Acesso Rápido

    Tributação da poupança: como funciona e como declarar?

    Tributação da poupança: como funciona e como declarar?

    Entender a tributação da poupança é fundamental para a educação financeira dos investidores, sobretudo para aqueles que investem no ativo em questão.

    Afinal, sem entender a tributação da poupança, o investidor pode acabar se preocupando, tanto comprometendo sua rentabilidade, quanto tendo dificuldades no momento de declarar o investimento.

    Como é feita a tributação da poupança?

    A poupança é um dos ativos que fazem parte do seleto grupo de investimentos isentos do imposto de renda. Logo, pelo lado dos rendimentos, não existe nenhuma tributação da poupança.

    Ou seja, os rendimentos gerados a partir da poupança não estão sujeitos à tributação do IR.

    No entanto, é fundamental entender que ser isento ao imposto de renda não significa que a declaração não é necessária.

    Quem deve declarar a poupança no IR?

    A obrigatoriedade de declarar poupança é direcionada para alguns investidores que atendem alguns critérios relacionados à renda e ao patrimônio.

    Os principais critérios que caracterizam quem deve declarar no imposto de renda sobre a poupança, são:

    • Possui propriedades no valor acima de R$300.000,00;
    • Rendimentos tributáveis acima de R$28.559,70 no ano fiscal;
    • Recebeu rendimentos isentos de aplicações financeiras (caderneta de poupança) ou rendimentos sujeitos à tributação definitiva acima de R$40.000,00.

    É importante lembrar que, apesar de ser obrigatório declarar a poupança e seu rendimento nos casos supracitados, o IR sobre a poupança continua isento.

    Quais são as aplicações isentas de tributação?

    O fato de ser isento da tributação do IR não é exclusivo da tributação da poupança.

    Outros ativos, majoritariamente de renda fixa, também possuem essas características que podem representar umavantagem para o investidor.

    Além da poupança, as aplicações isentas do imposto de renda, são:

    Além dos ativos de renda fixa supracitados, os rendimentos de dividendos distribuídos também são isentos, assim como o ganho com a venda de ações até o valor de R$20.000,00.

    Como declarar a poupança no imposto de renda?

    O principal tópico relacionado a tributação da poupança é, talvez, como declarar o investimento no imposto de renda.

    Um ponto importante a ser entendido é que, ao declarar a poupança, os rendimentos e o valor aplicado na poupança devem ser declarados separadamente.

    Primeiramente, o investidor pode declarar o valor da sua aplicação na poupança em “Bens e Direitos”, na plataforma disponibilizada pela Receita Federal.

    Por outro lado, os rendimentos devem ser declarados entre os “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, localizado na linha 12 da mesma plataforma.

    Para declarar a poupança e seus rendimentos, será fundamental que o investidor recolha todos os seus informes de rendimento.

    Além disso, para melhor especificação na declaração, o investidor deverá informar o CNPJ da instituição financeira pagadora e os valores dos rendimentos.

    Portanto, como conclusão, é importante deixar claro que o investidor da poupança, apesar de estar isento da cobrança do IR na aplicação, deve estar atento a declaração, para não acabar caindo na “malha fina”.

    Esse artigo te ajudou a entender mais sobre tributação da poupança? Deixe dúvidas e comentários no espaço abaixo.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *