Diogo Angioleti

2023, cenários e impactos no bolso do brasileiro

2023 pede calma! Será um ano de possíveis melhorias na economia, mas que acontecerão progressivamente e em marcha lenta

2023 pede calma! Será um ano de possíveis melhorias na economia, mas que acontecerão progressivamente e em marcha lenta. O mundo está em crise e com “soluços” da interminável pandemia. Alguns especialistas estão chamando esse novo momento de “permacrises”, que “traduzindo” seria uma crise permanente, para definir esse período incompreensível, complexo, volátil e ambíguo. Diante de projeções e perspectivas de macro e microeconomia, a seguir falaremos sobre a conjuntura nacional e internacional das principais esferas que afetam nossas vidas em 2023.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

Olhando para o Brasil, entendemos que alguns grupos deverão enfrentar mais desafios nos próximos meses, começando pelas famílias. A conhecida economia doméstica vai continuar desacelerada e o principal encolhimento se dará no consumo dos bens duráveis. Esses impactos acontecem por causa de uma série de fatores, sobretudo porque as famílias desde 2021 estão ficando excessivamente endividadas e ainda vivemos baixo ritmo de geração de emprego afetado pelo cenário de inflação alta.

O crédito mais caro por causa dos juros altos também desestimula empreender ou consumir. Esse comportamento afeta a produtividade das indústrias e as vendas no comércio, além de diminuir a procura por alguns serviços não essenciais.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Mediante um bom trabalho de governo, sobretudo fiscal, tributário e econômico somado a responsabilidade com as contas públicas e reformas administrativas urgentes, poderemos chegar a uma Selic de 12% a partir de agosto de 2023. Com juros mais baixos, o consumo tende aumentar. Com isso, mais dinheiro poderá ser injetado na economia, mais empregos deverão ser gerados, mais empresários avaliarão expandir seus negócios. A partir daí, a inflação também deve começar a baixar, de forma lenta, é verdade, mas a expectativa é que vejamos uma inflação de cerca de 5% ao fim do ano que vem, chegando ao teto da meta definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Os benefícios sociais prometidos para as classes menos favorecidas também devem ajudar a manter o consumo básico para muitas famílias, ajudando a economia a ficar aquecida.

Mas o Brasil não está isolado. O mundo vive dificuldades, e esses problemas externos têm impacto importante no cenário econômico do país. Assistimos bancos centrais das economias desenvolvidas subindo juros como nunca tínhamos visto antes, conflito de guerra entre Rússia e Ucrânia, a crise energética da Europa e a política de Covid zero na China são alguns exemplos de situações que nos impactam – direta e indiretamente.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

O futuro deve ser de queda nos preços das commodities, como o petróleo, que quando fica mais acessível, ajuda a pressionar a inflação. E isso nos afeta? Sim, tudo isso nos impacta. O Brasil é grande exportador desse tipo de matérias-primas e, se nossos compradores estão inseguros ou com problemas, tendem a não comprar, logo podemos ter problemas na nossa balança comercial.

Por outro lado, temos grandes chances de o Brasil recuperar o bom relacionamento com países relevantes, especialmente com a pauta da sustentabilidade e aceitação internacional na atuação do governo, abrindo portas para mais investimentos estrangeiro em nosso país.

Esse é um texto leal sobre as perspectivas para 2023 a partir do que estamos vivendo hoje, com desejo de trazer lucidez para todos nós. Devemos ter ânimo e exigir políticas públicas com espírito republicano, responsável e mais humanitárias. Todo esse cenário pede o uso consciente do dinheiro e consumo com racionalidade, mediante um planejamento e com orçamento, limitando determinados gastos. Tenha em mente o conselho de Lulu Santos e Nelson Motta: Tudo passa, tudo sempre passará. Use 2023 com moderação no bolso e abundância nas experiências felizes, tenham todos um harmonioso ano novo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Diogo Angioleti
Mais dos Colunistas
José Eduardo Machado Vale a pena fazer um financiamento imobiliário?

Para grande parte dos brasileiros, contrair uma dívida via financiamento imobiliário é a única forma de realizar o sonho da casa própria. E mesmo que essa seja uma dív...

José Eduardo Machado
Piter Carvalho Começou o rali de fim de ano da Bolsa?

Será que já começou o rali de final de ano na Bolsa de Valores? Sim, e não precisou esperar dia 25 de dezembro para ele começar. Ano passado, por exemplo, ele começou ...

Piter Carvalho

Compartilhe sua opinião