Acesso Rápido

    Déficit Público: o que acontece quando o governo gasta mais do que tem?

    Déficit Público: o que acontece quando o governo gasta mais do que tem?

    A regra mais trivial das finanças diz que não se deve gastar mais do que tem. Porém, nem sempre essa condição é respeitada pelo governo – o que causa uma situação conhecida como déficit público.

    Ao contrário do superávit, o déficit público gera um grande impacto negativo na economia do país. Além de piorar a situação das contas do governo, sua existência pode resultar em endividamento, alta na taxa básica de juros, inflação e até mesmo desemprego.

    O que é déficit público?

    O déficit público é a nomenclatura que se dá quando o valor total das despesas de um governo é maior que o valor total das receitas públicas, considerando a inflação e a correção monetária do mesmo intervalo. Este termo é usado na economia para indicar quanto o governo precisa arrecadar a mais para saldar todos os seus gastos em um ano.

    Ele surge de acordo com a necessidade financeira do governo, que precisa constantemente de recursos para custear seu funcionamento, cumprir suas funções sociais e pagar todas suas obrigações. Porém, se esse dinheiro é usado de forma irresponsável, acima da capacidade de arrecadação, as contas públicas entram em déficit.

    Normalmente, o seu valor é expresso percentualmente em relação ao PIB do país – permitindo a comparação entre diferentes períodos e situações.

    A situação oposta (arrecadação maior que despesas) é chamada de superávit público.

    Tipos de déficit público

    O déficit público pode ser classificado de três formas diferentes:

    Déficit primário

    Ocorre quando apenas as despesas primárias são consideradas no cálculo do déficit. Não é considerado os gastos do governo com juros e correção monetária. O déficit primário mostra a diferença entre a arrecadação e gastos de funcionamento da máquina pública.

    Déficit operacional

    Ocorre quando as despesas primárias e o gastos do governo com juros são consideradas no cálculo do déficit. Não é considerada a correção monetária dos valores.

    Déficit nominal

    Ocorre quando todas as despesas e gastos do governo com juros são consideradas no cálculo do déficit, com o acréscimo de correção monetária. O déficit nominal representa, de fato, a diferença real entre despesas e receitas – já que contabiliza efetivamente tudo que o governo gastou.

    Como calcular o déficit público?

    A equação que define o déficit público é a seguinte:

    • Déficit público = resultado primário + variação patrimonial + variação monetária – serviço da dívida.

    Onde:

    • Resultado primário: equivale ao gasto público (salários e despesas da máquina pública, investimentos, repasses do governo) menos a receita pública (arrecadação de impostos, taxas, tributos e dividendos de empresas públicas);
    • Variação patrimonial: expressa as compras (aquisição de bens e imóveis, estatizações) e vendas (privatizações) de ativos pelo governo;
    • Variação monetária: aumento ou diminuição de moeda circulante (base monetária) da economia. Está diretamente relacionada com a inflação do país;
    • Serviço de dívida: expressa os juros que são pagos pela dívida interna e externa do país.

    Consequências do déficit público para a economia

    A consequência imediata do déficit público é um aumento da dívida pública – pois o governo terá que tomar dinheiro emprestado para saldar suas contas. Com a necessidade de aumentar a arrecadação, uma elevação na carga tributária também pode acontecer posteriormente.

    Ou seja, indiretamente, a existência de um déficit público também impacta a atividade econômica do país. Seus efeitos geram uma queda na capacidade de investimento das empresas – afetando negativamente o nível geral de produção, emprego, renda e limitando o crescimento econômico do país.

    Porque o governo deve evitar o déficit público?

    Manter despesas em um nível menor que as receitas é essencial para manter o equilíbrio financeiro em qualquer situação. Quando se trata do dinheiro de todos os contribuintes, essa regra se torna mais importante ainda.

    Por isso, o desejável é sempre buscar um resultado primário com superávit – que consiste na situação onde as receitas são superiores às despesas públicas.

    A formação do superávit primário geraria uma “poupança” para pagar os juros da dívida pública e reduzir o endividamento do governo no médio e longo prazo.

    Por outro lado, entrar em déficit público representa um aspecto muito negativo para o país, indicando a falta de responsabilidade financeira do governo e a contração de mais dívidas para cobrir o déficit.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    23 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Franklin Santos Hora 5 de junho de 2019

      Particularmente penso que um estado Grande é também um grande fazedor de dívidas. Pois quando se compromete a realizar serviços sem gerar a correspondente receita ainda que possua boa reserva financeira no momento tende a gastar mais do que arrecada.

      Responder
    • Graciela fetter viscardi 7 de junho de 2019

      Manter despesas em um nível menor que as receitas é essencial para manter o equilíbrio financeiro em qualquer situação. Quando se tratada do dinheiro de todos os contribuintes, essa regra se torna mais importante ainda.
      Por isso,o desejável é sempre buscar um resultado primário com superávit -que consiste na situação onde as receitas são superiores as despesas publicadas.

      Responder
    • inácia Rodrigues de Sousa 8 de junho de 2019

      Sim um estado grande, é um grande fazedor de dividas, principalmente quando o governo gasta o dinheiro que arrecarda dos contribuintes,com serviços superfaturados, como acontece com as empresas que prestam serviços para o governo.com isso só aumenta o déficit público.

      Responder
    • Sandra Regina Gonçalves 9 de junho de 2019

      Tomando por exemplo o Brasil, aonde o déficit público sempre está à frente do que é arrecadado, principalmente agora, com um rombo gigante nas contas e dividendos, com fechamento de muitas indústrias, desemprego em massa, falta de arrecadação de impostos e subsequentemente de contribuições não pagas pelos trabalhadores desempregados junto ao INSS, faz com que a arrecadação seja insuficiente para manter as contas públicas em equilíbrio.
      O que seria desejável é cortar gastos desnecessários, adotar políticas públicas urgentes, como frentes de trabalho nas prefeituras, corte dos altos salários do alto comando e a redução de transporte de alimentos e produtos nas estradas aonde há superfaturamento de pedágios o que encarece os trabalhadores desta área e investimentos na malha ferroviária urgente, numa forma rápida e eficiente de transporte dos produtos agrícolas e demais, trazendo renda para todas as regiões e aos trabalhadores locais.

      Responder
    • sueli 27 de junho de 2019

      Importante informações para a população que não faz idéia dos juros e correção que pagam para tampar esse buraco

      Responder
    • Aniceto Joaquim 28 de setembro de 2019

      Digite seu comentário…o que o governo deve fazer para superar o déficit público?

      Responder
      • Vinicius 25 de abril de 2020

        matar a população de fome

        Responder
      • Inaldo F Barreto 17 de maio de 2020

        Nessa crise o governo nem sabe o que fazer…Vai ficar pendurado um déficit como uma espada no pescoço do contribuinte pelos próximos dez anos. Sem a reforma tributária vamos para o Caos. As empresas combalidas não suportarão a carga tributária e o desempreo junto com a quebradeira pode gerar Estagflação.

        Responder
    • adriana cristina ramos 17 de maio de 2020

      Onde receber

      Responder
    • Laidsane 30 de maio de 2020

      Muito interessante,como a economia é importante,e mau administrada traz consequências.

      Responder
    • Elisangela 26 de junho de 2020

      pra mim na minha opinião não gostava de economia,mais agora eu vejo como é de suma importância no nosso cotidiano e o que eu aprendi hoje me fez entender como um líder do governo não faz as coisas certas ele só pensa em si mesma e esquece daqueles que o elegeu para administrar o país ou estado e cidade comprometendo as finanças do país e assim deixando o país estado cidade no vermelho sem condições de seguir em frente ai vem outro com o pensamento de tirar o país do vermelho e só consegue afundar cada vez mais e com isso quem sofre somos todos nós trabalhadores com o aumento da sexta básica e outras coisas! E trago isso pra minha vida meu cotidiano tipo se eu ganho mil reais não devo gastar os mil reais mais gastar menos do que eu ganho pra que assim possa fazer um investimento financeiro e com isso não fico no vermelho.

      Responder
    • Carla Batista de lira 26 de fevereiro de 2021

      O defít público acontece quando nas conta públicas existem mais dividas despesas sendo pagas do que receitas sendo arrecadadas no país , o acumulo déficits resulta em divida pública .

      Responder
    • Clemerson 10 de março de 2021

      Em uma visão ampla, o que causa um déficit público impagável e a interferência do próprio governo na economia em todas as esferas municipal, estadual e federal ,devido inchaço da maquina publica com regalias desnecessárias como :auxílios moradia, palito,viagens e similares causando um desequilíbrio econômico, prejudicando sempre o mais necessitado. Desta forma a unica saída pra tal situação enxugar a maquina publica
      privatizar o máximo de organizações estatais.

      Responder
    • Pamela I corrêa dos Santos 11 de março de 2021

      O déficit público é um aumento de dívida pública, pois o governo está arrecadando de tributos cada vez maior para poder saldar suas contas, considerando a inflação e a correção monetária.
      O certo seria ter um equilíbrio financeiro, pois estamos falando dos valores arrecadados de todos os contribuintes.
      Afetando negativamente o nível geral de produção, empregos, renda e limitando o crescimento econômico do país.

      Responder
    • GENI 22 de março de 2021

      CONFESSO QUE NAO TINHA IDÉIA DE COMO CALCULAR O DÉFICIT PÚBLICO, MAS AGORA ESSE CONTEÚDO AQUI ME AJUDOU MUITO…

      Responder
      • Suno Research 22 de março de 2021

        Olá, Geni! Tudo bem?
        Sempre um prazer ajudar! Conte conosco!
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
      • Andresa Cristina dos Santos 30 de março de 2021

        Do ponto de vista contábil, indica uma quantidade maior em passivos que ativos para um negócio.Desta forma, existe mais contas a pagar do que a receber por uma empresa ou agente econômico.
        Um déficit é sinônimo de uma escassez ou perda, é oposto de quanto existem um superávit.

        Responder
    • Marisa Galhardo Ferreira 23 de março de 2021

      Défit público é a diferença entre o positivo (o que entra) e o negativo ( o que sai), se gasta mais do que entra teremos um defit orçamentario (deficiencia) isso é que teremos futuramente com a pandemia. Comércio fechado, falta de circulação de dinheiro, impostos que não são arrecadados, aumento na demanda da saúde. Todo inicio de ano os orgaos publicos enviam o gasto do ano anterior e provisiona o gasto futuro, assim a fazenda (orgao que arrecada o dinheiro) tem uma noção de quanto terá que arrecadar para pagar a divida, quando esse valor não supre é necessário criar arrecadaçao ou analisar os gastos que podem ser exluidos (reforma tributaria)

      Responder
      • Elcy Silva do Nascimento 29 de março de 2021

        Um país que não consegue se organizar e controlar seus gastos
        gera uma população consumidora insaciável .

        Responder
    • Sonia 24 de março de 2021

      Se antes da situação em que estamos vivendo com a pandemia do Covid-19, passávamos por situações de deficit na economia do País, imagina no futuro com a crise na saúde, empresas fechando por não conseguir se manter-se no mercado, tendo que despedir funcionários e sem conseguir pagar seus impostos, sem conseguir vender seus produtos para honrar suas despesas. O governo passará por uma crise financeira muito grande.

      Responder
    • Andressa Galera 31 de março de 2021

      A principal fonte de financiamento do déficit público é a emissão e venda para o mercado de títulos da Dívida Pública.

      O déficit é tudo o que o governo tem que pagar, acima do que consegue arrecadar.

      Responder
    • CAROLINE 5 de abril de 2021

      O Estado não pode gastar mais do que arrecada

      Responder
    • CRISTIANO MATIAS DA SILVA 27 de julho de 2021

      Na minha opinião em vírtude de tanta corrupção, o País sempre se encontra negativo. Como o País está sempre em dividas, por falta de arrecadação de impostos e subsequentemente de contribuições não pagar pelos os trabalhadores, desempregados junto ao INSS, faz com que arrecadações seja insuficiente para manter ás contas públicas em equilíbrio.

      Responder