Gian Kojikovski

A crise energética e a migração para a fontes renováveis

As fontes mais limpas e renováveis darão conta da demanda?

O Brasil enfrenta uma crise hídrica e estamos sentindo os problemas no bolso. Desde junho deste ano – início da estação de seca nas principais bacias hidrográficas – a Aneel tem adotado a bandeira tarifária vermelha de nível 2 na cobrança de energia elétrica. As tarifas são sempre elevadas quando as usinas hidrelétricas – principal fonte de energia do país – não conseguem abastecer toda a demanda, e as termelétricas, que possuem um custo mais elevado e são altamente poluentes, precisam ser utilizadas.

Entretanto, a falta de capacidade das usinas de energias renováveis em abastecer toda a demanda energética não é uma particularidade do Brasil. Com a maior adoção das medidas ESG (Environmental, Social and Corporate Governance), países decidiram reduzir a produção de energia a base de combustíveis fósseis no intuito de diminuir a emissão de carbono e agora sofrem com escassez e alto custo de produção.

A China, maior produtora mundial de dióxido de carbono e outros gases poluentes, anunciou na cúpula das Nações Unidas de 2020 que iria reduzir as suas emissões em mais de 65% dos níveis de 2005 até 2030. Uma das medidas tomadas pelo governo Xi Jinping para o cumprimento da meta foi o corte na produção de energia a base de carvão mineral – maior fonte de abastecimento energético do país.

Desde então, a escassez de suprimentos de carvão, o endurecimento dos padrões de emissões e a forte demanda dos fabricantes e da indústria levaram os preços do carvão a patamares recordes e causaram uma grave crise de energia no país. Autoridades têm começado a adotar apagões programados em Pequim e Xangai – as duas cidades mais populosas – e indústrias têm interrompido a produção em suas fábricas, incluindo fornecedoras de companhias americanas como Apple (AAPL34) e Tesla (TSLA34).

Preço do carvão
Preço do carvão

Outro fator que agrava a crise de energia global é o aumento dos preços no mercado de gás natural. Na Europa, onde quase 25% do abastecimento é a gás, a população tem sentido no bolso aumento do custo neste início de inverno, quando a demanda por aquecimento é maior. Os motivos são o baixo estoque de armazenamento de gás; a maior demanda de outras regiões e os altos preços do carbono na União Europeia. Especula-se ainda que a Rússia, principal fornecedora da commodity, estaria reduzindo propositalmente o suprimento para aumentar seu valor.

Apenas este ano, os preços do mercado de gás sofreram alta de 280% na Europa. O problema tem sido tão grave, que legisladores do Parlamento Europeu têm exigido investigações sobre a manipulação de abastecimento vinda da Rússia. O Kremlin rebateu as acusações e ainda afirmou ser tarde demais para medidas urgentes para aumentar as reservas de gás no armazenamento subterrâneo.

Como reflexo, instituições financeiras começam a projetar maior demanda global por petróleo, outra fonte de energia que já começava a ser substituída. O Goldman Sachs projeta o Brent no quarto trimestre de 2021 a US$ 80, patamar não atingido desde outubro de 2018, mas muito próximo dos atuais US$ 79 o barril. Nesta semana, vimos os britânicos correrem aos postos de gasolina e secarem as bombas por receio da escassez do produto no Reino Unido. O mundo migra em massa para energias menos poluentes ou renováveis, mas parece não ter se perguntado ainda se ela dará conta de sua demanda.

 

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Gian Kojikovski
Mais dos Colunistas
Eduardo Cavalheiro Ações no Brasil: o que aconteceu em 2021?

2021 começou tendo a Covid-19 como o maior risco. Felizmente, a vacinação avançou muito rapidamente e este se reduziu drasticamente. No entanto, passamos a viver uma e...

Eduardo Cavalheiro
Alan Gandelman O ano em que o Uber sumiu

E cá está… Estamos chegando ao fim de 2021. O ano em que a economia voltou a funcionar, a pandemia parecia estar controlada (parecia, pois a ômicron vem causando estra...

Alan Gandelman

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!