando eventual desconfiança ou possibilidade de fraude.

    Na educação o blockchain também pode ser utilizado. Uma das formas de conseguir validar um currículo é por meio de certificados.

    O certificado de ensino médio completo, ensino superior, de cursos e pós-graduações também podem ser utilizados no currículo. Para dar legitimidade e segurança ao currículo, os certificados podem ser disponibilizados por meio do blockchain. 

    Assim a pessoa pode utilizar da cadeia de blocos para mostrar ao público todas as suas capacidades e suas certificações.

    Quais as vantagens e riscos do Blockchain?

    O blockchain é uma tecnologia que surgiu para dar mais segurança e transparência às transações eletrônicas.

    Junto do bitcoin, a blockchain levantou a bandeira da descentralização e segurança, junto a transparência.

    Vale destacar que o blockchain pode ser centralizado ou descentralizado, porém, é a primeira vez que existe uma tecnologia sofisticada e com um nível de segurança tão alto que não precisa de alguma instituição, ou pessoa, oferecendo garantias, ou proteção.

    Desde sua criação até os dias atuais, o bitcoin não gerou insegurança a aqueles que o possuem. Na verdade, o bitcoin desde 2008 só vem se valorizando.

    Se no início o bitcoin não tinha valor, atualmente ele vale mais de 160 mil reais. Além das vantagens já mencionadas, o blockchain ainda tem várias utilidades que vão além da criptomoeda em si.

    O blockchain pode ser utilizado para a confecção de contratos inteligentes, certificados, transações e várias outras coisas.

    Mas, como tudo no mundo não é 100% seguro, o blockchain possui seus riscos. Uma tecnologia razoavelmente nova tem suas implicações, principalmente no manuseio.

    O blockchain ainda não é amplamente conhecido e tão pouco utilizado pela população. Fato que pode gerar estranheza e até pode levar as pessoas a serem vítimas de golpes, por exemplo.

    A falta de conhecimento a respeito de uma tecnologia tão interessante precisa ser combatida com educação.

    Como o blockchain ainda vem ganhando mercado e sendo utilizado com certa moderação, a tecnologia não é algo consolidado no mercado e por isso o blockchain merece mais atenção.

    Foi possível saber mais sobre o que é blockchain com este artigo? Deixe suas dúvidas nos comentários a seguir.

    Perguntas frequentes sobre blockchain
    O que é uma cadeia de blocos?

    A cadeia de blocos, ou blockchain, é uma estrutura que pode ser descentralizada ou centralizada, onde os usuários podem adicionar blocos.
    A adição de blocos serve para efetivar transações e validar as mesmas. A cadeia de blocos pode ser comparada a um livro razão. Onde o livro razão armazena o histórico da conta.
    Quando descentralizado, todos aqueles que utilizam o blockchain terão acesso a esse livro razão e poderão adicionar mais blocos a ele.

    O que é Blockchain é para que serve?

    O blockchain, ou cadeia de blocos, é uma estrutura de blocos, onde os usuários podem adicionar mais blocos e assim validar as transações na rede.
    São várias as utilidades do blockchain, desde criptomoedas até em certificados, contratos inteligentes e transações.

    Qual o conceito de Blockchain?

    O conceito por trás do blockchain consiste em criar uma rede, onde os usuários podem adicionar blocos à cadeia e assim, validar as transações.
    No início, com o bitcoin, e blockchain era descentralizado, porém, já existem instituições e até criptomoedas que possuem o blockchain centralizado.
    Desse modo, o conceito do blockchain também está pautado na transparência e segurança.

    Quem controla o Blockchain?

    Existem instituições e pessoas que controlam o blockchain de determinadas criptomoedas ou estruturas de tecnologia.
    Por exemplo: as transferências para o exterior feitas pelo, ou através do banco Santander, já se utilizam do blockchain, mas do blockchain da própria instituição.
    Essa estrutura é centralizada no próprio banco. Já o blockchain do bitcoin é descentralizado e não possui um controle centralizado, desse modo, a rede e seus usuários são “os controladores” da criptomoeda.

    Quem controla o Bitcoin?

    O bitcoin não possui um controle centralizado. Não existe uma instituição que faça o controle ou regulamentação do bitcoin, por exemplo.
    Aqueles que controlam o bitcoin são os usuários da rede. O bitcoins é uma criptomoeda que funciona com base no blockchain, sendo que o blockchain do bitcoin é descentralizado. Assim, não há qualquer controle sobre o bitcoin.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    3 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Rodrigo 10 de setembro de 2019

      Blockchain é usado como meio de pagamento em outros lugares além das criptomoedas? Pode-se usar no mercado livre por exemplo? Compensa usar caso seja possível?

      Responder
    • Pedro Luiz 12 de setembro de 2019

      Ainda é muito pra minha cabeça…. tenho que coloca-la nas nuvens pra começar a compreensão do tema. Mas a sua explicação foi a que mais entendi até o momento

      Responder
      • Roneii Gomes da Silva 20 de maio de 2021

        Olá, esse site tem alguma coisa relacionada com a nui social?

        Responder