Evergrande alega “pressão” e pode dar calote de US$ 300 bilhões na China

Evergrande alega “pressão” e pode dar calote de US$ 300 bilhões na China
Evergrande: analistas mantêm alerta para a possibilidade de um colapso no sistema financeiro chinês - Foto: Reprodução/Site Evergrande

Novamente, a Evergrande, a segunda maior incorporadora imobiliária da China, veio a público nesta terça-feira (14) afirmar que há uma possibilidade de calote, já que a companhia pode não conseguir honrar suas dívidas. Atualmente, a companhia possui um compromisso que passa dos US$ 300 bilhões.

Com um montante tão grande a ser pago, analistas já alertam para a possibilidade de um colapso no sistema financeiro chinês, o que eventualmente também geraria problemas nos mercados e nas economias internacionais. A Evergrande também tomou empréstimos em outros países.

A companhia alega estar sob “tremenda pressão” e estende o risco de calote para os próximos meses, o que derruba as ações da Evergrande, fundada em Guangzhou, na China, mas listada na bolsa de Hong Kong.

No mercado, a Evergrande caía 5,3% no pregão de terça (14), movimento que deve ser sucedido por novas quedas quando o mercado abrir novamente na Ásia.


O comunicado da companhia foi enviado à bolsa, quando a incorporadora também reportou que suas vendas mensais caíram quase 50% entre os entre os meses de junho e agosto, passando de passando de ¥ 71,6 bilhões (US$ 11 bilhões) para ¥ 38,1 bilhões (US$ 5,9 bilhões).

No documento, a Evergrande culpou “reportagens negativas” da imprensa pelo desempenho ruim no período – em que concorrentes do ramo imobiliário tiveram o resultado oposto, de alta nas vendas.

Além disso, cita que contratou uma equipe para “avaliar a estrutura de capital do grupo e explorar todas as soluções viáveis para aliviar o problema de liquidez atual”.

Na China, companhia sofre com protestos

Com o cenário caótico e a possibilidade de um calote bilionário, a sede da empresa está sendo alvo de protestos movidos por investidores e por proprietários de imóveis.

A mídia estatal da China noticiou que no domingo (12) manifestantes se encontraram com executivos da empresa após a decisão do governo de suspender pagamentos de seus produtos de gestão de fortunas.

Nas redes sociais, alguns proprietários de imóveis já demonstraram preocupação com a possibilidade de as construções de casas e apartamentos não terminarem devido à atual situação financeira da empresa.

Com a possibilidade de falência cada vez maior, a companhia já amarga perdas enormes há mais de um ano.

Evergrande perdeu 89% do seu valor

A queda recente, de mais de 5%, soma-se às diversas baixas que a companhia sofreu na Bolsa de Hong Kong nos últimos meses, com a tensão sobre a sua dívida aumentando cada vez mais.

A Evergrande tem seu capital aberto desde 2009, e vê a sua maior derrocada desde julho do ano passado. Nesse acumulado, o preço das ações já caiu 89,11%, sendo uma queda de 80% vindo somente deste ano de 2021, com aumento da possibilidade de calote.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!