Oi (OIBR3) despenca; Via (VIIA3) pode valorizar 74%; MXRF11 paga dividendos: Veja as 5 notícias mais lidas

Oi (OIBR3) despenca; Via (VIIA3) pode valorizar 74%; MXRF11 paga dividendos: Veja as 5 notícias mais lidas
Oi. Foto: Divulgação

Após o governo abrir uma investigação na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) sobre a venda das redes móveis da Oi (OIBR3), as ações da companhia começaram a despencar no primeiro pregão do mês e assim a tele ficou entre as notícias mais lidas dessa semana.


A ação da Oi (OIBR3) chegou a cair mais de 8% naquela sessão, enquanto o mercado também repercutia as mudanças na diretoria da companhia. O conselho de administração da empresa em recuperação judicial elegeu, na última terça-feira (31), Cristiane Barretto Sales para assumir os cargos de Diretora de Finanças e de Relações com Investidores.

A Via (VIIA3) ficou no radar dos leitores do Suno Notícias, após a Ativa Investimentos avaliar que os papéis da companhia têm potencial de valorização de 73,8%.

Durante a semana foram bastante acessadas as notícias sobre investidores estrangeiros que elevaram suas posições aplicadas no mercado de juros e sobre a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil (BBAS3), em conflito com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Os fundos dividendos dos fundos imobiliários XPCM11 e MXRF11 também se destacaram.

Veja abaixo o resumo das principais notícias da semana e acesse os links para ler o texto completo. Tenha um bom final de semana!

Além da Oi, Via  também fica entre notícias mais lidas

A primeira notícia mais lida da semana foi sobre a Via. Na avaliação da Ativa Investimentos, a ex-Via Varejo está passando por um processo de turnaround, no qual a empresa está reestruturando seu negócio para aumentar seu valor e voltar para o caminho certo.

A corretora acredita que a varejista está em posição de destaque no varejo físico e ampliando sua participação no canal digital, onde ainda está atrás dos concorrentes. Por isso “acreditamos que a companhia deve começar a operar com múltiplos menos descontados, nos levando a reiterar nossa recomendação de compra“, diz relatório.

A recomendação da Ativa para a ação da Via é de Compra e considera um preço-alvo de R$ 18,70, com potencial de valorização dos papéis em 73,8%, considerando a cotação da Via de R$ 10,76, no fechamento de segunda-feira (30).

“Nosso preço-alvo atualizado reflete o crescimento de GMV digital menos acentuado da Via em relação a seus pares no 2T21”, explica o relatório.

Caixa e Banco do Brasil (BBAS3) deixam Febraban

A Caixa e o Banco do Brasil também ficaram no radar dos leitores do Suno Notícias durante essa semana.

Os dois bancos estatais disseram que deixariam a Febraban no último sábado, dia 28, e na segunda-feira (30) já haviam avisado a decisão ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

O motivo da saída seria um manifesto que a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) publicaria na terça-feira, com um pedido de harmonia entre os três Poderes. A Febraban é signatária do documento e ambos os bancos, BB e Caixa, descordam do posicionamento por considerarem político.

De acordo com eles, por ser uma instituição que representa todos os bancos do País, a Febraban deveria se manter isenta. Os dois bancos encaminharam uma nota à Instituição, comunicando a saída caso o manifesto fosse em frente.

Investidor estrangeiro eleva posição ‘vendida’ e aposta na queda dos juros

A terceira notícia mais lida da semana, foi sobre os investidores estrangeiros que elevaram suas posições aplicadas no mercado de juros, em termos líquidos, no pregão de sexta-feira (27,) segundo informações da B3.

O estoque dos contratos em aberto vendidos em taxas/comprados em Preço Unitário (PU) destes players subiu de 3.497.718 para 3.645.418, aumento de 147.700 contratos.

Já os investidores locais reduziram a posição líquida vendida em taxa, passando de 2.175.185 para 2.010.289, uma diferença de 164.896 contratos.

Em contrapartida, os bancos diminuíram posição líquida comprada em taxa, com o estoque passando de 5.400.004 para 5.378.699 contratos em aberto, uma baixa de 21.305 contratos.

Ação da Oi (OIBR3) desaba

A Oi, mais uma vez, se destacou no decorrer da semana e ficou entre as mais lidas após o desempenho negativo de seus papéis.

A ação ordinária da Oi despencou no pregão da última quarta-feira (1), dia em que o governo abriu uma investigação na Anatel sobre a venda das redes móveis da companhia em recuperação judicial, de acordo com a Folha de S. Paulo.

No fechamento daquele pregão, a OIBR3 caiu 8,11%, valendo R$ 1,02. No ano, o papel ordinário da acumula uma queda de 54,09%.

Com o impacto que a venda das redes móveis da Oi teve no ambiente de competição das concorrentes, o governo encaminhou o caso para a Anatel. A agência irá apurar os riscos de infração da ordem econômica, de acordo com o jornal.

XPCM11 e MXRF11 anunciam dividendos

Os fundos imobiliários também ficaram sob os holofotes. Nessa semana, os FIIs XPCM11 e MXRF11 anunciaram o pagamento de dividendos e com isso ganharam uma posição entre as notícias mais acessadas.

O XPCM11 pagará R$ 0,21 por cota, enquanto o MXRF11 pagará R$ 0,08. O último dia de negociação das cotas de ambos os FIIs com direito ao provento foi em 31 de agosto.

Além dos dois FIIs, outros fundos imobiliários também anunciaram o pagamento de dividendos no primeiro dia do mês.

Da queda das ações da Oi  aos dividendos dos FIIs MXRF11 e XPCM11, essas foram as 5 notícias mais lidas da semana. Para ler todas as notícias do SUNO Notícias, clique aqui ou nos siga no Instagram e Twitter.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se