Acesso Rápido

    Exchange: o que é e como funciona uma corretora de criptoativos?

    Exchange: o que é e como funciona uma corretora de criptoativos?

    Muitos investidores arrojados ou moderados costumam ter interesse de alocar parte dos recursos nas criptomoedas como forma de diversificação. Para isso é necessário conhecer as exchanges.

    Ou seja, o investidor que deseja comprar ou vender uma criptomoeda, como o bitcoin, é fundamental entender como funciona uma exchange.

    O que é Exchange?

    Exchange é uma corretora de criptoativos que funciona como uma plataforma digital, possibilitando a venda e compra de moedas digitais e tokens.

    As exchanges conectam vendedores e compradores deixando a transação mais segura e mais prática para às duas partes envolvidas.

    Algumas delas trabalham com um portfólio mais restrito de criptomoedas ao passo que outras oferecem uma diversidade maior de moedas digitais.

    Como funcionam as exchanges?

    As transações de criptomoedas não precisam necessariamente serem feitas por uma Exchange. No entanto, isso garante mais segurança para quem está comprando ou vendendo.

    Afinal, a compra e venda direta traz mais desconfiança para as duas partes. Pois, alguma delas terá que enviar a criptomoeda ou o valor fiduciário antecipadamente.

    Além disso, ao fazer uma compra ou venda de criptomoedas na modalidade p2p, que é diretamente entre usuários, fica difícil saber a origem dos recursos que transitou entre as contas.

    Por mais que a sua contraparte seja lícita, os recursos podem ter origem consideradas duvidosas pelo Banco Central ou Receita Federal, o que não acontece com as transações feitas por meio de uma Exchange.

    A Exchange funciona como uma intermediária nas negociações. Ela oferece, desse modo, uma estrutura adequada para que as operações com criptoativos sejam feitas de maneira idônea.

    Para isso, é cobrado uma taxa dos usuários, além de custos como impostos que podem resultar de cada uma das operações.

    Em outras palavras, ela centraliza as negociações em um só lugar oferecendo diferentes criptoativos e tokens para os investidores.

    Qual a diferença entre Exchange e corretoras de valores?

    Uma corretora de valor opera seguindo as regras da Bolsa de Valores. Dessa forma, todas as cotações de ações são iguais nas mais variadas corretoras.

    Já uma Exchange atua como sendo uma espécie de bolsa de valores independente. Então, a liquidez das criptomoedas podem variar nas plataformas concorrentes.

    Em resumo, o book de ofertas difere em cada uma delas, já em uma corretora de valores eles são iguais. Além disso, as Exchange fazem a custódia dos ativos até que os clientes decidam fazer a sua transferência para a própria carteira virtual.

    Apesar de trazerem mais segurança para os clientes no que diz respeito às negociações de criptomoedas, as Exchange também possuem alguns riscos.

    Afinal, quando uma pessoa armazena uma criptomoeda em um wallet, apenas ela tem acesso, usando suas senhas e chaves privadas.

    Já em uma exchange, a empresa tem acesso aos fundos dos seus clientes, e se ela for hackeada, fraudada ou simplesmente falir, os seus clientes ficam sem nada.

    Como negociar em uma Exchange?

    Para negociar em uma Exchange é preciso, primeiramente, fazer um cadastro em uma delas. É essencial procurar saber a procedência dela, saber quais são seus sócios e a sua atuação no mercado.

    Feito isso, há duas maneiras de negociar criptomoedas em uma Exchange. Uma delas é a mercado que consiste na compra e venda direta. Já a outra são as ordens limitadas.

    No primeiro caso, basta depositar o dinheiro na Exchange e então escolher a quantidade desejada das criptomoedas que estão sendo disponibilizadas e comprar. Isso vale para o momento da venda.

    Já nas ordens limitadas você coloca uma ordem de compra no preço abaixo do atual de um criptoativo. Na hora que a cotação atinge esse valor, sua compra é realizada. O mesmo pode ser feito com a ordem de venda.

    Foi possível entender o que é uma Exchange? Então deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta matéria com seus amigos nas suas redes sociais.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *