Acesso Rápido

    Dívida fiscal: como consultar, negociar e regularizar essa situação?

    Dívida fiscal: como consultar, negociar e regularizar essa situação?
    divida-fiscal

    Devido alta e complexa carga tributária do país, ter uma dívida fiscal não é uma situação incomum. Na verdade, esse é um problema para boa parte das pessoas e empresas — que pelos mais diversos motivos, não conseguem manter suas obrigações com o governo em dia.

    Por isso, quem não possui um controle rígido da suas finanças pode estar prestes a cair nesse problema. Atrasar o pagamento de tributos e  ao governo pode resultar na criação de uma dívida fiscal que, com tempo, pode se tornar uma grande dor cabeça para o devedor.

    O que é dívida fiscal?

    A dívida fiscal é o débito originado ao atrasar o pagamento de impostos, taxas e tributos. Ou seja, ao deixar de pagar essas obrigações, o contribuinte passa a ficar em dívida com o governo — o que pode causar a cobrança de juros, multas e encargos pelo atraso.

    Esse tipo de dívida é derivada essencialmente do crédito tributário inscrito na repartição competente. Isso ocorre quando todos os prazos definidos para o pagamento da mesma já tenham expirado.

    Como uma das provas da dívida do contribuinte (sujeito passivo da obrigação tributária), o Estado (sujeito ativo) detém a certidão da inscrição da dívida fiscal deste.

    O que é dívida fiscal líquida?

    A dívida fiscal líquida (DFL) corresponde à diferença entre a dívida líquida do setor público (DLSP) e os ajustes patrimoniais.

    Convém não esperar que as parcelas dessas dívidas atrasem, tornando-se sujeitas a juros e multas, mas negociá-las ou renegociá-las com os órgãos competentes.

    Como consultar a dívida fiscal?

    divida fiscalPode-se realizar a consulta de dívidas ativas fiscais de duas formas:

    1. Entrando-se em contato com o Ministério ou a Secretaria da Fazenda da região do contribuinte;
    2. Através da Internet, no site da entidade municipal, estadual ou federal onde o contribuinte está em débito.

    Mas, geralmente, antes de ser feita a consulta da dívida fiscal, o órgão responsável entra em contato com o contribuinte. Nesses casos, o próprio órgão enviando uma intimação de pagamento da dívida através de boletos, com o valor acrescido de juros e multa.

    O que a dívida fiscal pode causar ao contribuinte?

    O não pagamento de dívidas fiscais pode acarretar:

    • Juros, encargos e multas;
    • Nome sujo (restrito);
    • Restrições de crédito;
    • Execução fiscal.

    Porém, enfatizar que o atraso do pagamento da dívida para o sistema tributário nacional não é, exatamente, crime.

    Mas caso o contribuinte não efetue o pagamento determinado judicialmente, no prazo estipulado, um juiz pode decretar a sua execução fiscal. Entre outras coisas, essa medida determina o bloqueio do valor da dívida na conta corrente. Além disso, também pode ser a penhora de um bem do devedor, como forma de garantir o pagamento.

    Como negociar a dívida fiscal?

    Recentemente, o governo brasileiro ampliou as possibilidades de negociação da dívida fiscal.

    No entanto, a negociação começa com o contribuinte ajustando as próprias finanças, averiguando o quanto ganha e quanto pode pagar em cada parcela mensal. O ideal é que essas parcelas não ultrapassem 15% de sua renda.

    Ao negociar a dívida, atente para os juros da quitação estendida e o desempenho de suas finanças: negociar esta dívida significa uma promessa de pagamento.

    Porém, ao perceber que não vai conseguir quitar as parcelas acordadas, o contribuinte pedir a renegociação da dívida fiscal.

    Quando o contribuinte quitar sua dívida, pode fazer um requerimento solicitando ao órgão competente uma certidão negativa de débitos fiscais, que apresenta a quitação dos créditos tributários.

    Quando ocorre prescrição da dívida fiscal?

    Em alguns casos, a dívida fiscal pode prescrever após um determinado período. Porém, a prescrição da dívida fiscal varia muito dependendo da natureza do débito.

    Se for IPTU (dívida ativa municipal), por exemplo, geralmente o débito prescreve após 5 anos. Entretanto, isso ocorre apenas se o devedor não for citado.

    Mas de geral, a prescrição ocorre quando o governo não cobra efetivamente a dívida. Mesmo tendo constatado a inadimplência do contribuinte. Ou seja, se o comunicado do pagamento foi enviado, mas o contribuinte não quitou a dívida e entrou para o cadastro de dívida ativa.

    Uma vez o contribuinte constando no cadastro de dívida ativa, o governo pode cobrar ou executar sua dívida no prazo máximo de 5 anos. Então ocorre a prescrição e a cobrança não pode mais ser feita, porém a dívida ativa não caduca, uma vez que a dívida não foi constituída ou emitida em sua decadência.

    Agora que você já sabe como quitar a dívida fiscal, que tal se planejar para nunca mais entrar nessa armadilha? Se você é investidor, aprenda evitar problemas com o Fisco conferindo o nosso ebook gratuito Guia do Imposto de Renda para Investidores. Baixe agora e confira nossas dicas exclusivas sobre como declarar suas aplicações e rendimentos da forma mais descomplicada possível.

     

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *