Small Caps: Confira as 5 que mais se valorizaram em novembro

Small Caps: Confira as 5 que mais se valorizaram em novembro
Taurus está entre Small Caps mais valorizadas

As ações de empresas chamadas de Small Caps atraem muitos investidores pela promessa de rentabilidade mais elevada, apesar da maior volatilidade dos papéis.

No mês de novembro, algumas small caps se destacaram no mercado brasileiro, com destaque para a Taurus (TASA4), que quase dobrou de preço.

Outras companhias tiveram valorização de mais de 60%, como a Azul (AZUL4) e a PetroRio (PRIO3).

Confira as cinco maiores altas entre as Small Caps brasileiras:

O SUNO Notícias conversou com especialistas para entender o que provocou movimentos tão expressivos nas empresas acima.

Vale destacar que esta não é uma recomendação de investimentos, e que investimentos em ações só devem ser feitos quando o investidor já possui uma reserva de emergência.

Confira as explicações:

Taurus é destaque entre Small Caps

Com alta de 90,31% em novembro, a Taurus foi a Small Cap com maior valorização no mês. O movimento de alta se intensificou nos primeiros dias de dezembro, levando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a pedir explicações para a companhia.

De acordo com a própria Taurus, a escalada no começo de dezembro se explica pelo anúncio de que a fábrica da empresa no Rio Grande do Sul vai receber R$ 110 milhões para ampliar sua capacidade.

Mas em relação a novembro, o que mais impulsionou a cotação da Taurus foi o resultado trimestral reportado no dia 12.

A companhia passou de um prejuízo líquido de R$ 26,4 milhões no terceiro trimestre de 2019, para um lucro de R$ 102,2 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) foi o maior já registrado na história da Taurus, atingindo R$ 152,3 com margem Ebitda de 31,6% (23,4 pontos porcentuais acima do terceiro trimestre de 2019).

“O mercado brasileiro de armamentos tem se mostrado bastante pujante, com vendas 132,7% superiores aos nove primeiros meses de 2019”, destaca o analista de Small Caps da SUNO ResearchRodrigo Wainberg.

Apesar do bom momento, a empresa traz alguns riscos. De acordo com Wainberg, é importante lembrar que a dívida líquida/EBITDA da Taurus se encontra em 3,1 vezes.

“Qualquer retração na geração de caixa pode elevar significativamente a alavancagem“, destaca.

Azul tem segunda maior alta

Outro destaque entre as Small Caps em novembro foi a Azul. Todo o setor apresentou uma forte recuperação durante o mês, beneficiado pela recuperação do tráfego aéreo e pelas perspectivas de vacinas.

Mas alguns motivos explicam a alta acentuada da Azul. O principal deles é que a Azul tem uma posição de caixa privilegiada, após a emissão de R$ 1,74 bilhão em debêntures conversíveis.

A operação livrou a Azul de precisar do apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), o que foi bem visto pelo mercado.

Além disso, a solidez financeira foi maior que a esperada. No final do terceiro trimestre de 2020, a companhia dispunha de R$ 1,43 bilhão em caixa e equivalentes, destaca o analista da Suno.

De acordo com Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, a cotação da Azul sofreu muito durante os primeiros meses de pandemia.

“A Azul era negociada como uma empresa quebrada, os investidores não sabiam se ela iria resistir”, destaca. No entanto, tanto Azul quanto Gol surpreenderam positivamente o mercado, com a retomada da demanda.

No dia 30 de novembro, o BTG Pactual elevou o rating da Azul de neutro para compra, e aumentou o preço-alvo de R$ 26 para R$ 47.

Segundo o banco, os resultados da empresa superaram as expectativas em termos operacionais. Além disso, os analistas do BTG acreditam que a empresa fez um “bom trabalho” em termos de gestão de riscos.

PetroRio subiu com aquisições

A terceira colocada entre as small caps mais valorizadas é a PetroRio. Em novembro, as ações da empresa foram impulsionadas pela compra de participação de 35,7% no Bloco BM-C-30, conhecido como Campo de Wahoo, e de 60% no Bloco BM-C-32, chamado de Campo de Itaipu.

A PetroRio passou a ser operadora dos dois campos de pré-sal.

“Com a aquisição de participação nos campos de Itaipu e Wahoo, ela ganha uma escala interessante. Wahoo, em especial, pode ser um ‘game changer'”, disse Wainberg. A expressão significa que a compra pode mudar o jogo para a PetroRio.

Segundo estimativas da companhia, o campo pode produzir mais de 140 milhões de barris, equivalente a 49,98 milhões de barris, ajustando para a participação de 35,7% da PetroRio no campo.

Na avaliação do analista da Suno, a PetroRio tem sido exitosa em revitalizar campos maduros e tem apresentado uma “fantástica capacidade” de reduzir seu custo de extração.

Ainda assim, existem riscos. Um deles é o fato de que sua avaliação (Valuation) muda amplamente conforme a variação do preço do petróleo Brent.

Além disso, falta saber qual será a produção que a PetroRio será capaz de alcançar, assim como o novo custo de extração de petróleo (lifting cost) consolidado.

IMC mostra recuperação

International Meal Company (MEAL3), ou IMC, uma das maiores companhias do setor alimentício da América Latina, animou os investidores em novembro.

Isso ocorreu porque o impacto da pandemia foi atenuado pelo desempenho do serviço de entregas (delivery) e pela desvalorização do câmbio, beneficiando as receitas oriundas dos Estados Unidos.

Além disso, a empresa anunciou um acordo que vai aumentar em um terço o número de unidades da sua rede Frango Assado no país.

Segundo comunicado de 16 de novembro, a transação anunciada com diferentes empresas de postos de combustível levará a abertura de oito restaurantes do Frango Assado e dez do Pizza Hut nesses postos.

Ao mesmo tempo, a flexibilidade do mercado de trabalho americano permitiu à companhia reduzir seu quadro de funcionários no país, o que controla as despesas com pessoal nesse momento tão delicado, de acordo com Wainberg.

No mês de novembro, 93% das lojas próprias se encontravam abertas, o que permitiu uma recuperação, ainda que tímida, no terceiro trimestre de 2020.

A receita líquida no trimestre foi 29,7% inferior ao mesmo período de 2019, queda maior que a do custo dos produtos vendidos (-24,6%), que acaba por afetar o lucro líquido.

Yduqs é 5ª small cap mais valorizada

Já no caso da Yduqs, quinta Small Cap mais valorizada do mês, a alta foi explicada pelos resultados trimestrais, que vieram acima do consenso de mercado.

Mesmo assim, as ações da empresa seguem em níveis muito mais baixos do que os registrados antes da pandemia.

“A Yduqs tem focado em ampliar suas vagas de medicina, que têm um ticket maior, somado à baixíssimas inadimplência e evasão, o ‘filé’ do setor de educação”, diz o analista da Suno.

A retenção de alunos foi de 83%, queda de 3 pontos porcentuais. frente ao terceiro trimestre de 2019, o que é positivo dado o contexto.

O ensino digital apresentou crescimento de 53,4% a/a e a base de alunos EAD deve alcançar a base presencial mais cedo do que se esperava, de acordo com o especialista em Small Caps.

Natalia Gómez

Compartilhe sua opinião