URGENTE

Ibovespa sobe 1,4% com agito da agenda econômica externa; Banco Pan (BPAN4) dispara 7%

Ibovespa sobe 1,4% com agito da agenda econômica externa; Banco Pan (BPAN4) dispara 7%
Ibovespa. Foto: Pixabay

Na volta do feriado, o Ibovespa opera em forte alta e supera os índices globais, que não têm direção definida após uma série de dados econômicos na Ásia e Europa. Os investidores digerem informações sobre a inflação nos Estados Unidos, que veio acima do esperado, e como isso pode mudar a política monetária norte-americana.

Por volta das 12h45, o Ibovespa subia 1,47%, aos 113.794 pontos. O dólar também sobe 0,53% e aproxima do patamar de R$ 5,60. A divisa estadunidense registra um avanço de 7% ante o real no acumulado deste ano.

Para hoje também está marcada a divulgação da ata da última reunião do Federal Open Market Committee (Fomc). O mercado sempre acompanha de perto para entender o racional dos formuladores das políticas do BC norte-americano.

No Brasil, o pregão é de vencimento de opções sobre o índice, o que costuma trazer volatilidade para o Ibovespa.

O que mais movimenta o Ibovespa hoje

  • Inflação nos Estados Unidos sustenta patamar acima de 5% em 12 meses;
  • Incorporadoras chinesas na esteira da Evergrande;
  • Minério de ferro tem volatilidade após feriado chinês; empresas balançam.

CPI sobe 0,4% em setembro ante agosto

O Departamento do Trabalho dos Estados Unidos disse, nesta quarta, que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI) avançou 0,4% no mês passado. O número ficou acima da estimativa dos economistas ouvidos pela Reuters, que estimavam um crescimento de 0,3%.

Na base anual, os preços subiram 5,4%, ante projeção de alta de 5,3%.

Já o núcleo dos preços avançou 0,2% na base mensal, em linha com o esperado. Na comparação anual, a alta do núcleo foi de 4%, também em linha com as projeções.

A escassez de mão de obra e o desequilíbrio na cadeia de produção continuam a pressionar os preços. O aumento do custo de energia — ocasionado pela recuperação global da demanda, oferta interrompida e forças geopolíticas — também poderia manter os preços altos.

O tema é sensível para o entendimento do Federal Reserve (Fed) sobre os próximos passos da política monetária, tanto no que diz respeito à taxa de juros como na continuidade dos estímulos monetários.

Evergrande abre caminho para outros possíveis calotes de incorporadoras

Em setembro, a crise imobiliária chinesa foi um dos principais tema dos mercados. A Evergrande, segunda maior incorporadora do país, disse que estava com dificuldades para honrar com US$ 300 bilhões em dívidas. As atenções, agora, são voltadas para outros players do mercado.

Outras três companhias do ramo imobiliário agora podem não pagar títulos e bônus, somando dívidas altíssimas. Uma delas, a Modern Land, informou que atrasará o pagamento de um bond de US$ 250 milhões no fim de outubro.

No acumulado de 2021, as ações da empresa já caíram mais de 40% e escancaram as dúvidas sobre sua sustentabilidade.

Esse é mais um episódio da crise imobiliária na China. O segmento, um dos maiores propulsores para o crescimento econômico do país, passa por uma desaceleração e pode pressionar o crescimento chinês e até agitar o mercado de commodities.

Minério de ferro avança com aço mais caro

Com o encerramneto do feriado prolongado chinês e a retomada dos negócios nos portos do país, o minério de ferro voltou a subir e chegou ao nível de US$ 130 por tonelada, pela primeira vez em mais de 30 dias.

A recuperação dos estoques e melhora das margens nas siderúrgicas, aliadas ao impacto de inundações no fim de semana na China nos preços do carvão e do coque, elevam a cotação da commodity nesta quarta.

“Acreditamos, no entanto, que tendência altista pode se mostrar mais momentânea que conjuntural, sobretudo se a China seguir regulando a indústria siderúrgica do país”, comentou a Ativa Investimentos.

No início de outubro, o governo australiano indicou que os preços do minério podem atingir US$ 150 por tonelada até o fim de 2021, antes de cairem para US$ 93 por tonelada até o fim do ano que vem, de acordo com agências internacionais.

A volatilidade pesa sobre as ações da Vale, que caem 2%, impedindo um melhor desempenho do Ibovespa. As ações da Bradespar, consequentemente, recuam 1,48%.

Maiores altas do Ibovespa

Confira as altas do índice Ibovespa, por volta das 13h20:

Maiores baixas do Ibovespa

No mesmo horário, as baixas do Ibovespa, eram:

Bolsas mundiais

Além do índice Bovespa, confira a cotação dos principais índices mundiais nesta tarde:

Última cotação do Ibovespa

De forma distinta ao Ibovespa hoje, o índice acionário encerrou as negociações na última segunda com uma queda de 0,58%, aos 112.180 pontos.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião