Radar: lucro de Bradesco (BBDC4) cai 35,8% no 2T23, ações de Tupperware (TUP) saltam quase 800% e Petrobras (PETR4) vai pagar dividendos bilionários

Tupperware (NYSE: TUP), marca de potes plásticos que conquistou o mercado internacional desde 1946, viu as suas ações na bolsa de Nova York crescerem 800% nas últimas semanas. O movimento, entretanto, é contraditório à situação de falência que a companhia enfrenta atualmente.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Apenas nas últimas duas semanas, as ações da Tupperware listadas na New York Stock Exchange (NYSE) tiveram uma alta exponencial de 768%, com investidores comprando cada vez mais papéis e movimentado as negociações da companhia.

Assim como a Gilette Bombril, a marca é um destaque entre as que conseguiram atingir o público a ponto de fazer seu nome virar substantivo para o produto.

Além de Tupperware, confira outros destaques desta quinta-feira:

Lucro do Bradesco (BBDC4) tem queda anual de 35,8% e fica em R$ 4,518 bi no 2T23

  • Bradesco (BBDC4) fechou o segundo trimestre deste ano (2T23) com lucro líquido recorrente de R$ 4,518 bilhões, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira (3). Esse resultado é 35,8% menor que o do mesmo período do ano passado e 5,6% acima do registrado no primeiro trimestre deste ano.
  • No primeiro semestre de 2023, o lucro recorrente do Bradesco foi de R$ 8,798 bilhões, 36,1% menor que o do mesmo intervalo do ano passado. Entre os dois períodos, o Bradesco disse que observou um crescimento da inadimplência e das provisões, o que reduziu o resultado.
  • Com mais de 100 milhões de clientes, de acordo com os dados mais recentes do Banco Central, o Bradesco tem maior exposição que outros grandes bancos privados à baixa renda, que tem sofrido mais com o aumento dos juros e com a inflação. Com o aumento da inadimplência, o banco redirecionou esforços para empréstimos de menor risco a partir do segundo semestre do ano passado.
  • “Reposicionamos nossa política de concessão de crédito para modalidades de menor risco, o que já vem trazendo uma melhora significativa na inadimplência das novas safras para patamares inferiores aos observados atualmente, com 95% das novas operações classificadas no rating AA-C de maior qualidade”, afirma o banco no informe de resultados.
  • carteira de crédito do Bradesco encerrou o trimestre em R$ 868,687 bilhões, alta de 1,6% em um ano, mas uma baixa de 1,2% em relação ao trimestre encerrado em março. Foi puxada por operações destinadas a pessoas físicas, que subiram 5,7%, enquanto os empréstimos a empresas caíram 1,2%, ambos no comparativo anual.
  • Como resultado do crescimento mais tímido e das concessões mais conservadoras, a margem do banco com clientes, que reflete o ganho em operações de crédito do Bradesco, por exemplo, teve baixa de 1,7% no comparativo anual, para R$ 16,652 bilhões, e de 1,8% em um trimestre.

Petrobras (PETR4): lucro recua 47% no 2T23, para R$ 28,7 bilhões, com queda do preço do petróleo e de exportações

  • Petrobras (PETR4) registrou um lucro líquido de R$ 28,782 bilhões no segundo trimestre de 2023, valor que representa uma retração de 47% na comparação com o mesmo período de 2022, influenciada especialmente pela redução média de 4% nos preços do petróleo Brent e de 40% nos crack spreads internacionais de diesel, além da menor receita com exportações.
  • Em base ajustada, o lucro líquido da Petrobras sofreu uma queda de 35,9% no mesmo intervalo de tempo, somando R$ 28,789 bilhões. Como explicação, o crack spread refere-se à diferença geral de preços entre um barril de petróleo bruto e os produtos petrolíferos refinados a partir dele.
  • Também afetaram os resultados da Petrobras as maiores despesas operacionais, com destaque para despesas com impairment (R$ 1,9 bilhão) e tributárias (R$ 600 milhões).
  • receita líquida da Petrobras totalizou R$ 113,84 bilhões no segundo trimestre, uma desvalorização de 33,4% ante o mesmo período de 2022 e uma queda de 18,1% ante o primeiro trimestre deste ano.
  • O Fluxo de Caixa Livre (FCL) atingiu R$ 33,3 bilhões.
  • A companhia deu diversas explicações para a queda na receita. A primeira foi que as vendas no mercado interno caíram 13% no período em decorrência da redução média de 17% nos preços dos derivados, acompanhando a queda de preços internacionais.
  • O preço do petróleo no período recuou de US$ 113,78 por barril no segundo trimestre de 2022 para US$ 78,39 por barril no segundo trimestre deste ano.
  • Este efeito foi parcialmente compensado por maiores volumes, com destaque para a maior competitividade da gasolina frente às principais alternativas de suprimento dos clientes.
  • “A redução das receitas de gás natural deveu-se principalmente a menores preços, como consequência de reajustes contratuais com as distribuidoras a partir de maio de 2023. Houve uma queda de 37% nas receitas de exportações em comparação ao primeiro trimestre, explicadas principalmente pela redução de 50% nas receitas de exportação de petróleo”, diz o relatório.
  • Além disso, contribuiu para a queda de receita a desvalorização do Brent entre os períodos.
  • No segundo trimestre, o custo dos produtos vendidos reduziu 15% em relação ao primeiro, refletindo a diminuição nos custos das importações de petróleo e derivados, devido aos preços mais baixos e menores volumes de importação de petróleo.

Petrobras (PETR4) anuncia pagamento de dividendos de R$ 15 bilhões; confira o valor por ação

  • conselho de administração da Petrobras (PETR4) aprovou o pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP), no montante de aproximadamente R$ 15 bilhões, ou R$ 1,149304 por ação, tanto para as ordinárias quanto para as preferenciais.
  • Os proventos da Petrobras serão distribuídos em duas parcelas iguais de R$ 0,574652 por ação, durante os meses de novembro e dezembro deste ano, e a quantia inclui dividendos e JCP.
  • Enquanto a segunda parcela é composta totalmente por dividendos, a primeira parcela conta com R$ 0,209176 por ação em dividendos e R$ 0,365476 por ação em JCP.
  • A primeira parcela dos proventos será paga em 21 de novembro, enquanto o segundo pagamento ocorrerá em 15 de dezembro.
  • Quem tiver ADRs da Petrobras até a data de corte vai receber os valores a partir de 30 de novembro de 2023 (primeira parcela) e 22 de dezembro de 2023 (segunda parcela).
  • Os JCP e dividendos da Petrobras vêm como antecipação à remuneração aos acionistas referente ao exercício de 2023, baseado no balanço de 30 de junho de 2023.
  • A data de corte para os proventos da Petrobras vai ser em 21 de agosto de 2023, no caso dos detentores de ações da empresa negociadas na B3. A “record date” será em 23 de agosto para os que possuírem ADRs negociadas na Bolsa de Nova York.
  • Sendo assim, as ações da Petrobras passarão a ser negociadas como “ex-direitos” na B3 e na Bolsa de Nova York a partir do dia 22 de agosto.

Lojas Renner (LREN3) lucra R$ 230 mi no 2T23, recuo de 36% na comparação anual

  • Lojas Renner (LREN3) apurou lucro líquido de R$ 230 milhões no segundo trimestre de 2023. O resultado foi 36% menor do que o visto no mesmo período de 2023. Segundo a companhia, a queda se deu em razão da “menor geração operacional dos segmentos de varejo e serviços financeiros”.
  • A companhia cita ainda a menor alíquota efetiva de IRCS, em função do reconhecimento de incentivos fiscais como subvenção para investimentos.
  • Ebitda Ajustado Total da Lojas Renner (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em R$ 482 milhões, com queda de 31% sobre o apresentado um ano antes. A companhia afirma no release de resultados da Lojas Renner que esse declínio se deu, também, essencialmente em função do menor desempenho dos segmentos de varejo e serviços financeiros.
  • A empresa diz que observou durante o trimestre, especialmente nos meses de abril e maio, um cenário mais desafiador de vendas. “Sobre o evento de Mães, foi alinhado à dinâmica geral do trimestre e com clientes buscando produtos com menores tíquetes e comprando menos itens por sacolas. O mês de junho, por sua vez, apresentou desempenho superior, com crescimento de peças ante o ano anterior”, escreve a gestão.
  • receita líquida de varejo da Renner foi de cerca de R$ 3 bilhões, com queda de 6% sobre o apresentado no segundo trimestre de 2022. “O contexto macroeconômico ainda desafiador, com inflação acumulada, juros elevados e inadimplência pressionada, seguiu afetando o poder de compra e comportamento dos clientes. Esse impacto foi mais pronunciado nas lojas de perfil popular, que estão expostas a consumidores mais sensíveis a preço”, explica a empresa.
  • A Renner argumenta, porém, que a forte base de comparação do mesmo período do ano passado também influencia a queda. Há um ano, houve crescimento expressivo dos volumes de vendas, com alta de 40,6% ante o ano anterior, devido à combinação de demanda reprimida pós-pandemia e condições climáticas favoráveis para a venda da coleção de inverno, “cuja dinâmica foi diferente neste ano”, diz a varejista.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Fleury (FLRY3): lucro sobe 66,9% e chega a R$ 117,7 milhões no 2T23

  • No segundo trimestre de 2023, o Fleury (FLRY3) alcançou um lucro líquido de R$ 117,7 milhões, o que representa um aumento de 66,9% em relação ao mesmo período de 2022. A empresa informou que a margem líquida foi de 7,1%, apresentando um crescimento de 75 pontos-base na comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com o resultado financeiro divulgado nesta quinta-feira (3).
  • Ebitda do Fleury (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 429,1 milhões entre abril e junho, avanço de 44% sobre o segundo trimestre do ano passado. A margem Ebitda foi de 25,9%, queda de 95 bps na comparação anual.
  • “Esse resultado é decorrente da disciplina no controle de custos e despesas e do novo mix de negócios resultante da combinação de Grupo Fleury e Pardini, assim como despesas pontuais de R$ 65,5 milhões relacionadas principalmente ao one-time-cost de aquisição e processo de integração”, afirma a CEO Jeane Tsutsui, nos comentários do documento.
  • receita líquida do Fleury teve um aumento de 49,3% no período frente a um ano antes, chegando a R$ 1,659 bilhão. Já o resultado financeiro representou uma despesa de R$ 99,5 milhões, com crescimento de 6% em relação ao mesmo período do ano anterior.
  • dívida líquida do Fleury atingiu R$ 2,183 bilhões ao fim de junho, um aumento de 49,5% em relação ao fim de março e de 3,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. A alavancagem foi 1,3x ao final do trimestre, 0,1x acima do indicador do trimestre anterior e 0,5x abaixo do mesmo indicador ao final do mesmo período do ano passado.
  • O segundo trimestre de 2023 marca o início da divulgação dos resultados do Grupo Fleury após a combinação de negócios entre a empresa e o Instituto Hermes Pardini, ocorrida em 28 de abril.

Taesa (TAEE11): analistas apontam o que pode ameaçar o futuro dos dividendos da empresa

  • Taesa (TAEE11) reportou lucro líquido de R$ 220,4 milhões no segundo trimestre de 2023 (2T23), redução de 60,9%, pelo critério contábil IFRS. Para os analistas do Itaú BBA, os resultados da empresa estiveram em linha com as expectativas. Sobre os dividendos, o banco projeta uma menor quantia distribuída nos próximos anos.
  • “É importante destacar que esperamos dividendos mais brandos para 2023 em comparação com os anos anteriores, dado o impacto negativo do Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) nos resultados do IFRS”, projeta o Itaú BBA.
  • Sobre os resultados operacionais do 2T23, a equipe do BBA afirma que a receita líquida regulatória reportada esteve dentro das estimativas, totalizando R$ 633 milhões, ultrapassando os R$ 560 milhões no segundo trimestre de 2022.
  • O crescimento, segundo o banco, foi impulsionado pela entrada em operação da linha de transmissão de Sant’Ana e a operação parcial da linha de Saíra. Além disso, as receitas anuais permitidas (RAPs) foram atualizadas com base nas taxas de inflação, com um aumento de 10,7% usando o IGPM e 11,7% usando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
  • “Isso é importante tendo em mente que o ajuste de receita do próximo ciclo afetará negativamente o 3T23 devido ao IGPM negativo, e assim os dividendos”, apontam analistas.

Petrobras (PETR4) sobe antes do balanço do 2T23, em dia de alta do petróleo

  • Petrobras (PETR4) fechou em alta nesta quinta (3), dia em que a estatal divulga os resultados dos segundo trimestre de 2023. O avanço da Petrobras ajuda limitar a baixa do Ibovespa em sessão marcada pela cautela de investidores um dia após a decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom).
  • As ações preferenciais PETR4 subiram 1,28%, cotadas a R$ 30,92, enquanto as ordinárias PETR3 ganham 1,42%, a R$ 34,32.
  • Os papéis ampliaram a alta com o avanço do prelo do petróleo nesta quinta.
  • O petróleo fechou em alta de 2% nesta sessão, com a perspectiva de cortes na produção da Arábia Saudita e da Rússia, o que fortalece a expectativa por restrição da oferta.
  • Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para setembro fechou em alta de 2,59% (US$ 2,06), a US$ 81,55 o barril, enquanto o Brent para outubro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), registrou ganho de 2,33% (US$ 1,94), a US$ 85,14 o barril.
  • A Arábia Saudita vai estender o corte voluntário de 1 milhão de barris por dia (bpd) por pelo menos mais um mês, com possibilidade de prolongamento do prazo ou de ampliação do volume, segundo notícia da imprensa estatal saudita. Já a Rússia deverá cortar exportações em 300 mil bpd em setembro, reportou a Alarabiya citando o vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak.
  • “A questão-chave para o preço do Brent era se a Arábia Saudita e a Rússia aumentariam a produção ou estenderiam seus cortes unilaterais até setembro. Eles responderam isso hoje”, comentou Rick Joswick, da S&P Global Commodity Insights.
  • Também esteve no radar a notícia da Associated Press de que os Estados Unidos estão considerando colocar tropas armadas em embarcações comerciais que navegam pelo Estreito de Ormuz. O objetivo seria tentar inibir as supostas apreensões de navios petroleiros pelo Irã.
  • Presidente da Navellier, Louis Navellier citou ainda novos problemas técnicos enfrentados pela estatal mexicana Pemex, ao comentar os drivers influenciando a alta da cotação da commodity. Um terminal de exportação de petróleo foi fechado nessa semana por causa de um vazamento de petróleo, de acordo com a Bloomberg.
  • “A Pemex vem enfrentando uma série de desafios operacionais, incluindo o recente fechamento de seu terminal Salina Cruz no mês passado e uma explosão em uma plataforma de gás da empresa que resultou em duas mortes”, afirma Navellier.

Nem o Copom salvou: por que Via (VIIA3) e Magazine Luiza (MGLU3) fecharam em forte queda no Ibovespa?

  • As ações de Via (VIIA3) e Magazine Luiza (MGLU3) fecharam em forte queda nesta quinta-feira (3) no Ibovespa, enquanto empresas do ramo da construção subiram, impulsionadas pela decisão não unânime do Comitê de Política Monetária (Copom) de cortar a taxa Selic pela primeira vez em três anos.
  • No fechamento, os papéis da Via recuaram 8,65%, cotados a R$ 1,94, liderando quedas no Ibovespa. Os ativos do Magazine Luiza, que operavam em alta até o início da tarde, passaram a cair e encerraram a sessão caindo 5,1%, a R$ 3,16, também entre as maiores baixas do Ibovespa. As ações ordinárias de Lojas Renner (LREN3) tiveram perdas de 2,37%, a R$ 18,39, e as da Petz (PETZ3) também figuraram no negativo: 4,06%, cotadas a R$ 6,85.
  • “As varejistas são empresas que se alavancam para conseguir abrir mais lojas, comprar mais produtos, vender mais, e aí tem uma margem bem pequena. Temos um papel ‘queridinho’ da bolsa, que é o de Magazine Luiza. A redução da taxa de juros pode ser benéfica para o papel, mas o que a gente precisa ver agora é a renegociação das dívidas para saber se aí si, conseguimos melhorar margem e conseguir entregar números melhores”, diz Gustavo Gomes, especialista de renda variável e sócio da Acqua Vero.
  • No último dia 10 de julho analistas do Santander aumentaram o otimismo com as ações do Magazine Luiza (MGLU3), mas mantiveram a recomendação neutra para os papéis. A varejista divulga os resultados do 2T23 no próximo dia 14 de agosto.
  • “O início favorável do Magazine Luiza em 2023 mostra o enfraquecimento da competição entre online e offline, preparando o terreno para um ano de recuperação, em nossa opinião”, diz a casa.
  • A projeção é de que o acumulado do ano de 2023 mostre um prejuízo líquido do Magazine Luiza maior do que o acumulado de 2022, de R$ 476 milhões ante R$ 372 milhões do ano anterior.
  • Além disso, a ausência de um valuation atrativo no momento deixa o Santander ‘de fora da tese’.
  • “Sob nossas estimativas atualizadas, vemos MGLU3 negociando com um valuation ‘exigente’, de preço sobre lucro estimado para 2025 de 21 vezes, mantendo nossa recomendação Neutra”, diz a casa.
  • O preço-alvo do Santander é de R$ 4,30 por ação do Magalu, ao passo que os papéis são negociados a cerca de R$ 3.
  • “Ao nosso ver, o mercado já precificou a melhoria da dinâmica competitiva. A próxima etapa pode ser desencadeada por uma recuperação operacional que ainda não se concretizou, e assim preferimos esperar por um ponto de entrada melhor para equilibrar o risco de oportunidade”, concluem os especialistas.

PRIO (PRIO3) supera expectativas com resultado do 2T23; ações disparam

  • PRIO (PRIO3), antiga PetroRio, apresentou um desempenho financeiro acima do esperado pelo mercado, superando estimativas de analistas no lucro líquido e na receita, impulsionados pelo crescimento da produção e das vendas da companhia. Com os números, os papéis da empresa fecharam em alta de 4,22% no Ibovespa, ficando dentre as maiores altas do índice.
  • De acordo com o relatório divulgado pela PRIO nesta quarta (2), o lucro líquido recorrente atingiu US$ 184,6 milhões, um crescimento de 32% em relação ao mesmo período do ano anterior.
  • Considerando a norma IFRS 16, o crescimento foi de 25%, totalizando US$ 176,7 milhões.
  • margem EBITDA ajustada também registrou uma elevação de 3 pontos percentuais, chegando a 74%.
  • receita total da PRIO apresentou um salto expressivo de 41% em comparação ao mesmo trimestre do ano passado, totalizando US$ 532,5 milhões. Esse crescimento foi impulsionado pelo aumento dos níveis de produção (+174%) e vendas (+114%) da empresa.
  • O custo de extração (lifting cost) por barril de petróleo teve uma significativa redução, caindo de US$ 11,1 no 2T22 para US$ 7,40 no 2T23.
  • No entanto, o resultado financeiro líquido da PRIO foi negativo em US$ 63,1 milhões no segundo trimestre de 2023, apresentando uma elevação de 77% em relação às perdas financeiras da mesma etapa de 2022.
  • dívida líquida da companhia registrou um recuo de 8% em comparação com a mesma etapa de 2022, totalizando US$ 1,512 bilhão. O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/EBITDA ajustado, ficou em 1,1 vez em junho de 2023, um aumento de 1,3 ponto percentual em relação ao mesmo período de 2022.

Da Tupperware à Lojas Renner, essas foram as empresas que se destacaram hoje. Para ler todas as matérias clique aqui.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Vanessa Loiola

Compartilhe sua opinião