Elon Musk suspende compra do Twitter (TWTR34), mas diz que ‘segue comprometido’ com transação

Entenda a compra do Twitter

O empresário e CEO da Tesla (TSLA34), Elon Musk, anunciou a suspensão temporária do acordo feito para comprar o Twitter (TWTR34). Logo em seguida, afirmou que “ainda está comprometido com a compra” da rede social. Isso ocorre porque, ainda que o acordo da compra tenha sido fechado, a transação ainda não foi efetivada e liquidada.

Em sua conta na rede social, Elon Musk disse que o contrato de aquisição depende da confirmação de que o número de usuários com contas de spam ou falsas na rede está abaixo de 5%, motivo o qual a transação estria condicionada.

Com a notícia da ‘pausa’ na transação de Elon Musk, as ações do Twitter desabam 15,2% na Nasdaq durante o premarket – período de negociações que precede a abertura do mercado em Wall Street.

Mais cedo, os papéis chegaram a cair 19%. Com a queda, os papeis atingiram o nível mais baixo desde que Musk divulgou que tinha participação na empresa, em meados do início de abril.

O número divulgado pela administração da rede foi de 229 milhões de usuários que foram ‘descobertos’ no primeiro trimestre deste ano. Para Musk, esse é um ponto crucial para a transação, já que reduzir o número dessas contas seria um de seus principais motivos para comprar a plataforma.​

Em ocasiões anteriores, o empresário havia criticado fortemente as decisões do Twitter acerca de banimentos e restrições aos usuários, – como a suspensão da conta do ex-presidente americano, Donald Trump – mas havia defendido a utilização desse tipo de ferramenta contra bots, contas de spam e análogas.

Visando essa mudança, Musk pretendia, segundo declarações, abrir os algoritmos – ou seja, tornar o Twitter uma rede de código aberto – , e combater os bots ao implementar ferramentas para autenticar os “humanos”.

Já no comunicado oficial da companhia, do dia 5 deste mês, a gestão do Twitter cita que “enfrenta vários riscos até que o acordo com Elon Musk seja fechado, com dúvidas se os anunciantes continuariam gastando com publicidade e a ‘possível incerteza em relação a nossos planos e estratégias futuras'”.

Além dessa mudança nas diretrizes, Elon Musk também afirmou que deve fechar o capital da empresa e retirá-la da Nasdaq.

Em outras entrevistas, afirmou que poderia reabri-lo após um intervalo, mas em nenhuma ocasião detalhou valores, já que o preço pago pela companhia, de US$ 44 bilhões, ficou acima do valuation baseado na cotação das ações listadas da companhia.

Se desistirem, Twitter e Elon Musk podem pagar US$ 1 bi um ao outro

O Twitter e Elon Musk irão dever um ao outro US$ 1 bilhão caso um deles desista do acordo de US$ 44 bilhões que fecharam no fim de abril.

O Twitter detalhou alguns desses termos do acordo em um documento, incluindo que deveria a Musk US$ 1 bilhão se a empresa concordasse em ser vendida para outra pessoa ou se seus acionistas votassem contra o acordo.

Musk deveria ao Twitter US$ 1 bilhão por vários motivos, incluindo se ele não conseguir fechar o acordo porque o financiamento – US$ 13 bilhões em dívidas, US$ 12,5 bilhões em empréstimos de margem e US$ 21 bilhões em capital próprio que ele planeja fornecer a si mesmo – não se concretizar.

O tamanho das taxas de desmembramento, em pouco mais de 2% do valor do negócio, é a média para transações semelhantes.

Também chamadas de taxas de rescisão, as penalidades destinam-se a impedir que as partes quebrem acordos e trata das despesas e inconveniências de um acordo fracassado.

A rede social inicialmente resistiu ao avanço de Musk, mas quando ele conseguiu financiamento, tornou-se mais favorável.

Banimento será ‘exclusivo’ para bots e contas de Spam

O bilionário Elon Musk, que comprou recentemente o Twitter, afirmou que devolverá a conta do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump à rede social, caso tenha oportunidade.

Elon Musk classificou a decisão de banir Trump do Twitter como um equívoco. Em evento organizado pelo Financial Times, o CEO da Tesla disse:

“Eu acho que foi uma decisão moralmente ruim, foi um erro. Isso alienou uma grande parte do país e, no fim das contas, não resultou em Donald Trump não ter voz”.

Segundo Elon Musk, bloqueios permanentes de contas de usuários devem ser “extremamente raros” e reservados a robôs e contas com spam. Atualmente, com as diretrizes do Twitter – que são amplamente criticadas por Musk – algumas contas podem ser banidas pelas autoridades da plataforma, quando consideradas nocivas ao debate público.

Trump foi banido do Twitter em meados de janeiro de 2021, à época que o democrata Joe Biden tomava posse como presidente dos Estados Unidos.

Com seu eleitorado insatisfeito com o resultado das eleições, ocorreu uma invasão ao Capitólio dos EUA, o que motivou um dia de caos e conflito entre eleitores. Ao fim, cinco pessoas morreram e cerca de 140 policiais ficaram feridos por conta dos atos.

Para o Twitter, Trump representava um risco ao permanecer na plataforma por incitar a violência. Com esse argumento, o ex-presidente foi banido permanentemente, ainda que tivesse quase 100 milhões de seguidores e costumasse usar a rede como seu canal principal de comunicação com o público.

Desde então, a conta nunca foi reestabelecida e os executivos mantiveram a suspensão.

Em abril, Trump chegou a declarar, em entrevista à CNBC, que não retornaria ao Twitter se tivesse a oportunidade. Em meio ao imbróglio, uma rede social própria foi criada pela equipe do ex-presidente, a Truth Social. Apesar da negativa em relação ao retorno à rede social, Donald Trump disse que gostava de Elon Musk, a quem chamou de “excelente indivíduo”.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO