Acesso Rápido

    Resumo da Semana: Privatização dos Correios, Nubank lança cartão Ultravioleta, Vale diz que indenização é absurda e Cogna fecha parceria com a Tim

    Resumo da Semana: Privatização dos Correios, Nubank lança cartão Ultravioleta, Vale diz que indenização é absurda e Cogna fecha parceria com a Tim

    O índice Ibovespa encerrou a última semana registrando 125.427,77 pontos, o que representou, na última sexta-feira (08), uma variação negativa de -1,25%. Na semana, o principal índice de ações negociadas na bolsa de valores brasileira teve uma desvalorização de aproximadamente -1,71%. Em 2021, o índice está positivo em +5,38%até o momento.

    Já o Ifix – o índice de referência dos Fundos de Investimentos Imobiliários – encerrou a última sexta-feira (08) aos 2.762,03 pontos, o que representou uma queda de -0,012% no dia. Na mesma semana e no acumulado de 2021, o índice performou: +0,06% e -3,76%, respectivamente.

    Privatização dos Correios

    A privatização dos Correios planejada pelo governo federal dele envolver a venda de 100% da estatal, que hoje detém o monopólio do setor postal no Brasil. Para o leilão ocorrer no primeiro trimestre de 2022, como planejado, o Congresso ainda precisa aprovar o projeto de lei que permite que a iniciativa privada atua em operações hoje exclusivas dos Correios.

    • Em março, o Poder Executivo divulgou que a desestatização da empresa seria por venda total ou majoritária das ações. Após avanços nos estudos, o governo optou pela primeira opção, ao entender que não deve manter uma participação minoritária nos Correios, afirmou o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord.
    • O formato ainda precisa ser formalmente aprovado pelos ministérios e pelo programa de parcerias de investimentos (PPI) do governo.
    • O segmento postal precisa ser operado pela iniciativa privada por meio de concessão porque a Constituição estabelece que compete à União “manter o serviço postal e o correio aéreo nacional”. Ou seja, o que o projeto de lei que aguarda votação do Congresso faz é regulamentar de que forma o governo pode manter esses serviços por meio do setor privado.

    Nubank lança cartão Ultravioleta

    O Nubank lançou um novo cartão, chamado “Ultravioleta”. O cartão premium possui benefícios exclusivos, como cashback automático de 1% nas compras no crédito e rendimento sobre o dinheiro retornado a 200% do Certificado de Depósito Interbancários (CDI).

    • “O Nubank nasceu revolucionando o mundo financeiro ao oferecer produtos mais acessíveis, sem tarifas abusivas, além de um atendimento eficiente e humanizado. E agora estamos começando também uma revolução dos produtos premium”, afirma Cristina Junqueira, cofundadora da Fintech.
    • O evento também contou com a participação da cantora e empresária Anitta, mais nova membro do Conselho, em uma transmissão banhada a tecnologia. Mais de 30 mil pessoas acompanharam o evento simultaneamente.
    • O cartão possui todas as vantagens de um cartão Mastercard Black, como seguros de viagem, acesso a sala VIP em aeroportos, compra protegida e garantia estendida.

    Vale diz que indenização é absurda

    A Vale recorreu da decisão que condenou a estatal a pagar uma indenização por R$ 01 milhões por dano moral para cada trabalhador morto no rompimento da Barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), tragédia ocorrida em janeiro de 2019.

    • A mineradora alega que o valor de R$ 1 milhão estipulado seria “absurdo” e que a manutenção do “injustificado valor causa grave prejuízo à ré”. Os advogados da Vale pedem que a ação civil pública seja considerada improcedente.
    • Pela decisão de primeira instância, a indenização será paga aos espólios e herdeiros dos 131 trabalhadores diretos da mineradora mortos no derramamento de rejeitos em janeiro de 2019, num total de R$ 131 milhões.
    • Os trabalhadores indiretos que atuavam na mineradora não fazem parte da ação impetrada pelo Sindicato Metabase Brumadinho.

    Cogna fecha parceria com a Tim

    A Cogna Educação fechou uma parceria com a Tim por meio da sua subsidiária, a Anhanguera Educacional, prevendo campanhas de marketing nos canais de vendas, além de oferta de cursos aos clientes da TIM.

    • Segundo o fato relevante, os cursos e os produtos oferecidos serão da Ampli, uma plataforma de educação digital da Cogna.
    • As companhias “assinaram contrato no qual estabeleceram as bases para parceria comercial por meio da qual a TIM lançará campanhas de marketing e ofecerá, a partir de seus canais de vendas, a oportunidade para que seus mais de 50 milhões de usuários possam contratar e realizar cursos 100% digitais no conceito mobile first, com oferta de 250 cursos de graduação e pós-graduação.
    • O movimento figura como uma aposta para ampliar a fatia de mercado da Cogna, que mira uma junção dos “serviços educacionais digitais e de telecomunicações”, como frisa o fato relevante divulgado.