Pix pode tirar até 8% da receitas de bancos, estima Moody’s

Pix pode tirar até 8% da receitas de bancos, estima Moody’s
A Moody's estimou que os bancos vão perder até 8% de receita com a chegada do Pix

A agência de classificação de riscos Moody’s informou nesta quarta-feira (7) a previsão de que os bancos podem perder até 8% das receitas com tarifas por conta da chegada do novo sistema de pagamento instantâneos do Banco Central (BC), o Pix.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

De acordo com a Moody’s, os bancos faturam com uma taxa fixa pelo serviço de transferências de dinheiro entre contas bancárias individuais. No entanto, com o Pix, previsto para entrar em operação no dia 16 de novembro, essas empresas não poderão cobrar taxas de pessoas físicas ou de microempreendedores individuais (MEIs).

A agência ressaltou que as transações feitas por TED registraram um crescimento de 31%, em média, desde 2017 no Brasil. Dessa forma, com base “nos dados de 12 meses até junho de 2020, estimamos que os bancos podem perder até 8% de sua receita de taxas devido à isenção da taxa de transferência do TED”, avaliou a Moody’s.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A receita com tarifas dos quatro maiores bancos do Brasil com ações listadas em bolsa fica em torno de R$ 35 bilhões no ano passado.

Taxas do Pix não devem compensar perdas

A agência de rating norte-americana ainda ponderou que  diversos bancos já desenvolveram tecnologias de pagamento instantâneo, contudo essas instituições financeiras contam com participantes como seus clientes e cobram taxas de cerca de 1% sobre essas transferências. “O sistema Pix permitirá a liquidação de banco a banco, que tem um potencial de uso mais amplo do que o existente em aplicativos de pagamento instantâneo”, destacou.

“As instituições financeiras que oferecem o produto Pix continuarão a poder cobrar taxas de empresas que receberem ou fizerem pagamentos via Pix, mas não esperamos que isso compense taxas perdidas de transações individuais”, informou a Moody’s.

Na última terça-feira (6), o Banco Central informou que foram registradas mais 10 milhões de chaves para a utilização do Pix.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião