Bem de Giffen: Descubra o que é este tipo específico de bem

Você sabe o que é o bem de Giffen?

O bem de Giffen é um tipo de bem muito específico na economia. A sua existência é estudada pela área da microeconomia.

O bem de Giffen é um tipo de bem pelo qual a demanda aumenta quando o preço aumenta. O seu nome é dado em homenagem ao economista que primeiro identificou a ocorrência deste tipo de situação.

Como funciona o bem de giffen?

Como funciona o bem de giffen

Antes de entender este tipo de bem, faz sentindo explicar como funciona a situação comum dos bens de uma economia.

Da mesma forma como o senso comum indica, de acordo com a literatura econômica, quanto menor o preço de um bem, maior será a sua demanda.

Imagine, por exemplo, que você deseja comprar uma água. Se a água custar R$ 10 você pode comprar apenas uma. No entanto, se ela custar R$ 10 você talvez opte por comprar duas. Ou se ela custar R$ 2 talvez ainda você compre até 3.

O crucial é notar que os bens possuem uma curva de demanda negativamente inclinada. Isto é, quanto menor for o seu preço, maior será a sua quantidade demandada.

Por isso, em economia, a demanda é representada por uma linha negativamente inclinada, como você pode ver abaixo:

Bem de giffen

Este gráfico que apresenta:

  • Preço no eixo Y (vertical)
  • Quantidade demandada no eixo x (horizontal)

Dessa forma a demanda se torna negativamente inclinada. Isto é, preços maiores terão quantidades demandas menores e vice-versa.

O caso do bem de Giffen

Como dito anteriormente, o bem de giffen não é um caso típico. Inclusive, a sua real existência é muito debatida entre os economistas.

Os bens de Giffen, ao contrário dos demais, possuem uma curva de demanda positivamente inclinada. Isto é, a demanda por este bem diminui quando o seu preço cai, e aumento quando o seu preço sobe.

Isto, à primeira vista, pode parecer contraintuitivo. Porém, com um exemplo, este conceito pode ficar mais claro.

EBOOK COMO ANALISAR UMA ACAO

Imagine, por exemplo, uma família muito pobre que se alimente exclusivamente de arroz e feijão.

Toda a sua renda é destinada para o consumo do arroz e feijão. O que acontecia, então, se fosse reduzido o preço do arroz e do feijão?

Será que esta família aumentaria ainda mais o consumo desses dois bens?

A resposta correta é que não. Pois esta família já está saturada do consumo desses dois bens.

O que ocorreria, na realidade, é que esta queda do preço causaria uma folga no orçamento da família. Esta folga seria então utilizada para consumir outros bens. Por exemplo, a família pode diminuir a compra do arroz e do feijão e passar, também, a comprar carnes para melhorar a alimentação.

A demanda desses bens, portanto, é positivamente inclinada.

Abaixo se tem um exemplo do gráfico de um bem de Giffen. Observe como este gráfico é exatamente o oposto do apresentado acima.

Bem de giffen

Fica claro, portanto, que embora o bem de Giffen seja uma situação altamente específica é, de fato, possível que ela ocorra em algumas situações.

ACESSO RÁPIDO
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    5 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Wesley 4 de maio de 2020
      A explicação apresenta algumas lacunas. Primeiro, não necessariamente a demanda por arroz e feijão iria cair. Mais provável que permanecesse "estagnada", sendo característica dos bens essenciais possuírem elasticidade quase nula em relação ao preço. Ademais, seguindo o exposto no gráfico, caso o preço dos bens duplicasse a família deveria aumentar seu consumo de arroz e feijão, o que não parece fazer o menor sentido. Comentando apenas para evitar equívocos em futuros leitores que procurem esse tópico ainda pouco esclarecido na economia.Responder
      • Igor 18 de maio de 2020
        Fala Wesley. Não sou do site nem professor, mas talvez possa ajudar respondendo pois já tive o mesmo questionamento. O exemplo do arroz e feijão é bem extremo, mas ele implica que uma família é tão pobre que praticamente só tem condições de comprar arroz e feijão (gastam a totalidade do dinheiro nesses dois itens e acabam usando inclusive no lugar da carne), sobrando quase nada pra outro alimento. Todavia, se o valor do arroz e do feijão reduzisse bastante, eles poderiam reduzir o consumo desses dois itens um pouco e tentar consumir outra coisa. Assim, pense que em regra arroz e feijão são MUITO mais baratos que a carne e outros itens (arroz e feijão custam R$ 2,00 e a carne custa R$ 10,00). Perceba que eles não estão comendo arroz nem feijão demais porque querem, mas é o que conseguem bancar. Podemos adicionar um terceiro item, por exemplo "atum", custando R$ 4,00. Nesse cenário, a família poderia até consumir um pouco de atum, porém a maior parte com certeza será em arroz e feijão. Agora pense que arroz aumentou para R$ 3,00. A família terá então que tomar uma decisão. Aumenta a quantidade de arroz e feijão ou diminuem drasticamente pra consumir somente atum. O mais provável é que eles passem a consumir mais arroz e feijão, e nada mais de atum, afinal o que está em jogo aqui é saciar a fome. É confuso mesmo, mas é isso que a teoria quer dizer.Responder
        • Caio 25 de setembro de 2020
          Resposta melhor que a do artigoResponder
    • Mitchel Matias 11 de junho de 2020
      Gosto também do exemplo de ações que, mesmo subindo de preço, a demanda aumenta, na expectativa, por parte dos compradores, que os preços continuem subindoResponder
    • Flavio 30 de janeiro de 2023
      O problema é que a questão do arroz e feijão acaba incorrendo na utilidade marginal dos bens para a família. Digamos que a família necessite de 10kg por mês de ambos. Ao atingir esse valor, eles não devem consumir mais. E há também a restrição orçamentária. Logo, parece que não se explica muito bem pq a demanda não aumentaria caso os bens subissem muito o valor.Responder