Acesso Rápido

    Junk bonds: entenda o que são esses títulos de dívida

    Junk bonds: entenda o que são esses títulos de dívida

    Devido a busca por alta rentabilidade, alguns investidores acabam se expondo à riscos elevados. Assim sendo, um dos ativos onde esse risco é mais visível são nos chamados junks bonds.

    Ou seja, os junk bonds oferecem retorno maior, quando comparado a outros títulos, a fim de compensar o risco adicional.

    O que são os junk bonds?

    Os junk bonds são títulos de renda fixa altamente voláteis, que oferecem rentabilidade elevada e, por consequência, possuem um risco de crédito significativo.

    Essa possibilidade de altos retornos decorre do risco de inadimplência, também chamado de default, da instituição emissora. Portanto, como o investidor está sujeito a não receber o valor investido nesses títulos de péssima qualidade, a rentabilidade esperada desses títulos também é maior.

    Características dos junk bonds

    Os junk bonds normalmente reúnem uma série de características em comum, como:

    • Alto risco de inadimplência;
    • Alto rendimento;
    • Alto grau especulativo;
    • Classificação de risco elevada;
    • Baixa liquidez.

    Quem pode emitir junk bonds?

    A emissão de junk bonds pode ser realizadas por entidades públicas ou ainda por empresas privadas.

    Esses títulos, também conhecidos como títulos podres, são emitidos geralmente por instituições com baixa credibilidade no mercado financeiro.

    Uma vez que essas entidades encontram-se em dificuldades para captar recursos, fazem uso desse tipo de título com o propósito de atrair mais investimentos.

    Classificação dos junk bonds

     Agências de classificação de risco de crédito, como a  Standard & Poor’s e a Moody’s, classificam os títulos de investimentos em duas categorias:

    • Grau de investimento: títulos com alta classificação de crédito;
    • Grau especulativo: títulos com baixa classificação de crédito.

    Os junk bonds pertencem a categoria de caráter especulativo e possuem um rating de classificação com nota BB ou inferior a isso.

    Em outras palavras, significa que a capacidade do agente emissor de cumprir com suas obrigações de pagamento são baixas.

    Junk bonds como indicador econômico

    junk bonds

    Através da oferta e demanda de junk bonds é possível fazer uma leitura da situação econômica de um país. Aliás, esses títulos podem até sinalizar mudanças em ciclos econômicos.

    Dessa forma, quando os investidores estão apreensivos quanto ao futuro da economia a tendência é desfazer-se desse tipo de ativo.

    Em contrapartida, em um cenário econômico positivo, os investidores sentem mais confiança no mercado financeiro.

    Portanto, podemos concluir que os investidores estão mais dispostos ao risco quando a economia vai bem.

    Junk bonds utilizados por fundos abutres

    Algumas empresas, nacionais e internacionais, são especialistas em comprar junk bonds já vencidos, tanto públicos como privados.

    Por isso, eles são chamados de fundos abutres — pois negociam com quem está quase em falência. Além disso, essas instituições são agressivas ao cobrar as dívidas. Não medem esforços para recuperar o dinheiro e de forma recorrente buscam o amparo da Justiça.

    Um caso emblemático foi o que aconteceu na Argentina. Em 2008 os fundos NML Capital e Aurelius compraram títulos vencidos da dívida externa do país. Na época esses fundos pagaram algo em torno de U$ 0,30 para cada U$ 1 nominal do título.

    Em 2014, após anos de disputa judicial, esses fundos ganharam o direito de receber integralmente o valor do título da dívida argentina. O lucro dessa operação foi calculado como algo em torno de 1.600%, conforme dados divulgados pelo governo argentino.

    Para manter-lo atualizado sobre o noticiário econômico, a Suno Research disponibiliza gratuitamente um canal de Whatsapp com conteúdos exclusivos.

    Através dessa ferramenta você fica sabendo não só a respeito do mercado de títulos (como os junk bonds) mas também de outras notícias relevantes do mercado financeiro.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *