Ibovespa encerra a semana com alta de 4,83%, com vacina no radar

Ibovespa encerra a semana com alta de 4,83%, com vacina no radar
Confira 5 ações que mais valorizaram no mês de novembro

O Ibovespa apresentou na última semana de novembro uma alta de 4,83%, após ganhar 5.124,22 pontos entre o fechamento de sexta-feira (20) e o da última sexta-feira (27).

No decorrer da semana, o Ibovespa seguiu atento aos resultados de testes apresentados pela farmacêutica AztraZeneca e pela Universidade de Oxford acerca do desenvolvimento da vacina que combata o novo coronavírus (Covid-19).

Após a admissão do erro na dosagem da vacina de Oxford e a desconfiança na comunidade científica, o CEO da farmacêutica AstraZeneca, Pascal Soriot, informou na quinta-feira (26) que iria, juntamente com a Universidade, realizar novos ensaios clínicos.

De acordo com Soriot, esses estudos não estavam previstos no cronograma e os novos ensaios irão testar uma dosagem menor da vacina de Oxford nos voluntários para medir sua eficácia. Os novos testes serão realizados em âmbito internacional e poderão ser mais rápidos que os anteriores devido a uma demanda menor no número de voluntários.

Ibovespa durante a semana

Desta forma, confira como foi o andamento do Ibovespa durante a semana:

  • Segunda-feira (23) — O Ibovespa fechou em alta de 1,26%, cotado a 107.378,92 pontos, com os investidores de olho nas notícias positivas sobre a vacina da Universidade de Oxford e da AstraZeneca, que apresentou uma 90% de eficácia.
  • Terça-feira (24) — Bolsa fecha em alta de 2,24%, a 109.786,30 pontos, de olho no IPCA-15.
  • Quarta-feira (25) — O índice encerrou em alta de 0,32%, cotado a 110.132,531 pontos, com Petrobras no radar dos investidores
  • Quinta-feira (26) — O principal índice da B3 fecha em leve alta 0,09%, a 110.227,09 pontos, quando a Highline venceu o leilão das torres da Oi e Piemonte levou data centers
  • Sexta-feira (27) — O Ibovespa encerrou o pregão em alta  de 0,32%, a 110.575,47  pontos ainda repercutindo  os resultados de testes apresentados pela farmacêutica AztraZeneca e pela Universidade de Oxford acerca do desenvolvimento da vacina de Covid-19

Segunda-feira (23)

No Brasil o destaque era a taxa básica de juros da economia (Selic) em 2021. O Boletim Focus, divulgado logo no início da semana, voltou a elevar a expectativa pela taxa Selic para 2021.

De acordo com a publicação do Banco Central (BC), os especialistas do mercado esperam que a taxa Selic do ano que vem seja de 3%. Na semana passada a previsão era de 2,75%.

No que se refere à estimativa da taxa Selic para este ano, os especialistas do mercado esperam a permanência de 2%, patamar mais baixo da série histórica.

Além disso, o Índice ecoou as notícias sobre a vacina britânica, que, de acordo com resultados preliminares da fase 3 de testes, mostrou uma eficácia de 90% eficaz sem efeito colateral grave, informou a AstraZeneca.

O Ibovespa na terça-feira (24)

Seguindo a alta do dia anterior, o índice ultrapassou, na manhã da última terça-feira, a marca de 108 mil pontos pela primeira vez desde o início de março.

A última vez em que a Bolsa chegou a negociar acima dos 108 mil pontos foi no intraday do dia 3 de março, quando foi cotada a 108.803 pontos.

Além disso, o mercado ficava atento ao avanço da inflação. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) subiu 0,81% em novembro, após ter avançado 0,94% em outubro. Foi a maior variação para um mês de novembro desde 2015, quando o indicador atingiu 0,85%.

Diferentemente da inflação oficial do país, a prévia coleta preços entre o dia 16 do mês anterior até o dia 15 do mês de referência. Em outubro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou um avanço de 0,94% no indicador. Foi o maior resultado desde 1995.

Desempenho do índice na quarta-feira (25)

Na última quarta-feira os investidores seguiram o de olha na  Petrobras (PETR3;PETR4). A estatal informou que a Starboard Asset, gestora de fundos que possuem participação relevante na 3R OG Petroleum, ofereceu US$ 90 milhões pelo campo de Papa-Terra, na Bacia de Campos. Segundo comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a etapa de recebimento de ofertas vinculantes por este ativo foi encerrada em 29 de setembro de 2020.

Assim, as negociações com a Starboard pelo campo Papa-Terra começaram no mesmo dia (29). O valor ofertado de US$ 90 milhões considera pagamentos firmes e contingentes, de acordo com a companhia. A Petrobras acrescentou que não há prazo para a conclusão das negociações.

“O início das negociações com o participante que apresentou a melhor proposta é um desdobramento esperado nos projetos de desinvestimento, não havendo previsão de divulgação ao mercado, de acordo com a sistemática de desinvestimentos”, informou a Petrobras.

Quinta-feira (26)

Com a semana quase chegando ao fim, o mercado ficou atento ao leilão da Oi (OIBR3).

No leilão da tele, ocorrido na tarde de quinta-feira, a Highline foi declarada a vencedora no leilão das torres de telefonia móvel, com a, única, oferta vinculante de R$ 1,067 bilhão. O Pátria Investimentos até chegou a se habilitar para a disputa, porém não apresentou proposta pelos ativos da Oi.

Enquanto isso, a unidade produtiva isolada (UPI) de data centers da operadora foi arrematada pela Piemonte Holding pelo valor de R$ 325 milhões.

Sexta-feira (27)

Ontem o Ibovespa seguiu atento a divulgação do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), que avançou 3,28% em novembro. Dessa forma, o indicador acumula inflação de 21,97% neste ano e de 24,52% nos últimos 12 meses. Nesta base comparativa, o índice superou a mediana das projeções do jornal O Estado de S.Paulo, de 24,40%, mas ficou dentro do intervalo de 23,0% a 24,80%.

Segundo a FGV, o avanço do IGP-M em novembro foi estimulado pela aceleração do IPA-M, que subiu 4,26% nesta leitura, frente à alta de 4,15% em outubro. Assim, o índice de preços do atacado acumula crescimento de 30,46% neste ano e de 34,16% em 12 meses.

Além disso, o Ibovespa ainda repercutia os resultados de testes apresentados pela farmacêutica AztraZeneca e pela Universidade de Oxford acerca do desenvolvimento da vacina que combata o novo coronavírus.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião