Petrobras (PETR4) perde valor de mercado após propor mudanças no estatuto

As ações da Petrobras (PETR4) registraram forte queda no fechamento desta segunda-feira (23), após a divulgação da informação de que o conselho da estatal aprovou uma proposta de mudança em seu estatuto social, que foi mal recebida e classificada pelo mercado como “um passo atrás”. A companhia também perdeu mais de R$ 20 bilhões em valor de mercado após a notícia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

As ações preferenciais da Petrobras (PETR4) fecharam com quedas de 6,61%, enquanto as ações ordinárias (PETR3) caíram 6,03%. O Ibovespa fechou com uma queda de 0,33%, aos 12.784,52 pontos.

Cotação PETR4

Gráfico gerado em: 24/10/2023
1 Dia

O valor de mercado da Petrobras, que tinha alcançado um recorde de R$ 525,099 bilhões na semana passada, caiu após a notícia. Assim, a estatal voltou a valer menos do que R$ 500 bilhões pela primeira vez em uma semana.

Por maioria, o conselho de administração da Petrobras aprovou o encaminhamento da proposta de revisão do seu estatuto social à Assembleia-Geral Extraordinária (AGE) – que deve acontecer até o início de dezembro, segundo o diretor de governança e relação com investidores da Petrobras, Mario Spinelli, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

O objetivo da revisão do estatuto da Petrobras é criar uma reserva de remuneração do capital, visando “assegurar recursos para o pagamento de dividendos, juros sobre o capital próprio, suas antecipações, recompras de ações autorizadas por lei, absorção de prejuízos e, como finalidade remanescente, incorporação ao capital social”.

Alta administração

Mesmo após a decisão, a política de remuneração aos acionistas das Petrobras permanece inalterada, disse a empresa. A proposta, contudo, reforçou a incerteza sobre dividendos extraordinários e os receios com relação a uma potencial interferência política na companhia.

O conselho da Petrobras também aprovou uma revisão da política de indicação de membros da alta administração e do conselho fiscal, para “excluir vedações para a indicação de administradores previstas na Lei n.º 13.303/2016”.

Para o analista Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos, as mudanças, que foram anunciadas antes da abertura do mercado, representam “um passo atrás”. “A governança deveria estar passos à frente por conta do seu histórico, e não dar passos para trás. Do ponto de vista de dividendos, possivelmente a criação de reserva vai mexer com os dividendos extraordinários”, disse.

Na avaliação do Citi, a nova reserva de remuneração de capital da Petrobras pode dar mais flexibilidade à empresa para pagar ou não futuros dividendos extraordinários. “Adicionalmente, no que diz respeito à governança corporativa, consideramos negativa a mudança na política de nomeação da alta administração e do conselho fiscal”, disse o analista Gabriel Barra.

Apesar da dura reação do mercado às propostas do conselho da Petrobras, Spinelli garantiu que a companhia vai continuar seguindo a Lei das Estatais e que não haverá redução de exigências para a contratação de administradores. “A alteração vai trazer o estatuto para a atualização, qualquer que seja a decisão do Judiciário (sobre a Lei das Estatais)”, disse.

Governança vai ficar mais exposta, dizem analistas

Apesar das explicações da Petrobras, a flexibilização da indicação de administradores para a companhia foi considerada pelos analistas como um ponto grave das mudanças propostas pelo conselho. “Me parece que você fica mais exposto na governança e a companhia nesse ponto vai no caminho contrário ao que deveria ir”, disse Ilan Arbetman, analista da Ativa.

O Goldman Sachs disse acreditar que, além de poder impactar o pagamento de dividendo extraordinário, a revisão do estatuto pode abrir espaço para a nomeação de indivíduos mais expostos politicamente a cargos de gestão. Segundo o banco americano, a mudança deixou claro que, para nomeação a cargos de administração, a Petrobras vai considerar apenas conflitos de interesse expressamente previstos em lei.

O Goldman manteve a recomendação de ‘compra’ para as ações de Petrobras, com preço-alvo a R$ 46,60 para os papéis ordinários e R$ 42,40 para os papéis preferenciais.

Arbetman chamou a atenção para a dificuldade que a empresa pode ter mais à frente para reter talentos. E que, embora mostre que está preocupada com sua reputação, não está alinhada com as demais companhias de mercado. “No futuro pode dificultar a retenção de talentos em altos cargos de gestão”.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop.jpg

Petrobras (PETR4): novos preços da gasolina e do diesel estão valendo desde o último sábado (21)

Desde o último sábado (21), o preço médio dos combustíveis vendidos para as distribuidoras passou a ser de R$ 2,81 por litro, uma redução de R$ 0,12 por litro. Como existe uma mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro na composição da gasolina comercializada aos postos, a parcela da Petrobras (PETR4) vai ser, em média, de R$ 2,05 a cada litro vendido na bomba.

preço médio de venda do diesel para as distribuidoras passou a ser de R$ 4,05 por litro, um aumento de R$ 0,25 por litro. Como é obrigatória a mistura de 88% de diesel A e 12% de biodiesel para a composição do diesel vendido aos postos, a parcela da Petrobras vai ser, em média, de R$ 3,56 a cada litro vendido na bomba. 

Na variação acumulada no ano dos preços de venda da gasolina A e do diesel A para as distribuidoras, há uma redução de R$ 0,27 por litro de gasolina e de R$ 0,44 por litro de diesel. 

“A estratégia comercial que adotamos na Petrobras nesta gestão tem se mostrado bem-sucedida, sobretudo no sentido de tornar a empresa competitiva no mercado e evitar o repasse de volatilidade para o consumidor. Prova disto é que ao longo deste ano, mesmo com o valor do petróleo tipo brent mais alto que no ano passado, os preços dos nossos produtos acumulam quedas, muito diferente do que aconteceu ao longo de 2022”, disse o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates. 

A Petrobras informa que os preços na gasolina e no diesel podem ser explicados por movimentos distintos no mercado e na estratégia comercial da estatal. No caso da gasolina, há o fim do período de maior demanda global, com maior disponibilidade e desvalorização do produto frente ao petróleo.

No caso do diesel, a demanda global se mantém, com expectativa de alta sazonal, o que faz o produto ter maior valorização frente ao petróleo.

Petrobras também reforçou que procura evitar o repasse da volatilidade do mercado internacional e da taxa de câmbio para a sociedade brasileira, mas que também preserva um ambiente competitivo nos termos da legislação vigente. 

Com informações de Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião