Proventos bilionários

Gerdau (GGBR4) triplica lucro no 4T21 para R$ 3,5 bilhões

Gerdau (GGBR4) triplica lucro no 4T21 para R$ 3,5 bilhões
Gerdau teve melhora no Ebitda e nas margens no 1T22 - Foto: Divulgação

A Gerdau (GGBR4) teve um lucro de R$ 3,52 bilhões no 4T21, segundo resultado financeiro publicado na manhã desta quarta-feira (23) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Ou seja, segundo o resultado da Gerdau, foi uma alta de 241% no lucro líquido no comparativo com o 4T20. Em relação ao trimestre anterior, o 3T21, foi uma retração de 36%.

No acumulado de 2021, o balanço da Gerdau demonstra um lucro de R$ 15,55 bilhões, mais do que sextuplicando o resultado de R$ 2,3 bilhões do acumulado de 2020.

“A variação do resultado financeiro do 4T21 em relação ao 4T20, ajustado pelos itens não recorrentes, ocorreu devido à menor variação cambial que favoreceu as dívidas da Companhia em moeda estrangeira. Em relação ao 3T21, a despesa financeira foi impactada pela operação de recompra dos Bonds, cujo objetivo foi reduzir a exposição da dívida em moeda estrangeira”, diz a administração da companhia.

Resultado consolidado da Gerdau
Resultado consolidado da Gerdau

O Ebitda da companhia foi de R$ 5,2 bilhões no 4T21, ante R$ 3,23 bilhões no 4T20, um crescimento de 61%.

No mesmo sentido a margem Ebitda da companhia teve uma elevação, com alta de 5,4 pontos, saindo de 22,3% no 4T20 para 27,7% no 4T21. No acumulado de 2021 a margem foi de 29,6%.

Desta forma, tanto o EBITDA ajustado quanto a margem EBITDA ajustada do 4T21 foram recordes históricos para o período.

“Estes resultados refletem o estágio atual de demanda no setor de aço em todos os países nos quais a Companhia atua, somado à capacidade das equipes de capturarem as oportunidades de mercado”, diz o release da empresa.

Vale lembrar que a cotação do minério saiu de US$ 130 para US$ 113 durante o 4T21, vindo de um topo em níveis historicamente altos, em US$ 212 ao fim de julho.

A receita líquida foi de R$ 21,55 bilhões no 4T21, com alta de 58% em relação a igual período do ano anterior. Em 2021, forma R$ 78,34 bilhões de receita gerada.

As despesas com vendas, gerais e administrativas, quando analisadas como percentual sobre a receita líquida, atingiram 3,0% no 4T21 frente a 3,6% no 4T20.

No fim de 2021, 13% da dívida bruta da Companhia era de curto prazo enquanto 87% estava alocada no longo prazo com uma exposição denominada em dólares norte-americanos em 78% e uma exposição consolidada denominada em reais de 21% do total da dívida bruta e uma exposição consolidada denominada em outras moedas de 1% do total da dívida bruta.

“A redução do nível do indicador dívida líquida/EBITDA de 0,33x, em 30 de setembro de 2021, para 0,27x, em 31 de dezembro de 2021, foi resultado do forte EBITDA gerado no 4T21 e as ações de redução de alavancagem realizadas pela companhia dentro do trimestre”, consta no resultado trimestral da Gerdau.

Geração de receita da Gerdau por região
Ebitda e margem da Gerdau por região

 

Produção da Gerdau

No 4T21, a produção de aço bruto e o volume vendido nas principais operações de negócio da Companhia apresentaram leve queda em relação ao 4T20 e 3T21.

Já o nível de utilização da capacidade de produção em 74% reflete, segundo a Gerdau, a sazonalidade esperada para o trimestre, principalmente no mercado interno, além das tradicionais paradas programadas de manutenção em algumas unidades da Companhia, típicas desta época do ano.

Investimento bilionário em 2022

Em conjunto com o resultado financeiro, a companhia publicou um documento relativo a um plano de investimentos.

O plano envolve R$ 4,5 bilhões para o ano de 2022, que inclui um montante postergado do plano de investimento do ano de 2021. Segundo a companhia, o plano está dividido nos eixos de Manutenção e de Expansão e Atualização Tecnológica.

Enquanto os projetos de Manutenção estão associados ao conceito de reinvestimento da depreciação ao longo dos anos, com o objetivo de manter o desempenho operacional das plantas, os projetos de Expansão e Atualização Tecnológica estão relacionados ao crescimento de produção.

Com isso, a Gerdau deve ver um aumento de rentabilidade e modernização das plantas, tomando como prioridade o aprimoramento das práticas ESG (do inglês, environmental, social and governance) e o desenvolvimento sustentável.

“Do total previsto para o ano de 2022, os investimentos que retornam benefícios ambientais superam R$ 800 milhões, um valor 33% maior que o desembolso de 2021. Estes investimentos contemplam expansão de ativos florestais, atualização e aprimoramento de controles ambientais, incrementos tecnológicos que resultam em eficiência energética e redução de emissões de gases do efeito estufa”, diz a empresa.

Novos dividendos

No balanço, a empresa também anunciou um novo pagamento de dividendos, aprovados na terça (22). Será pago um montante de $ 108,1 milhões para quem detém ações da Gerdau.

Só receberão os proventos os acionistas que detiverem as ações GGBR4 até o fim do pregão do dia 7 de março, sendo que no dia 8 os papéis serão negociados ex-dividendos.

A data do pagamento será em 17 de março de 2022, sendo de R$ 0,10 por ação.

Segundo o resultado do 4T21, no ano, a empresa alcançou um novo recorde, com R$ 2,5 bilhões (R$ 2,34 por ação) pagos em dividendos e JCP.

O número é “um recorde histórico para um ano, atingindo 53,9% do lucro líquido após a constituição das reservas previstas no Estatuto Social“, diz a Gerdau.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO