Gian Kojikovski

Coronavírus ainda é um risco?

Outros países devem aumentar as restrições para não vacinados se os casos seguirem crescendo

Se me dissessem alguns meses atrás que hoje a Europa estaria adotando novos lockdowns para tentar conter uma quarta onda da Covid-19 e o Brasil iniciaria a flexibilização do uso das máscaras, eu não acreditaria. Mas é o cenário que estamos presenciando atualmente: a pandemia de covid voltou ao centro das preocupações dos países europeus.

No dia 4 de novembro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta de que a Europa é novamente o epicentro da pandemia. De acordo com a OMS, a piora do continente europeu se deu pelos diferentes níveis de implementação da vacinação. Além da chegada do inverno, que favoreceu a mudança no comportamento da população.

Casos de covid-19 na Europa
Casos de covid-19 na Europa

A administração de vacinas em países do sul europeu está em cerca de 80%, mas a relutância freia a distribuição no centro e no leste da Europa e na Rússia – com aproximadamente 34% da população totalmente vacinada -, causando surtos que podem voltar a sobrecarregar os sistemas de segurança de saúde do continente.

Essa piora nos casos tem feito países voltarem a adotar medidas de isolamento social. A Áustria se tornou o primeiro país da Europa Ocidental a restabelecer o bloqueio desde que as vacinas foram lançadas, além disso, o governo austríaco anunciou que tornará obrigatório a vacinação a partir de 1º de fevereiro. A Alemanha também precisará de restrições mais rígidas, de acordo com a chanceler Angela Merkel.

A decisão tem enfurecido a população europeia, que já tinha fortes movimentos antivacina, que contribuíram para a desaceleração da vacinação no continente nos últimos meses.

Essa estabilização na proporção de vacinados, aliada ao relaxamento com uso das máscaras e retorno dos eventos e da vida “normal”, criou uma falsa sensação de fim da pandemia.

Em pouco tempo, a conta chegou. A curva de mortes é bem menor que a de casos e se concentra nos não vacinados, mas o aumento da circulação do vírus também aumenta a chance de novas variantes, o que coloca em risco também vacinados e, em última instância, a economia mundial. Logo, outros países devem aumentar as restrições para não vacinados se os casos seguirem crescendo.

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Gian Kojikovski
Mais dos Colunistas
Alexsandro Nishimura Novembro: a festa dos 100k e o quinto mês de queda

Manso o mês inteiro, o urso deixou o golpe de misericórdia para o último dia de novembro. Das idas e vindas do mês, o Ibovespa passou tanto pelos 105 quanto pelos 102 ...

Alexsandro Nishimura
Ricardo Propheta Precisamos falar sobre as cotas dos fundos de infraestrutura

Quando pensamos em ativos de infraestrutura mundo afora, pensamos em retornos muito baixos e fluxos estáveis no decorrer do tempo. No Brasil, como temos um déficit gen...

Ricardo Propheta

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!