Acesso Rápido

    Radar do Mercado: EDP (ENBR3) antecipa projeto de transmissão em 17 meses

    Radar do Mercado: EDP (ENBR3) antecipa projeto de transmissão em 17 meses

    Na terça-feira (23/03), A EDP Energias do Brasil (ENBR3) informou, por meio de fato relevante, que concluiu as etapas necessárias para a energização de um dos dois trechos do Lote 07 de linhas de transmissão de energia e sua respectiva integração ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

    Nessa primeira etapa entregue, estão incluídas a linha que conecta as subestações São Luís IV e São Luís II, assim como as subestações São Luís II e São Luís IV da EDP Transmissão MA I.

    A entrega dessa primeira etapa está 17 meses adiantada em relação ao calendário da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que previa que ela seria entregue apenas em 2022. Esse adiantamento da entrega do trecho gerará receitas antecipadas à EDP, superando a expectativa de retorno prevista pela companhia à época do leilão.

    De acordo com o diretor vice-presidente de Finanças e Relações com Investidores, Henrique Manuel Marques Faria Lima Freire: “Esta entrega, com significativa antecipação frente aos cronogramas inicialmente previstos, constitui mais uma demonstração das competências distintivas da EDP Brasil na área das redes reguladas, na qual o Grupo concentra, atualmente, seu foco estratégico de crescimento”.

    A EDP Transmissão MA I é titular de uma concessão de transmissão composta de 123 km de linha de transmissão, os quais são divididos em duas linhas de 500 kV, Miranda II e São Luís II, além da subestação São Luís IV, que tem uma receita anual permitida de R$ 74,3 milhões.

    O empreendimento da companhia no Maranhão representa um investimento total, estimado pela EDP, de R$ 400 milhões. Ele visa a aumentar o suprimento de energia elétrica no norte do estado e fornecer a infraestrutura necessária para o desenvolvimento socioeconômico da região.

    A EDP conquistou o lote em leilão ao comprometer-se a desenvolver esse projeto no estado do Maranhão por uma receita anual permitida (RAP) de R$ 66,267 milhões, um deságio de 36,5% ante a Receita Anual Permitida (RAP) máxima.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *