João Beck

O primeiro ciclo de alta dos juros dos últimos 6 anos veio com tudo

Para mais de 85% dos investidores, um ciclo de alta da taxa de juros como o atual é inédito, mesmo sendo algo intrínseco em qualquer modelo econômico

Esse é o primeiro ciclo de alta de juros em seis anos – e, para a maioria dos investidores brasileiros, o primeiro da vida. Pelo menos para os que conheceram o universo da bolsa de valores a partir de 2015.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-Banner-Home-1.png

A virada do ano de 2015 encobria um dragão adormecido: a inflação. Que foi suprimida forçadamente por anseios eleitorais utilizando o que se tinha ao alcance através dos preços administrados. Após uma eleição apertada, os preços saíram do cativeiro controlado pelo governo e mostraram seu poder de fogo. A aceleração de preços ultrapassou os 10 por cento anuais.

E no trem da inflação que chega, vem engatilhada uma alta da taxa de juros logo no primeiro vagão. Entre o fim do primeiro mandato e o início do segundo, já com o Ministro da Fazenda Joaquim Levy, houve uma pisada funda no freio da economia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Passados alguns meses e inflação domesticada, se inicia novamente o ciclo de queda da Taxa Selic que durou até o início deste ano. O primeiro alvo foram os 4,25 % em 2020 e ali ficaria se não fosse a pandemia, diagnosticada com mais dois pontos percentuais extras, levando a taxa de juros para níveis de país desenvolvido a 2% anuais.

Pois bem. Eu chequei no site da B3 quantos CPFs a bolsa registrava em 2015: 557 mil.

Então busquei quantos CPFs temos hoje na bolsa: 3,8 milhões.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2021/06/78866cc1-banner-home-6-4.jpg

Investidor com características de um empreendedor

Ou seja. Para mais de 85% dos investidores, um ciclo de alta da taxa de juros como o atual é inédito, mesmo sendo algo intrínseco em qualquer modelo econômico de um Banco Central que utiliza o arcabouço de metas de inflação e ajuste de expectativas.

Esse ciclo de alta freou o mercado de ações, os títulos Indexados à inflação e uma parcela relevante dos fundos multimercados que se beneficiam de cenários de queda de juros. E frustrou o investidor iniciante que acreditou que aumentando o risco da carteira de investimentos resultaria de imediato numa rentabilidade maior. Mas não é tão óbvio, ou quando ocorre, exige do investidor outras atribuições que ele não se acostuma: paciência, resiliência.

O mercado de ações exige do investidor características de um empreendedor. Como um dono de restaurante, que entende que o retorno de um investimento demora. Que não cria expectativas grandes e, por isso, não se frustra. Que tem margem de segurança para lidar com uma chuva inesperada e espantar os fregueses. E sabe que uma temporada de faturamento baixo não o faz desistir do negócio e vendê-lo.

É esse o teste que 85% das pessoas estão experimentando atualmente pela primeira vez. Muitos não irão chegar vivos do outro lado do rio. E, aos que conseguirem, entenderão que bolsa não é uma competição por quem ganha mais, mas sim um jogo de sobrevivência.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

 

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

João Beck
Mais dos Colunistas
Luiz Grubert Inflação, um inimigo sorrateiro

Quando falamos sobre investimentos, um dos primeiros conceitos que todo investidor deveria buscar entender é o conceito de inflação. A inflação nada mais é do que a pe...

Luiz Grubert
Piter Carvalho Começou o rali de fim de ano da Bolsa?

Será que já começou o rali de final de ano na Bolsa de Valores? Sim, e não precisou esperar dia 25 de dezembro para ele começar. Ano passado, por exemplo, ele começou ...

Piter Carvalho

Compartilhe sua opinião