Gabriel Diniz Junqueira

A pandemia, o efeito chicote e o agro: como um fenômeno logístico impacta os investimentos no setor agrícola

Quando trazemos para o ambiente do agronegócio, o que se percebeu foi, primeiramente, um aumento grande da margem do produtor rural, em especial o de soja

A pandemia do Covid-19 é sem dúvida alguma um dos principais fatos históricos ocorridos no início do século 21. Ela alterou bruscamente o comportamento das pessoas, obrigando ao distanciamento social e remodelando a maneira como diversos negócios são geridos. Atualmente, com a diminuição dos casos e das mortes decorrentes da doença, a economia começa a retornar aos patamares anteriores. No entanto, ao passo que a vida volta a sua rotação normal, as cicatrizes deste período turbulento começam a aparecer e, principalmente, na economia estão localizadas aquelas mais dolorosas.

Entre os principais fatores que se pode citar sobre os efeitos maléficos da pandemia na economia mundial, neste texto, abordar-se-á o desalinhamento entre oferta e demanda na cadeia logística agroindustrial e como isso impacta diretamente os investidores do setor. Em 1958, o professor e engenheiro americano Jay Forrester apresentou, pela primeira vez, uma análise que, posteriormente, seria conhecida como Efeito Chicote. Esse fenômeno se caracteriza quando há uma discrepância entre a demanda real e a prevista, o que leva a possíveis movimentos de estocagem ou excesso de vendas por parte das empresas. Como consequência de o movimento previsto não ser refletido na realidade, o erro é repassado até o cliente no final da cadeia, caracterizando assim o efeito chicote. Como isso se relaciona com a situação atual do agronegócio?

Durante a pandemia, o que se percebeu foi um movimento abrupto por parte de diversos stakeholders em reduzir a oferta de seus produtos, imaginando que, devido ao lockdown, a demanda decairia de forma exponencial juntamente com a atividade econômica mundial. No entanto, o que de fato ocorreu foi, em um primeiro momento, a retração da demanda, em uma intensidade menor do que a prevista, e uma retomada bastante intensa em termos de volume e velocidade, recuperação em “V”.

Quando trazemos para o ambiente do agronegócio, o que se percebeu foi, primeiramente, um aumento grande da margem do produtor rural, em especial o de soja. O preço dos principais grãos disparou e os custos permaneceram estáveis, assim as empresas agrícolas apresentaram seus melhores balanços na safra 20/21. Porém, a cadeia logística agroindustrial brasileira funciona de forma muito semelhante à empresa de fabricação de aviões Embraer (EMBR3): seus principais insumos são importados, para que em território nacional sejam transformados em produto. Em outras palavras, adubos, agroquímicos e insumos rurais em grande maioria são produtos importados para que nas propriedades agrícolas brasileiras possam compor a atividade produtiva. Portanto, o desalinhamento mundial entre a demanda prevista na pandemia com a realidade atingiu em cheio esta parte da cadeia produtiva.

Para ficar mais claro a linha de raciocínio, toma-se como exemplo o gás natural. A pandemia da Covid levou a uma redução da produção e consequentemente redução dos estoques. No entanto com a retomada da atividade econômica devido à vacinação a demanda voltou a crescer. Desta forma, o preço do gás disparou nas principais praças europeias e os estoques baixaram a níveis críticos. E quais são as principais consequências para o agronegócio?

Do lado da oferta, o gás natural é a matéria prima para a produção da amônia que compõe fertilizantes nitrogenados como a ureia. Portanto, gás natural mais caro reflete em fertilizantes mais caros e uma menor margem para o produtor. Por sua vez na demanda, o gás natural é um dos principais componentes da matriz energética da China, logo com a elevação dos preços o país asiático encontra-se à beira de uma crise energética com algumas províncias ao norte do país já registrando apagões.

Em outras palavras, a desestabilização na cadeia logística do gás natural por um desalinhamento entre a demanda e oferta causada pela pandemia impacta diretamente na margem do produtor rural tanto na ponta com maiores custos de produção como uma menor demanda por possíveis desacelerações da economia chinesa. Desta forma, é interessante que o investidor se atente aos resultados e estimativas propostas pelas principais produtoras agrícolas listadas, uma vez que a tendência é de compressão das extraordinárias margens apresentadas no último ano.

Agro é Top, Agro é Pop, FIAGRO é Agro!

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Gabriel Diniz Junqueira
Mais dos Colunistas
Julio Hegedus Netto Cenário de pandemia e aperto monetário

No mundo, cenário da pandemia paralisa algumas economias, em lockdowns preventivos e obrigatoriedade no uso de máscaras, sendo impressionante a velocidade de contamina...

Julio Hegedus Netto
Tatiana Sadala Boas práticas que nascem em cenários adversos

Na luta pela igualdade de gêneros no mundo corporativo, estamos vivendo um retrocesso com a pandemia. Mas grandes bancos, fintechs e até o mercado financeiro seguem in...

Tatiana Sadala

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!