Acesso Rápido

    Deseconomia de escala: entenda o que é e quando acontece

    Deseconomia de escala: entenda o que é e quando acontece

    Quando uma microempresa lança um produto no mercado, é de se esperar que consiga aumentar sua produção ao longo do tempo e diluir seus custos, gerando uma economia de escala. O movimento contrário é chamado deseconomia de escala.

    Afinal, após esse ponto, os custos costumam crescer em ritmo igual ou até mesmo superior à produção, fazendo com que essa empresa enfrente a chamada deseconomia de escala.

    O que é deseconomia de escala?

    A deseconomia de escala é um processo no qual o custo por unidade produzida cresce acima do aumento de produção. Ou seja, conforme uma organização aumenta a sua produção, os custos se tornam ainda maiores.

    Isso costuma acontecer na sequência de uma economia de escala, onde os custos caem enquanto a produção da empresa aumenta. Esse processo ocorre até um ponto ótimo de eficiência operacional e a partir de então acontece a deseconomia de escala.

    Quando ocorre a deseconomia de escala?

    A deseconomia de escala costuma acontecer após o chamado ponto ótimo de eficiência operacional.

    Ou seja, até esse determinado ponto, a empresa ganha eficiência produtiva, com os custos diminuindo enquanto há um aumento na produção.

    A diminuição desses custos acontece pelo ganho de escala produtiva, enquanto a empresa vai investindo em tecnologia e maquinário. Porém, isso ocorre até um certo limite e a partir de então ela não consegue mais atingir essa eficiência.

    É nesse momento que ocorre a deseconomia de escala. Identificar esse ponto ótimo é um verdadeiro desafio para todas as organizações, uma vez que não há uma fórmula mágica para ele, visto que diversos fatores influenciam todo o processo.

    Qual a diferença entre economia de escala e deseconomia de escala?

    A principal diferença entre o conceito de economia de escala e deseconomia de escala é que no primeiro caso, os custos caem na medida que a produção aumenta, ao passo que no segundo caso os custos sobem na medida em que a produção aumenta.

    A economia de escala costuma acontecer em um primeiro momento, visto que toda empresa possui uma capacidade ociosa que ao ser suprida terá os seus gastos diluídos nos produtos produzidos.

    Uma vez atingida toda a capacidade, os custos podem continuar caindo com investimento em tecnologia. No entanto, após um certo momento, eles não têm mais como cair, e irão fazer o caminho contrário e é nesse momento que acontece a deseconomia de escala.

    Quais são os tipos de deseconomia de escala?

    A deseconomia de escala pode acontecer por fatores externos da macroeconomia, como o aumento no preço da matéria-prima que impactará diretamente o custo dos produtos, ou então, o aumento no combustível que impactará o custo logístico.

    Além disso, uma possível escassez de matéria-prima por conta do fechamento de um fornecedor também pode gerar essa situação. Nesse caso, os fatores estão além do alcance da empresa por isso essa é a chamada deseconomia externa.

    A deseconomia técnica acontece por conta de fatores internos. Um exemplo pode ser o crescimento rápido de uma produção atingindo assim toda sua capacidade e exigindo investimentos em maquinários, contratação de mão-de-obra etc.

    Ou seja, é necessário crescer o custo além do crescimento da produção nesse momento. Também pode acontecer da produção encontrar um gargalo, exigindo a compra de máquinas ou contratação de mão-de-obra para destravar esse gargalo produtivo.

    A deseconomia organizacional é aquela relacionada a dificuldade que uma empresa encontra em manter o crescimento da produção com a sua equipe. Isso pode acontecer por falta de qualificação de mão-de-obra, desmotivação da equipe etc.

    Além disso, falhas na comunicação também podem gerar a deseconomia organizacional. Nesse caso, ela pode ser evitada com aplicações de métodos e softwares que colaborem para uma melhor gestão da produção.

    Foi possível entender o que é deseconomia de escala? Então deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta matéria com seus amigos nas suas redes sociais.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *