Radar: Santander (SANB11) aprova JCP de R$ 1,4 bi, Netflix (NFLX34) reduz lucro no 4T22 e Americanas (AMER3) entra em recuperação judicial

O Santander (SANB11) aprovou o pagamento de R$ 1,7 bilhão em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas — com a dedução do Imposto de Renda direto na fonte, o valor líquido passa para R$ 1,445 bilhão.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

Segundo fato relevante desta quinta-feira (19), valor dos proventos por unit do Santander será de R$ R$ 0,3889. Por ação ordinária (SANB3) e preferencial (SANB4) os valores são de R$ 0,1852 e R$ 0,2037. Confira em detalhes na tabela a seguir:

O pagamento do JCP do Santander acontecerá no dia 6 de março. Apenas os investidores no dia 26 de janeiro terão direito de receber os rendimentos. A partir do dia 27, as ações serão negociadas sem direito aos proventos da Santander.

Segundo documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o pagamento é referente ao exercício de 2023.

JCP do Santander (SANB11)

  • Valor total: R$ 1.445.000.000,00 (valor líquido)
  • Valor por unit: R$ 0,38898483757
  • Data de corte: 26 de janeiro de 2023
  • Data do pagamento: 6 de março de 2023

Santander vende participação em banco e corretora

O Santander assinou um contrato para vender as ações que possui no Banco PSA Finance Brasil e na PSA Corretora. A instituição financeira conta com 50% do capital das empresas, e os compradores já estão definidos.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o Santander explicou que a sua fatia do PSA Brasil será adquirida pelo PSA francês, e a participação na corretora será comprada pela Stellantis Services.

“O Banque PSA passará a ser o único acionista do Banco PSA, e a Stellantis Services passará a ser a única acionista da PSA Corretora”, detalhou o banco.

No informe ao mercado, o Santander também explicou que a venda dos ativos “estará sujeita ao cumprimento de determinadas condições suspensivas usuais em transações similares, incluindo a obtenção das autorizações regulatórias pertinentes”. Os valores da transação não foram divulgados.

Cotação

No pregão de hoje os ativos do Santander caíram 0,27%, negociados a R$ 29,54. Nos últimos 12 meses, o papel do SANB11 acumula uma valorização de 0,78%.

Além do Santander, confira outros destaques desta quinta-feira:

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240.jpg

Netflix (NFLX34) reduz lucro no 4T22, mas salto na base de assinantes anima o mercado; ações sobem em NY

  • A Netflix (NFLX34) obteve lucro líquido de US$ 55,3 milhões no quarto trimestre de 2022, bem menor que o ganho de US$ 607 milhões registrado em igual período de 2021, segundo balanço corporativo divulgado nesta quinta-feira (19).
  • O balanço da Netflix animou o mercado. Em Nova York, no after hours, as ações da companhia de streaming subiam 6,91% por volta das 20h20 de Brasília.
  • O indicador que empolgou investidores foi o da base de assinantes da Netflix. A gigante do streaming informou que a plataforma teve aumento de 7,7 milhões no número de assinantes no quarto trimestre.
  • A projeção da empresa era de um avanço bem menor, de 4,5 milhões, enquanto o mercado esperava alta de 4,6 milhões. Dessa forma, o total de clientes ficou em 230,8 milhões globalmente ao fim de 2022.
  • O resultado da Netflix equivale a um lucro de US$ 0,12 por ação, abaixo da expectativa de analistas consultados pela FactSet, que previam US$ 0,55 por papel.
  • A receita total da empresa somou US$ 7,852 bilhões nos três meses encerrados em dezembro, um avanço em relação ao saldo de US$ 7,709 bilhões no mesmo intervalo do ano anterior. Nesse caso, a previsão era de US$ 7,86 bilhões.
  • Segundo informações da CNBC, este é o primeiro trimestre da Netflix em que o novo serviço suportado por anúncios é incluído em seus resultados.
  • A nova modalidade mais barata foi lançada em novembro do ano passado, mas a empresa não divulgou qual parcela das novas assinaturas é de usuários que optaram pelo serviço.
  • Em comunicado, a Netflix declarou: “2022 foi um ano difícil, com um começo acidentado, mas um final melhor.”
  • “Acreditamos que temos um caminho claro para reacelerar nosso crescimento de receita: continuar a melhorar todos os aspectos da Netflix, lançar o compartilhamento pago e desenvolver nossa oferta de anúncios. Como sempre, nossas estrelas do norte continuam agradando nossos membros e construindo uma lucratividade ainda maior ao longo do tempo”, completou a companhia de streaming.
  • A Netflix acredita que o crescimento da receita no primeiro trimestre de 2023 aumentará 4%, acima das projeções de 3,7% de Wall Street, segundo informações do jornal.
  • Cofundador da Netflix deixa presidência executiva
  • O cofundador da Netflix, Reed Hastings, anunciou hoje que deixará o cargo de CEO da companhia de streaming. O executivo trabalhou na Netflix por 25 anos.
  • A Netflix comunicou a saída durante a apresentação do balanço do quarto trimestre de 2022.
  • Segundo texto no blog da Netflix, Hastings disse que já estava delegando a operação da companhia e que agora “era a hora” de finalizar a sucessão.  O diretor de operações, Greg Peters, será co-CEO a partir de agora, com Ted Sarandos, que ocupa o cargo desde 2020.
  • Entretanto, Hastings permanecerá como presidente do conselho de administração da Netflix.
  • Cotação das BDRs 
  • As BDRs da Netflix fecharam esta quinta-feira (19) em alta de 2,02%, cotadas a R$ 34,42.
  • (Com informações do Estadão Conteúdo)

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Americanas (AMER3) entra com pedido de recuperação judicial e informa R$ 43 bilhões em dívidas

  • Uma semana após a descoberta do rombo bilionário, a Americanas (AMER3) formalizou hoje (19) o pedido de recuperação judicial com cárter de urgência na 4ª Vara Empresarial Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. As dívidas da empresa somam R$ 43 bilhões em meio a mais de 16,3 mil credores.
  • Na petição sobre recuperação judicial da Americanas enviada ao TJ-RJ, a varejista afirma que devido à desvalorização das ações, que registraram quedas superior a 80% desde a divulgação dos R$ 20 bilhões em inconsistências contábeis, junto ao rebaixamento de seus ratings, fizeram com que seus credores financeiros ficassem “em polvorosa”, drenando mais de R$ 3 bilhões do caixa.
  • “Menos de 6 horas depois da divulgação ao mercado do fato relevante no dia 11 de janeiro, alguns credores, sem qualquer embasamento contratual ou legal, já haviam declarado o vencimento antecipado das obrigações da companhia — alguns assenhorando-se de valores bilionários, fechando as portas para qualquer tipo de negociação amigável viável”, destaca o documento sobre o pedido de recuperação judicial da Americanas.
  • No final da tarde desta quinta, a Justiça aceitou o pedido de recuperação judicial da Americanas e nomeou quem serão os administradores judiciais.
  • O juiz Paulo Assed, da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, deferiu o pedido de recuperação judicial feito pela Americanas (#AMER3).
  • Foram noemados como administradores judiciais a Preserva-Ação Administração Judicial e o escritório de advocacia Zveiter.
  • A varejista obteve o direito dce suspensão, por 180 dias, da execução de qualquer dívida.
  • Mas, em até dois meses, terá de apresentar ao juiz um proposta de recuperação – que devrá, por sua vez, receber o aval dos credores.
  • A Americanas declarou no processo dívidas no total de R$ 43 bilhões 16,3 mil credores.
  • Diante do pedido de recuperação judicial, os acionistas de referência — Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira — informaram ao presidente do Conselho de Administração que pretendem devem injetar recursos na rede varejista.
  • “Dado o pedido de recuperação judicial da empresa, a administração da Americanas vem a público informar que seguirá operando normalmente dentro das novas regras da recuperação judicial, cujo um dos objetivos principais é a própria manutenção de empregos, pagamento de impostos e a boa relação com seus fornecedores e credores e investidores de forma geral”, afirmou a Americanas em nota.

B3 (B3SA3) exclui Americanas (AMER3) do Ibovespa e demais índices; entenda

  • Americanas (AMER3) foi excluída pela B3 (B3SA3) de 14 índices do mercado, entre eles o Ibovespa, após ter protocolado o seu pedido de recuperação judicial. Nesta quinta (19), a empresa responsável pela bolsa brasileira afirmou que o papel da varejista deixará essas listas ao seu preço de fechamento após o encerramento do pregão de sexta (20).
  • De acordo com um comunicado da B3 à imprensa sobre a Americanas, o espaço da ação AMER3 será “redistribuído proporcionalmente aos demais integrantes da carteira com o pertinente ajuste nos redutores dos índices”.
  • Na carteira teórica do Ibovespa de janeiro a abril de 2023, as ações da Americanas ocupam 0,303% do índice. Confira a lista de todos os índices que deixaram de ter os papéis da empresa:
  • IBOV – Ibovespa
  • IGCX
  • ICO2
  • ICON
  • IBXX
  • IGCT
  • IGNM
  • IBRA
  • IVBX
  • ISEE
  • ITAG
  • SMLL
  • IBXL
  • GPTW

  • Veja o comunicado na íntegra sobre a Americanas:
  • Comunicamos que, em virtude da listagem sob o título de “Recuperação Judicial” a partir de 20/01/2023, a Americanas (AMER3), terá seus títulos excluídos de todos os índices B3: IBOV, IGCX, ICO2, ICON, IBXX, IGCT, IGNM, IBRA, IVBX, ISEE, ITAG, SMLL, IBXL e GPTW ao seu preço de fechamento após o encerramento do pregão regular de 20/01/2023, sendo sua participação redistribuída proporcionalmente aos demais integrantes da carteira com o pertinente ajuste nos redutores dos índices.
  • Dado o fato relevante divulgado pela empresa no dia 11/01/2023 e suas implicações do ponto de vista ESG, iniciamos em 12/01 o Plano de Resposta a Eventos relacionados ao ISE B3.
  • Os procedimentos estabelecidos no plano foram realizados e deliberou-se pela exclusão da empresa da carteira do ISE B3. Porém, devido a listagem sob o título de “Recuperação Judicial”, a empresa será excluída conforme tratamento dos outros índices.

Suzano (SUZB3): ANTT aprova construção de duas ferrovias privadas

  • Suzano (SUZB3) recebeu hoje (19) o aval da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para a construção de duas novas ferrovias privadas. Segundo os pedidos apresentados pela empresa, uma estrada de ferro ficará localizada em Três Lagoas (MS) e outro trecho ligará a cidade até Aparecida do Taboado (MS).
  • Na quarta-feira, em anúncio sobre os primeiros 100 dias de trabalho do Ministério dos Transportes, o ministro Renan Filho apontou a expectativa de mais 11 contratos de ferrovias privadas serem assinados pelo governo nos primeiros meses do ano. Entre elas, estão os projetos da Suzano.
  • Na mesma reunião, os diretores da ANTT aprovaram ainda uma alteração na resolução que estabelece procedimentos gerais para o requerimento de Declaração de Utilidade Pública. Trata-se de uma ferramenta necessária para projetos outorgados pela ANTT, como é o caso das ferrovias privadas.

MRV (MRVE3) aprova recompra de até 8,9% das ações e operações com derivativos

  • Esse limite, “acrescido da quantidade de ações já mantidas em tesouraria e daquelas objeto de outros contratos derivativos celebrados pela companhia, representa aproximadamente 8,91% do total de ações em circulação no mercado”, afirmou o documento.
  • De acordo com a decisão do Conselho de Administração da MRV, as operações com as ações poderão ser feitas até março de 2024. Elas devem ser executadas com débito na conta de reservas de lucros por Banco ABC Brasil (ABCB4) e Banco Votorantim.

Dividendos e JCP: Banco do Brasil (BBAS3) aprova “payout” de 40% para o exercício de 2023

  • O Banco do Brasil (BBSA3) informou na noite desta quinta-feira (19) que o conselho de administração aprovou o payout [porcentagem do lucro líquido distribuído] de 40% para o exercício de 2023, via juros sobre o capital próprio (JCP) e dividendos.
  • Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o BB ainda ressaltou que remunerará os acionistas em oito fluxos. Serão quatro pagamentos realizados ao longo dos trimestres de referência, de forma antecipada. Os outros quatro pagamentos complementares serão efetivados após o encerramento dos trimestres de referência.
  • Ainda no comunicado, o documento destaca que o valor do payout do BBSA3 considerou os balizadores constantes na política.
  • “Em especial, são o resultado do Banco do Brasil, sua condição financeira, a necessidade de caixa, o Plano de Capital e suas metas e respectivas projeções, a Declaração de Apetite e Tolerância a Riscos, perspectivas dos mercados de atuação presentes e potenciais, oportunidades de investimento existentes e a manutenção e expansão da capacidade operacional”, afirma o documento.
  • Banco do Brasil é eleito o mais sustentável do mundo
  • Pela quarta vez, o Banco do Brasil foi eleito o banco mais sustentável do mundo. O ranking Global 100 é feito pela empresa canadense de pesquisa Corporate Knights e o BB já havia conquistado a liderança no segmento bancário em 2019, 2021 e 2022.
  • ranking dos bancos mais sustentáveis do mundo foi divulgado durante o encontro anual do Fórum Econômico Mundial. Lançado em 2005, ele lista as 100 grandes corporações mais sustentáveis do mundo. Ao todo, cerca de 7,3 mil empresas com receita anual de mais de US$ 1 bilhão por ano foram avaliadas.
  • Nos últimos dez anos, o Banco do Brasil esteve no ranking das 100 corporações mais sustentáveis do mundo em sete. Entre as companhias brasileiras, o BB foi a empresa mais bem posicionada, ocupando o 15º lugar geral de sustentabilidade em todo o mundo.
  • Segundo a Corporate Knights, a carteira de negócios sustentáveis do Banco do Brasil, atualmente com saldo superior a R$ 320 bilhões, foi o destaque para a classificação no ranking. Formada por linhas de crédito que financiam atividades com retorno socioambiental, a carteira equivale a 35% do volume total de crédito do banco.

Petrobras (PETR4): embora cite riscos políticos, XP vê potencial de alta de 42% nas ações em 2023

  • A Petrobras (PETR4) informou hoje (19) o pagamento da segunda parcela dos megadividendos — que tiveram na Justiça o pedido de bloqueio. Diante dos proventos distribuídos aos acionistas que integravam a base da empresa no final de novembro, a XP Investimentos analisou se vale a pena investir nos ativos da petroleira neste ano. Apesar de apontar incertezas políticas, a casa um potencial de altas nas ações de 42%.
  • “Uma Major Oil com desconto e boas perspectivas de crescimento”, definem os especialistas André Vidal e Helena Kelm, que assinam a análise da petroleira. Segundo eles, a Petrobras é negociada hoje a 2,4x EV/EBITDA [indicador que mostra a capacidade da empresa de gerar lucro] para o final de 2023.
  • “Esperamos que a Petrobras apresente um incremento na produção de petróleo e gás próximo de 30% nos próximos anos”, afirmam os analistas da XP.
  • Riscos para o ano
  • Não é uma novidade, mas os especialistas reforçam que o aumento da percepção de risco político para a estatal levou a uma “relevante” queda nas ações da Petrobras. “Em nossa última revisão de preços, elevamos em 2% nosso de custo de capital pelo aumento de prêmio de risco político.”
  • Segundo eles, entre os principais fatores que preocupam os investidores da Petrobras estão:
  • mudanças na política de preços, como o abandono da paridade de preços internacionais e volta do subsídio dos combustíveis;
  • mudanças na alocação de capital, implicando maiores despesas, maior capex, e até redução da eficiência, o que poderia comprometer a geração de caixa e também a distribuição de dividendos.
  • Vale investir nas ações da Petrobras em 2023?
  • Considerando o aumento dos riscos e incertezas da tese, na última atualização feita pela XP, a casa reduziu o preço-alvo da Petrobras. Apesar disso, a recomendação de compra tem o preço-alvo em R$ 35,70 para PETR3/PETR4 (US$ 13,40) — o que implica em um potencial de alta próximo de 42%.
  • “Contudo, destacamos que nossa recomendação de compra para as ações da Petrobras se ampara na manutenção da política de paridade de importação nos preços nos combustíveis, que tem na Lei das Estatais uma das suas principais defesas. Além disso, a governança corporativa da empresa a partir de 2023 segue com várias questões em aberto”, pontuam.
  • Cotação
  • Nesta quinta-feira (19) as ações da Petrobras operam em alta de 2,59%, com papéis a R$ 25,72. No acumulado dos últimos 12 meses, os ativos da petroleira tiveram uma valorização de 37,54%.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Méliuz (CASH3) demite 6% dos funcionários e alega reestruturação e cenário econômico

  • O Méliuz (CASH3), especializado em cashback, é mais uma empresa de tecnologia a anunciar demissões. No total, foram 59 funcionários desligados, 6% da equipe de cerca de 980 pessoas, confirmou a companhia ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.
  • As demissões do Méliuz não irão impactar os usuários, enquanto nenhum serviço ou produto será descontinuado, destaca a nota da empresa.
  • Os desligamentos atingiram “quase todas as áreas da companhia”, ainda segundo o pronunciamento. Como de costume, funcionários demitidos usaram as redes sociais para comunicar os desligamentos. Os setores de atuação dos autores das publicações são variados, incluindo recrutamento e seleção, design de produto e desenvolvimento.
  • As demissões fazem parte de um processo de “reestruturação interna para aumentar a eficiência operacional”. Assim como se adaptar ao cenário macroeconômico diante da alta de juros, inflação alta e, consequentemente, um e-commerce menos aquecido, segundo o CEO e fundador da companhia, Israel Salmen.
  • “Apesar do Méliuz estar em uma posição confortável por possuir um caixa robusto, foi necessário ajustar os planos, assim como muitas empresas de tecnologia fizeram”, afirmou o executivo. A expectativa de Salmen é que decisão ajude a manter a sustentabilidade da companhia e impulsione as margens.
  • Procurados pela reportagem, funcionários desligados, que ainda passam pelos trâmites formais, optaram por não se pronunciar.
  • As demissões em massa por empresas, vistas ao longo do ano passado, seguem com força neste início de 2023 por todo o setor de tecnologia ao redor do mundo. Desde startups até gigantes do setor, com destaque para a Microsoft mais recentemente.
  • Nos últimos 12 meses, cerca de 61 mil pessoas foram atingidas por demissões em massa em empresas de tecnologia dos Estados Unidos, segundo levantamento do jornal O Estado de S. Paulo. No Brasil, em startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, chamadas de “unicórnios”, 4 mil foram demitidos.
  • Méliuz aprova pedido de listagem da Bankly no segmento de Novo Mercado
  • Em novembro, o conselho de administração do Méliuz aprovou o pedido de registro de companhia aberta, categoria “A”, diante da CVM, e o pedido de listagem no segmento especial de governança corporativa do Novo Mercado da B3 da Bankly.
  • Vale destacar que a Bankly é uma marca cujas operações estão sob a responsabilidade da Acesso Soluções de Pagamento, controlada da Acessopar Investimentos e Participações, uma subsidiária do Méliuz.
  • O Méliuz também informou que a implementação do potencial registro e listagem no segmento de Novo Mercado ainda depende da conclusão dos estudos para a segregação de suas operações de soluções de pagamento e banking as a service que operam utilizando a marca Bankly.
  • (Com informações do Estadão Conteúdo)

Do Santander a Méliuz, essas foram as empresas que se destacaram hoje. Para ler todas as matérias clique aqui.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Isabella Taglapietra

Compartilhe sua opinião