Proventos bilionários

Radar: lucro da Vibra (VBBR3) cai 67,4%, Mercado Livre (MELI34) pressiona concorrentes, TIM (TIMS3) pagará R$ 195 mi em JCP

Radar: lucro da Vibra (VBBR3) cai 67,4%, Mercado Livre (MELI34) pressiona concorrentes, TIM (TIMS3) pagará R$ 195 mi em JCP
Vibra (VBBR3)

Vibra (VBBR3), ex-BR Distribuidora, reportou nesta terça-feira (22) um lucro líquido de R$ 1 bilhão no quarto trimestre de 2021, queda de 67,4% a menos ante o mesmo período em 2020.

No acumulado do ano, o lucro líquido da Vibra somou R$ 2,5 bilhões, 36,1% a menos na comparação a 2020, de R$ 3,9 bilhões. A Vibra destacou que o lucro líquido teria apresentado uma expansão de aproximadamente 35% em 2021, se excluísse o efeito da contribuição positiva da primeira remensuração de passivos decorrentes da mudança dos planos de saúde, no valor de R$ 2,1 bilhões, no 4T20.

Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado da Vibra foi de R$ 1,6 bilhão, leve queda de 1,1% ante 4T20. Já a margem Ebitda ajustada ficou em 4,1%, queda de 2,6 pontos percentuais ao número do ano anterior, de 6,7%.

De janeiro a dezembro, os Ebitda ajustado ficou em R$ 4.9 bilhões, alta de 30,8%. A margem ajustada ficou em 3,8% no total do ano, uma queda de 0,8 ponto percentual ante mesmo período de 2020.

receita líquida aumentou 61,6% no trimestre, alcançando R$ 39,2 bilhões. No acumulado do ano, o montante foi de R$ 130,1 bilhões, 59,7% a mais na comparação anual.

volume de vendas, no entanto, sofreu uma redução de 3,4% no 4T21, no total de R$ 9,9 bilhões, principalmente em razão das menores vendas de coque (-85%) e ciclo Otto (-5%), parcialmente compensados por maiores volumes de diesel (+6%), combustíveis de aviação (+31%) e óleo combustíveis (+27%, térmicas). De janeiro a dezembro, foram R$ 38,4 bilhões em vendas, um crescimento de 4,7% contra 2020.

As despesas operacionais ajustadas foram de R$ 758 milhões no 4T21. Sem o efeito do resultado com o hedge de commodities e gastos com CBIOS, totalizam R$ 638 milhões.

Em relação ao lucro bruto, na comparação na base anual, observa-se um aumento de 42,1%, em razão de maiores ganhos com inventários e maiores margens médias de comercialização, de acordo com a Vibra.

Ao se considerar o consolidado de 2021, o lucro bruto cresceu 53,7%, chegando a R$ 6,8 bilhões. Isso ocorreu principalmente em função da recuperação parcial do volume de vendas, “com ganho de market share em todos os segmentos, acompanhada de uma evolução positiva da margem média de comercialização, alavancada pelo maior fornecimento de óleo combustível para as térmicas emergenciais”, diz a empresa, em apresentação.

Além da Vibra, confira outros destaques desta terça-feira:

Mercado Livre (MELI34): investimento de R$ 17 bi no Brasil pressiona concorrentes

  • O Mercado Livre (MELI34) investirá R$ 17 bilhões no Brasil em 2022, valor 70% maior do que os R$ 10 bilhões do ano passado. Nos últimos anos, a empresa de e-commerce argentina vem investindo valores recordes no País como parte de sua estratégia de crescimento e consolidação de liderança.
  • Em comparação com as concorrentes brasileiras, o aporte do Mercado Livre no Brasil é cinco vezes maior, já que varejistas locais como Americanas (AMER3), Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3) não conseguem passar dos R$ 2 bilhões ao ano.
  • “A aceleração nos investimentos é reflexo do nosso crescimento sustentável e constante no país, em conexão com o o compromisso de democratizar o comércio e os serviços financeiros para pessoas e empresas por meio da internet”, destaca Fernando Yunes, vice-presidente sênior do Mercado Livre no Brasil.
  • Recentemente, o Mercado Livre já tinha dado uma ideia do seu poder de fogo e interesse de crescimento nas terras brasileiras. A empresa anunciou a inauguração de quatro novos centros de distribuição no Estado de São Paulo – ponto estratégico de logística para otimização dos fretes e tempo de entrega -, aumentando para mais de 2 milhões de pacotes a sua capacidade diária de transação.
  • No ano passado, a empresa conquistou resultados recordes, com forte crescimento, melhores margens e resultado operacional. Ao final do ano, o Mercado Livre contabilizava mais de 76 milhões de usuários, sendo mais de 9 milhões de vendedores únicos e grandes marcas, responsáveis pelas mais de 32 vendas por segundo na plataforma.
  • Parte significativa desse investimento também será destinada ao avanço da oferta do Mercado Pago, segundo o Mercado Livre. A empresa de e-commerce quer trabalhar novos serviços, produtos e experiências integradas à conta digital, reforçando o seu objetivo de concentrar a gestão financeira dos usuários em um mesmo lugar.
  • O Mercado Pago atingiu 34,5 milhões de usuários ativos, encerrando o ano de 2021 com a entrega de mais de 1/3 do faturamento de todo o grupo no Brasil.
  • “Nossa rápida transformação nos permite acelerar a inclusão financeira dos brasileiros em um momento muito importante. Seguiremos investindo em tecnologia para proporcionar acesso simples e seguro aos serviços financeiros”, ressalta Tulio Oliveira, vice-presidente do Mercado Pago no Brasil.
  • Um dos destaques da fintech do Mercado Livre foi a expansão das operações com criptomoedas a partir da conta digital. Em pouco mais de dois meses oferecendo opções de compra, venda e reserva desses ativos, o Mercado Pago alcançou a marca de 1 milhão de usuários do serviço no Brasil, o que reafirma o potencial de crescimento dessa vertente, indica a empresa.
  • A expansão de serviços e produtos, assim como o investimento em iniciativas de inclusão e educação financeira, são objetivos do Mercado Livre para 2022.

IRB Brasil (IRBR3) lucra R$ 114,1 milhões em janeiro com ganhos não-recorrentes

  • A empresa de resseguros IRB Brasil (IRBR3) registrou um lucro líquido de R$ 114,1 milhões em janeiro de 2022, valor 6,4 vezes maior do que o reportado em janeiro de 2021, quando teve R$ 17,9 milhões de lucro líquido.
  • Segundo o IRB, os números ainda não foram auditados e fazem parte do Formulário de Informações Periódicas (FIP), entregue mensalmente, de acordo com o plano de contas definido pelo regulador.
  • Em relatório, a empresa de resseguros justifica que o forte desempenho do IRB Brasil em janeiro se deu graças ao efeito não-recorrente referente ao ganho de ação judicial, que impactou o resultado antes de impostos positivamente em R$ 110,2 milhões.
  • O total de prêmios emitidos no período somou 1,023 bilhão, um crescimento de 25,8% em relação a janeiro de 2021. O incremento do prêmio no Brasil foi de 31,9%, para R$ 611,6 milhões, enquanto no exterior houve um aumento de 17,7%, para R$ 411,9 milhões.
  • A despesa de sinistro em janeiro de 2022 foi de R$ 293,9 milhões, informa o IRB, no mesmo patamar que a de janeiro de 2021, quando chegou a R$ 290,1 milhões.
  • Já o índice de sinistralidade no mesmo período atingiu 68,4%, uma melhora de 2,2 pontos percentuais em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Positivo (POSI3): lucro sobe quase quatro vezes no 4T21, para R$ 41,8 milhões

  • A Positivo (POSI3) registrou lucro líquido recorrente de R$ 41,8 milhões no quarto trimestre de 2021, alta de 279,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. O Ebitda recorrente, por sua vez, chegou a R$ 92,2 milhões entre outubro e dezembro do ano passado, queda de 2,9% na mesma base comparativa.
  • lucro líquido, sem o critério de recorrência, também ficou em R$ 41,8 milhões, mas, nesse caso, representa um recuo de 72,1% ano a ano. A empresa explica que a diferença se dá com os impactos positivos no quarto trimestre de 2020, como créditos tributários de litígios referentes à inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e Cofins e liquidação de processos administrativos em disputas relativas.
  • A alavancagem da empresa, medida pela relação entre endividamento líquido e Ebitda, subiu de 1,3 vez no quarto trimestre de 2020 para 1,6 vez nos últimos três meses de 2021. O ano foi encerrado com dívida líquida de R$ 539,7 milhões, refletindo a maior necessidade de financiamento de capital de giro.
  • No release de resultados, a Positivo destaca a diversificação das receitas e o amadurecimento das avenidas de crescimento, com maior representatividade dos segmentos de soluções de pagamentos e serviços da unidade de vendas corporativas.
  • O segmento de vendas corporativas acumulou receita bruta de R$ 826 milhões no ano, 24,9% superior à de 2020. Segundo a companhia, o avanço reflete a demanda por computadores por empresas, assim como o aumento de 422% na receita bruta do segmento de meios de pagamento e a forte procura por HaaS. Nos últimos três meses do ano passado, o segmento corporativo somou R$ 292 milhões em receita bruta, leve redução de 0,8% com relação ao último trimestre de 2020.
  • Já a receita bruta da unidade de Instituições Públicas ficou 133,7% maior em 2021 do que em 2020. No trimestre, reportou alta anual de 150,4%. O segmento foi impulsionado pelo maior número de licitações no País e pela necessidade de instituições públicas de ensino ofertarem notebooks e tablets a seus alunos.

 

Minerva (BEEF3): diretor de RI pagará R$ 408 mil em acordo com a CVM

  • A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) anunciou nesta terça-feira (22) que aceitou proposta de acordo feita por Edison Ticle, diretor de relação com investidores da Minerva (BEEF3), para encerrar um processo administrativo. O executivo vai pagar R$ 408 mil para a autarquia, em parcela única.
  • O processo administrativo foi instaurado após oscilações atípicas nas ações da empresa em 10 de agosto de 2021. A CVM identificou que Ticle teria revelado, durante uma transmissão ao vivo em mídia social, que o fechamento de capital da empresa seria uma possibilidade, após questionamentos de um grupo de investidores.
  • Inicialmente, o executivo da Minerva propôs pagar R$ 210 mil para encerrar o processo. Após negociações com o Comitê de Termo de Compromisso (CTC), o valor foi aumentado par R$ 408 mil. A Procuradoria Federal Especializada junto à Autarquia (PFE-CVM) concluiu não existir impedimento jurídico para a celebração do acordo. Dessa forma processo é encerrado sem julgamento.
  • O colegiado da CVM também aprovou nesta terça-feira uma proposta de acordo apresentada por Paula Vasconcelos da Costa Côrte-Real, na qualidade de diretora de relação com investidores da Enauta (ENAT3).
  • Ela se comprometeu a pagar R$ 289 mil para encerrar o processo instaurado pela Superintendência de Relações com Empresas (SEP) da CVM para apurar ausência de divulgação de fato relevante, de forma tempestiva, sobre falha no sistema de equipamento da plataforma localizado no Campo de Atlanta. O evento provocou oscilação atípica do valor das ações da empresa.

Weg (WEGE3) vai pagar R$ 154,2 milhões em JCP; confira o valor por ação

  • A Weg (WEGE3) informou nesta terça-feira (22) que o Conselho de Administração aprovou o pagamento de R$ 154.275.008,03 em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas.
  • De acordo com o fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o valor dos proventos por ação será de R$ 0,0367, que serão pagos em 17 de agosto de 2022.
  • Apenas os investidores com ações da Weg no dia 25 de março terão direito de receber os rendimentos. A partir do dia 28 de março, as ações serão negociadas sem direito aos dividendos.
  • Esses proventos fazem parte dos dividendos obrigatórios do exercício de 2022.
  • O valor dos JCP terá retenção do imposto de renda na fonte, com alíquota de 15%, resultando em aproximadamente R$ 0,0312 por ação.

Vale (VALE3) fornecerá produtos de níquel de baixo carbono à Northvolt

  • A Vale (VALE3) informou que a Vale Canadá e a produtora de células de íon-lítio Northvolt AB fecharam um acordo plurianual no qual a mineradora irá fornecer produtos de níquel de baixo carbono à sueca Northvolt, segundo fato relevante desta terça-feira (22).
  • O contrato é fruto de mais de dois anos de negociação entre Vale e Northvolt e será o meio de lançamento para uma maior cooperação entre as empresas em diversas áreas.
  • Segundo o comunicado, essa parceria reforça o compromisso compartilhado pelas duas empresas com a sustentabilidade na cadeia de veículos elétricos e eletrificação da indústria de mineração de forma geral.
  • A Vale destaca que o acordo reafirma a posição da mineradora como fornecedora preferencial para a indústria de veículos elétricos e se alinha com o imperativo da Northvolt de minimizar as emissões de carbono e outros impactos ambientais na cadeia de valor das baterias.
  • “A Vale é líder global na produção de produtos de níquel de baixo carbono e alta pureza. Os rounds de níquel de sua refinaria de Long Harbour em Newfoundland, Canadá, têm uma pegada de carbono verificada de 4,4 toneladas de CO2 equivalente por tonelada de níquel – cerca de um terço da média apurada pelo Nickel Institute para o níquel Classe 1″, informa a Vale.
  • A Vale diz que se comprometeu a investir entre US$ 4 bilhões e US$ 6 bilhões para reduzir as emissões absolutas de carbono em 33% até 2030, como parte dos esforços para atingir emissões líquidas zero até 2050. Além disso, também reduzirá as emissões da cadeia de valor em 15% até 2035.
  • Já a ambição da Northvolt é elevar o padrão de sustentabilidade para os produtores de baterias com um plano para reduzir as emissões de carbono em até 90% em comparação com as baterias de referência atuais, principalmente por meio da utilização de energia limpa na produção e reciclagem.
  • “Este contrato de fornecimento é mais um marco estratégico conforme direcionamos nossos negócios para a demanda de veículos elétricos”, destaca em nota Deshnee Naidoo, Vice-Presidente Executiva de Metais Básicos da Vale.
  • Maria Åstrand, vice-presidente de materiais ativos da Northvolt, também comenta em nota que a empresa foi fundada com a missão de construir a bateria mais ecológica do mundo para permitir a transição para a eletrificação.
  • “Queremos construir baterias com uma pegada mínima de CO2 usando energia limpa e tecnologia inteligente. Esta parceria é perfeita para podermos alcançar essa ambição”, diz.

Alibaba (BABA34) dispara 11% após aumento no programa de recompra de ações

  • As ações do Alibaba (BABA34) listadas em Hong Kong dispararam mais de 11% nesta terça-feira (22), depois que a empresa anunciou um aumento no tamanho do seu programa de recompra de ações.
  • De acordo com a gigante chinesa de comércio eletrônico, o novo programa irá aumentar a compra de ações emitidas pelo Alibaba de US$ 15 bilhões para US$ 25 bilhões, com validade por um período de dois anos – até março de 2024.
  • Com isso, em Hong Kong, as ações do Alibaba subiram 11,20%, para 110,20 dólares de Hong Kong (HK$).
  • Em Nova York, as American Depositary Shares (ADRs) do Alibaba acompanham o ritmo de ganhos, e subiam 11,59% por volta das 15h15 (horário local), avaliadas em US$ 115,82.
  • O incremento no programa de recompra de ações do Alibaba é uma tentativa da empresa de tranquilizar os investidores sobre a perspectiva da empresa após um ano em que o preço de sua ação caiu mais do que pela metade.
  • O Alibaba sinalizou que, com esse aumento de 67% do valor em ações, pretende recomprar os papéis como “um sinal de confiança” de que seguirá crescendo no futuro.
  • A gigante chinesa de comércio eletrônico viu no último ano suas ações perderem cerca de dois terços do seu valor desde a máxima histórica, alcançada em outubro de 2020.
  • Naquele momento, as ações do Alibaba chegaram a ser avaliadas em HK$ 309,40 na máxima intradia, fechando com um topo histórico de HK$ 307,40.
  • Desde então, as ações em Hong Kong perderam 60% do valor, atingindo HK$ 71,25 na mínima, em março deste ano.
  • “O preço das ações do Alibaba não reflete de forma justa o valor da empresa, devido à nossa robusta saúde financeira e planos de expansão”, disse o vice-diretor financeiro da empresa, Toby Xu, em comunicado sobre o programa de recompra de ações.
  • O programa de recompra do Alibaba irá incluir as ações listadas em Hong Kong e também os recibos de ações listados em Nova York. Anteriormente, a empresa chinesa já havia recomprado cerca de 56,2 milhões de ADRs do Alibaba, no valor de US$ 9,2 bilhões.

TIM (TIMS3) vai distribuir R$ 195 milhões em JCP aos acionistas; veja valor por ação

  • A TIM (TIMS3) vai pagar R$ 195 milhões em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas, informa documento divulgado na noite desta terça-feira (22).
  • Os proventos da TIM serão pagos no dia 27 de abril de 2022. O valor por ação a ser pago pela empresa de telecomunicações será de R$ 0,0805, sem considerar a incidência do Imposto de Renda.
  • Para a pessoa física, essa alíquota de IR é de 15%, descontada na fonte.
  • Apenas os investidores com posição comprada nas ações TIMS3 ao final do pregão no dia 28 de março de 2022 terão direito a receber os JCPs da TIM. As ações da empresa passam a ser negociadas “ex-juros“, ou seja, sem direito aos JCP, a partir de 29 de março de 2022.
  • Segundo documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o valor bruto por ação correspondente ao JCP da TIM poderá ser modificado até a data de pagamento. Veja:
  • “O valor bruto por ação poderá ser modificado em razão da variação na quantidade de ações em tesouraria para atendimento ao Plano de Incentivo de Longo Prazo da companhia. Nesse caso, a TIM fará um novo Aviso aos Acionistas informando o valor final por ação.”

Da Vibra ao TIM, essas foram as empresas que se destacaram hoje. Para ler todas as matérias clique aqui.

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO