Rebeca Nevares

Abertura da Curva de Juros: Como investir diante deste cenário?

A principal função da curva de juros é atuar como uma ferramenta de projeção que mostra como o mercado precifica o risco do país

Se você já investe e acompanha o mercado há algum tempo, provavelmente já ouviu falar em abertura ou fechamento da curva de juros. Mas o quê, exatamente, isto significa e como pode afetar os investimentos? É sobre isso que vamos conversar hoje.

 

Antes de mais nada, é fundamental explicar o que é a curva propriamente. Ela, basicamente, serve para representar o comportamento dos juros ao longo de um determinado período. Sua principal função é atuar como uma ferramenta de projeção que mostra como o mercado precifica o risco do país.

Mas como isto funciona na prática?

Quando ouvimos economistas dizerem que há uma abertura na curva, significa que as taxas de juros praticadas pelo mercado estão em alta e isto ocorre devido a um ambiente de incertezas no horizonte. Este movimento acontece porque os níveis de confiança dos investidores na capacidade de crescimento daquele país diminuíram.

 Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

De forma resumida, ao analisar uma economia deficitária, com dificuldades orçamentárias e outros problemas, os prêmios exigidos pelo mercado para investir naquele local são cada vez maiores por conta da relação de risco x retorno.

Um dos grandes problemas reside no fato de que a curva é composta por papéis de renda fixa atrelados a títulos do governo. Se o mercado exige maiores “recompensas”, isto significa que os custos da dívida serão maiores e isto leva a um ciclo sem fim que pode ser bastante perigoso para a economia do país.

Mas, como isto afeta o investidor pessoa física e quais estratégias podem ser seguidas?

Longe de querer dar uma receita pronta. Cada investidor tem um perfil diferente e isto deve ser avaliado em cada decisão.

Em primeiro lugar, é preciso entender que uma economia em desalinho causa enorme volatilidade nos mercados e isso gera riscos, mas também oportunidades, seja na renda fixa ou variável.

   

A abertura da curva, por exemplo, pode fazer com que algumas classes de ativos sejam oferecidas ao mercado com retornos mais atrativos, o que oferece uma possibilidade de ganho de juros mais altos para a carteira no médio e longo prazo.

É o caso, por exemplo, dos CRIs, CRAs, Debêntures e outros ativos de crédito privado, que têm gerado retornos interessantes neste momento. Contudo, sempre que tocamos neste assunto é importante ressaltar os cuidados com a liquidez, o risco de inadimplência e a concentração da carteira com este tipo de ativo.

Além disso, em momentos incertos, o investidor também pode lucrar ao comprar bons ativos a preços descontados para posterior venda em uma eventual recuperação dos mercados, inclusive quando há o fechamento da curva, o que significa que há uma retomada em andamento.

Ainda existem outras alternativas, mas não caberia em um só texto falar sobre cada uma delas. O meu objetivo, neste início de jornada com você, é abrir o leque de opções e expandir a sua consciência enquanto investidor. Te encontro no próximo artigo!

 

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Rebeca Nevares
Mais dos Colunistas
Alan Gandelman O Brasil não tem mais curva de juros. Agora temos reta…

“O Brasil não tem mais curva de juros. Agora temos reta…” Parece hilária essa frase que li num dos posts que vi numa rede social que sigo. Porém não ...

Alan Gandelman
João Beck O primeiro ciclo de alta dos juros dos últimos 6 anos veio com tudo

Esse é o primeiro ciclo de alta de juros em seis anos – e, para a maioria dos investidores brasileiros, o primeiro da vida. Pelo menos para os que conheceram o u...

João Beck

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!