Em meio a plano de reestruturação, Marisa (AMAR3) anuncia plano de recompra de ações

A Marisa (AMAR3) anunciou nesta quinta-feira (22) que seu Conselho de Administração aprovou a criação de um Programa de Recompra de Ações. Para financiar o programa serão utilizados recursos disponíveis na conta de reservas de capital da empresa.

Atualmente a empresa passa por uma crise financeira e, por isso, iniciou um programa de eficiência operacional.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

O programa de recompra da Marisa permitirá que a empresa adquira até 295.790 ações ordinárias, o que representa aproximadamente 0,19% do total. Além disso, as ações poderão ser compradas no prazo de 18 meses, sem redução do capital social da empresa.

De acordo com a companhia, o principal objetivo da recompra das ações é atender à entrega de ações no âmbito dos Planos de Opções, Plano de Ações Restritas e Plano de Outorga de Ações da empresa, aprovados em assembleias gerais extraordinárias. As ações adquiridas podem ser mantidas em tesouraria para posterior cancelamento ou alienação.

A diretoria da empresa foi autorizada a determinar a oportunidade e a quantidade de ações a serem adquiridas na B3. Segundo fato relevante, essa aprovação está em conformidade com o Estatuto Social da empresa, a Lei das Sociedades por Ações e as regulamentações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Cotação AMAR3

Gráfico gerado em: 22/06/2023
1 Ano

Hoje, as ações da Marisa fecharam em queda de 14.81%, cotadas a R$ 0,92.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

25 lojas fechadas e prejuízo dispara 64,2% no 1T23

No primeiro trimestre de 2023, a Marisa fechou com um prejuízo líquido de R$ 149 milhões, alta de 64,2% ante o mesmo período de 2022. Além dos números, a varejista de moda informou ao mercado que fechou 25 lojas entre março e abril deste ano.

“Já fechamos 25 lojas deficitárias entre março e abril, do total de 91 previstas no plano e que, em conjunto, garantirão um aumento de Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) estimado de R$62 milhões em base anuais recorrentes”, afirmou João Pinheiro Nogueira Batista, diretor-presidente da Marisa.

Além do fechamento de lojas, a empresa está renegociando dívidas com os fornecedores e proprietários de imóveis. Segundo Batista, os acordos já foram fechados com cerca de 90% dos fornecedores e 65% dos proprietários de imóveis.

Os principais números do balanço do 1T23 da Marisa são os seguintes:

  • Receita líquida (Varejo): R$ 440,5 milhões, alta de 1,3% ante 1T22;
  • Ebitda ajustado total: prejuízo de R$ 50,6 milhões, alta de 11,5% ante 1T22;
  • Lucro líquido: prejuízo de R$ 149 milhões, alta de 64,2% ante 1T22;
  • No critério ajustado, o prejuízo líquido foi de R$ 106,8 milhões, alta de 19,1% ante 1T22.

“Os resultados da companhia neste primeiro trimestre de 2023 mostram números positivos na operação de varejo, notadamente na receita e margem bruta, a despeito do cenário macroeconômico adverso com consumo retraído, importações ilegais sem a devida tributação, elevadas taxas de juros reais e restrições de capital de giro, realçando a resiliência e força da marca. Por outro lado, o impacto das altas taxas de inadimplência e de custo de funding sobre a nossa operação financeira impactam ainda negativamente, embora já em rota de ajuste”, complementou o executivo.

Com ação abaixo de R$ 1, Marisa aposta em plano de reestruturação

Embora não tenha apontado as razões para o baixo valor das ações, a Marisa comunicou, em abril, que os resultados do novo plano de reestruturação, já em curso e explicitado nos últimos avisos, “deverão ser suficientes para os investidores no mercado acionário reconhecerem o valor implícito e elevarem a cotação das ações acima de R$ 1”.

Ainda no comunicado, a Marisa destaca que em termos de procedimentos e cronograma, seguirá monitorando diariamente a cotação de suas ações. Além disso, a companhia diz que irá avaliar, ao longo dos próximos meses até a data limite dada pela B3, de 27 de setembro, as alternativas indicadas para o enquadramento das cotações das ações, inclusive o procedimento de grupamento de ações.

“Caso ainda necessário, procederá com o grupamento de ações da Marisa, seguindo as orientações da B3 e as determinações da assembleia de acionistas, até a data limite”, pontua o fato relevante.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Vinícius Alves

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno