Acesso Rápido

    XINA11: como funciona o ETF de ações chinesas? Vale a pena?

    XINA11: como funciona o ETF de ações chinesas? Vale a pena?

    Os ETFs são uma alternativa para os investidores que desejam diversificar os investimentos, mitigar o risco da carteira e se expor a diversos setores. Assim, o XINA11 é um das opções de ETFs disponíveis do mercado brasileiro.

    Através do XINA11 é possível se expor ao mercado financeiro chinês, entretanto, antes de se tornar cotista é essencial conhecer as características desse ETF e avaliar se vale a pena investir.

    O que é XINA11?

    O XINA11 é o primeiro ETF nacional que segue o índice MSCI China, principal indicador do mercado financeiro chinês.

    Esse ETF é gerido pela XP Asset Management e sua performance tende a acompanhar o índice MSCI China, composto por mais de 700 empresas de capital aberto na bolsa de valores.

    Por isso, ao investir no XINA11, o investidor brasileiro pode se beneficiar da performance geral das empresas chinesas listadas em bolsa de valores.

    Como funciona o ETF XINA11?

    O XINA11 funciona de forma muito similar ao BOVA11, no Brasil, e ao IVV, principal ETF do mercado financeiro americano.

    Porém, esse ETF acompanha o índice MSCI China, podendo ser uma alternativa para diversificar a carteira de investimento.

    Afinal, a China é a segunda maior economia do mundo, com crescimento médio de 10% ao ano e apresenta grande influencia em diversos países.

    Nesse sentido, o ETF XINA11 é distribuído no Brasil, com gestão da XP Asset Management e apresenta uma taxa de administração de 0,3% ao ano. Vale ressaltar que, ele está disponível para o público em geral e o lote mínimo é de 1 cota.

    Por isso, muitos investidores, inclusive brasileiros, demandam um ativo que, ao menos, reflita a performance média do mercado financeiro chinês.

    Qual é a composição do ETF XINA11?

    O XINA11 é composto por mais de 700 companhias de grande e médio porte listadas em bolsas de valores, levando em consideração a liquidez e o valor de mercado e a performance média do mercado chinês.

    Desse modo, o setor de maior peso no índice MSCI China é o de consumo discricionário, o qual compõe mais de 30% do índice. Em seguida, vem o serviços de telecomunicações e o setor financeiro e de saúde.

    Portanto, as principais companhias que compõem o índice MSCI China são:

    • Tencent Holdings;
    • Alibaba Group;
    • Meituan Diaping.
    • China Construction Bank Corp.
    • Ping An Insurance Group
    • JD.com
    • Baiu
    • Xiaomi Corp.

    Assim como acontece no ETF BOVA11, os ativos de maior peso apresentam maior impacto na performance no fundos de índice. Por exemplo, a Petrobras e Itaú, tem maior influência sobre o resultado do BOVA11, já que esses ativos têm uma maior peso e podem impactar também a performance geral da bolsa.

    Quais são as vantagens do ETF XINA11?

    Para quem está conhecendo o ativo, é interessante conhecer algumas vantagens relacionadas ao investimento no XINA11.

    Diversificação de investimentos

    Uma das principais vantagens de investir em ETF (fundo de índice) é a possibilidade de diversificação, até mesmo em diferentes setores da economia. Além disso, é um investimento simples e disponível a todos os investidores.

    Assim, o XINA11 pode ser uma alternativa para quem deseja aplicar essa estratégia no portfólio e se expor ao mercado da segunda maior economia do mundo, a China.

    Isto é, são mais de 700 empresas que compõe índice MSCI China, inclusive a Alibaba Group, fundada por Jack Ma e responsável por mais de 60% do comércio eletrônico na China.

    Exposição ao mercado Chinês

    Segundo o FMI, em 2030 a China se tornará a maior economia do mundo, por isso investir no XINA11 pode ser uma forma de se expor a esse mercado.

    Portanto, ter parte do patrimônio atrelado a uma das economias que mais crescem pode ser uma vantagem. Entretanto, é fundamental se atentar na liquidez do ativo, na volatilidade e nas taxas cobradas.

    Assim, antes de investir é importante conhecer todas as características do ETF e considerar as vantagens e os riscos.

    Esse artigo te ajudou a compreender o XINA11? Deixe dúvidas e comentários no espaço abaixo.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    7 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • JOAO A BALEM 18 de março de 2021

      Se a bolsa chinesa fecha as 05:00h de Brasília, e as principais ações que compõem o ETF apresentaram variação positiva no pregão, como é formado o preço do ETF original nos USA e o espelhamento no Brasil, através do XINA11? Pergunto, pois, não incomum a bolsa chinesa fechar positivo e o ETF negativo. Será que há outros fatores para formação da cotação no Brasil, como a variação cambial?

      Responder
      • Suno Research 19 de março de 2021

        Olá, João! Tudo certo?
        Sim, a variação cambial também interfere nas cotações. O yuan chinês, assim como o real brasileiro, são balizados pelo dólar. Assim, suas variações em relação à moeda americana podem causar alterações na cotação dos ETFs.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Sandro Vasconcelos 23 de março de 2021

      Quais as desvantagens desse ETF – até o momento, já que ele é pouco negociado e indicado até.!

      Esse ETF na CHINA paga dividendos, por que no BRASIL não paga?

      Responder
      • Suno Research 24 de março de 2021

        Olá, Sandro! Tudo bem?
        As desvantagens são as taxas e o não pagamento de dividendos.
        Os regulamentos dos dois países são diferentes.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Sandro Vasconcelos 23 de março de 2021

      Qual o principal FUNDO “DIRETO” na Bolsa da CHINA, para que as variações cambiais sejam as menos impactantes..?

      Ou seja: é possível eu comprar direto da bolsa CHINESA e como – através de qual CORRETORA – Vocês indicam?

      Levando em conta que o ETF BOVA11 negociamos direto aqui em SP a pergunta leva em consideração a COMPRA direto, como se ocorresse direto na CHINA.

      Responder
      • Suno Research 24 de março de 2021

        Olá, Sandro! Tudo bem?
        O modo mais comum é via ETFs (em corretoras nacionais ou americanas) e ADRs (comprados por meio de corretoras nos EUA). Infelizmente não podemos recomendar corretoras por aqui.
        Para os investidores PF, investir diretamente na China é um dos modos mais difíceis de se expor a esse país. Algumas corretoras possuem essa funcionalidade. Tenha ciência de que a tributação será de acordo com a legislação chinesa.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • Raul 23 de julho de 2021

      O dólar ultimamente está estável, o índice msci subiu no último mês. Porque a cotação do xina11 está caindo?

      Responder