AGENDA

Ibovespa inverte sentido e se aproxima de 131 mil pontos, puxado por Itaú (ITUB4)

Ibovespa inverte sentido e se aproxima de 131 mil pontos, puxado por Itaú (ITUB4)
Ibovespa. Foto: Pixabay.

Invertendo o sentido da abertura do pregão, o Ibovespa opera no azul na tarde desta quarta-feira (9). O maior índice acionário da Bolsa brasileira procura se recuperar da queda na véspera, que interrompeu uma sequência de oito dias consecutivos de alta.

Por volta das 13h50, o Ibovespa subia 0,78%, para cerca de 130.800 pontos. Um dos destaques positivos do pregão é o Itaú, que sobe mais de 3% sem nenhuma razão aparente. O banco corresponde a 6,6% de todo o índice.

Por consequência, a Itaúsa (ITSA4) também registra um pregão positivo, com alta de 2%. A empresa ocupa um espaço de quase 3% na carteira teórica do Ibovespa. Chama atenção o anúncio do pagamento de proventos pela Aegea, uma das investidas da holding.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Outro destaque do dia fica por conta da Gol, que avança pouco mais de 2%. A alta chegou a ser de 5% no início do pregão, com os investidores animados com a aquisição da MAP Transportes Aéreos, por R$ 28 milhões, ampliando o terreno no aeroporto de Congonhas.

O noticiário do setor de frigoríficos também é agitado, após a JBS (JBSS3) anunciar uma oferta de US$ 1 bilhão no mercado internacional em títulos ligados à sustentabilidade, e a BRF (BRFS3) dizer que investirá R$ 643 milhões para ampliação de produção em Santa Catarina.

Enquanto a primeira opera em leve alta, a segunda cai 1,4%, devolvendo parte dos ganhos de maio. Nos últimos 30 dias, as ações da BRF subiram quase 30%, com o mercado esperando a junção da empresa com a Marfrig (MRFG3).

O que sobe e o que cai no Ibovespa

O BTG Pactual (BPAC11) precificou sua oferta subsequente de ações (follow-on) a R$ 122,01 por unit, levantando R$ 2,97 bilhões. O preço tem um deságio de 1,2% em comparação ao fechamento do último pregão. Hoje, as ações se ajustam e caem cerca de 1,4%.

“Ao fazer o follow-on, o banco sinaliza que deve prosseguir com a sua estratégia de ampliar a presença entre os investidores de varejo por meio de aquisições estratégicas”, comenta a Guide Investimentos. A corretora cita que a instituição virou um “comprador em série”, após os últimos movimentos — que, inclusive, tiraram escritórios da concorrente XP.

Do lado negativo, os destaques do pregão são:

Última cotação

De forma distinta ao Ibovespa hoje, o índice acionário encerrou as negociações na última terça com uma queda de 0,76%, para 129.787,11 pontos

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião