URGENTE

BlackRock levanta US$ 1 bilhão para investir na China; Soros responde: “é erro trágico”

BlackRock levanta US$ 1 bilhão para investir na China; Soros responde: “é erro trágico”
BlackRock. Foto: Bess Adler/Bloomberg

A BlackRock levantou 6,7 bilhões de iuanes (US$ 1,03 bilhão) para seu primeiro fundo mútuo na China. A maior administradora de ativos do mundo avança com sua iniciativa de investir no mercado de poupança do país, apesar das preocupações com o clima político.

A BlackRock é o primeiro grupo global a obter aprovação para um negócio de fundo mútuo chinês de propriedade integral. A empresa anunciou nesta quarta (08) que fechou a captação de recursos uma semana antes do esperado e atraiu mais de 110.000 investidores.

O movimento da gestora é parte de um impulso mais amplo das finanças internacionais para entrar no mercado de gestão de ativos de US$ 19 trilhões da China. O Instituto de Investimentos da BlackRock recomendou, em meados de agosto, que os investidores aumentassem sua exposição à China em até três vezes em alguns casos.

A gestora escreveu em carta aos acionistas que acredita que pode ajudar o país asiático a enfrentar sua crescente crise de aposentadoria, fornecendo experiência, produtos e serviços em sistemas de aposentadoria.

“A esmagadora maioria dos ativos que a BlackRock gerencia são para aposentadoria. Os clientes da BlackRock em todo o mundo – incluindo muitos clientes dos EUA – buscam uma ampla gama de investimentos, inclusive na China, para atingir sua aposentadoria e outros objetivos financeiros ”, disse o CEO da BlackRock, Larry Fink.

George Soros não aprova fundo da BlackRock

A notícia de que a BlackRock concluiu sua arrecadação para o fundo mútuo chinês veio um dia depois que George Soros criticar a iniciativa. Em artigo no The Wall Street Journal, Soros escreveu que a mudança da gestora de ativos para a China foi um “erro trágico”.

O bilionário ainda intensificou o tom dizendo que esse investimento “prejudicaria os interesses de segurança nacional dos EUA e de outras democracias”, e alertou “não é um bom augúrio para os investidores estrangeiros”.

O artigo, intitulado “BlackRock’s China Blunder”, disse que a decisão da empresa de despejar bilhões no país era um “mau investimento”. “Xi [Jiping] considera todas as empresas chinesas como instrumentos de um Estado de partido único”, escreveu Soros.

Recentemente, a China liberou seu sistema financeiro para que empresas estrangeiras tenham negócios de fundos mútuos no país. No passado, os gestores de ativos eram forçados a cooperar com um parceiro local de joint venture.

Com isso, em junho, a BlackRock recebeu aprovação para os negócios de fundos mútuos. Em maio, a gestora tinha aprovação para um outro negócio, o de gestão de patrimônio de propriedade majoritária em parceria com o China Construction Bank e Temasek, fundo estatal de Cingapura.

Monique Lima

Compartilhe sua opinião