Lucas Pedrosa

O aumento das reservas de ouro pelos bancos centrais e a descrença da prosperidade da economia mundial

Bancos Centrais mundo afora, incluindo o do Brasil, estão aumentando suas reservas em ouro, fazendo com que a relação de ouro/dólar venha a crescer

Desde o começo do ano passado, tendo seu processo acelerado no fim de 2021, os Bancos Centrais mundo afora, incluindo o do Brasil, estão aumentando suas reservas em ouro, fazendo com que a relação de ouro/dólar venha a crescer.

O ouro é uma reserva monetária pouco sujeita a efeitos inflacionários, pois para produzir novo estoque de ouro é preciso minerá-lo e processá-lo, coisas que levam anos, sem falar que o ouro bruto existente no planeta tem a tendência contínua de escassear.

Sendo assim, em períodos no qual se têm receios a respeito da trajetória da economia mundial, assim como no que se refere ao poder de compra da moeda mundial (dólar), os governos do mundo todo, por intermédio de suas autoridades monetárias, optam por aumentar suas reservas de metais preciosos, menos sujeitos às oscilações econômicas que as moedas fiduciárias produzidas por outros governos.

Essa recente compra do metal precioso em detrimento do dólar pode ser compreendida da seguinte forma – as autoridades do mundo todo estão acreditando numa possível perda de força do dólar, isto é, numa potencial inflação da moeda no futuro, por isso mantém seus estoques de divisas enquanto aumentam os de ouro.

Desde que o governo Biden assumiu os Estados Unidos, maior potência econômica do mundo – a qual diante de uma crise econômica, pode levar grande parte dos países também para o “buraco” – tem havido um certo medo de “frouxidão” por parte do Federal Reserve (Fed) em controlar a emissão da moeda internacional.

Aliado a isso, houve consequências econômicas que a pandemia deixou – desemprego, quebra de empresas e inflação. Assim, os governos do mundo inteiro estão numa dualidade ferrenha – enxugar o estoque monetário para controlar a inflação ou emitir moeda para recuperação dos empregos e dos negócios. De fato, é uma situação complicada.

Por isso, não é à toa que os Bancos Centrais do mundo inteiro estão receosos. Não se sabe quando a economia mundial voltará a prosperar. Atualmente, os governos têm optado por tentar controlar a inflação, problema que tem afetado bastante o mundo todo, em vez promover, a curto prazo, o crescimento econômico.

É uma boa estratégia. Ela dá alguma segurança aos mercados. Mas… “O seguro morreu de velho”. Por isso, mesmo que não de forma tão expressiva, os estoques mundiais de ouro têm aumentado. Isso serve pelo menos como mecanismo de sinalização de um país para o outro: “Veja bem, você está fazendo a lição de casa e eu fico feliz por isso. Todavia, se você se precipitar e fizer besteira, eu estou de olho bem aberto”.

O que desejamos é ver tudo isso passar. Esperamos que em breve a inflação seja controlada, as empresas ressuscitem, os empregos voltem e possamos vir a sonhar com um novo ciclo de prosperidade mundial.

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Lucas Pedrosa
Mais dos Colunistas
Carlos Vaz Brasil vs EUA: a alta de juros, o risco de inflação e o mercado imobiliário

O mundo está preocupado com o ciclo de alta de juros adotado pelos bancos centrais mundiais. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed) subiu a taxa em 75 bps e indic...

Carlos Vaz
Rodrigo Sodré O meio do ano e o recálculo de rotas na economia

Inflação recorde, aperto monetário e recessão à vista. Apesar de boas notícias pontuais, o cenário macroeconômico mundial traz diversos desafios aos investidores. Os e...

Rodrigo Sodré

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO