Acesso Rápido

    Radar do Mercado: Suzano (SUZB3) reporta seus resultados do 1T21

    Radar do Mercado: Suzano (SUZB3) reporta seus resultados do 1T21

    No primeiro trimestre do ano, a Suzano (SUZB3),  gigante brasileira de papel e celulose, divulgou um prejuízo de R$ 2,76 bilhões, um resultado que reverte o substancial lucro líquido de R$ 5,91 bilhões do trimestre anterior, mas que superou o seu prejuízo de R$ 13,4 bilhões no 1T20. O lucro da companhia foi impactado principalmente pela depreciação do real em relação ao dólar, o que influencia o seu resultado financeiro.

    Em sua receita líquida de R$ 8,89 bilhões, a empresa obteve um acréscimo de 27% na comparação com o 1T20. Em relação ao 4T20, os números apresentados foram 11% melhores.

    Já em seu EBITDA ajustado, a empresa registrou R$ 4,86 bilhões (+61% vs. 1T20 e +23% vs. 4T20). O importante avanço foi impulsionado pelos preços mais elevados da celulose e do papel – sobretudo na China –, que tendem a incrementar os resultados da companhia gradativamente.

    Assim, a margem EBITDA ajustada ficou em 55%. O acréscimo foi de 11 pontos percentuais na comparação anual e de cinco pontos percentuais em relação ao trimestre anterior.

    Planilha de Controle de Gastos

    Não perca o controle das suas finanças! Baixe nossa planilha gratuita de controle de gastos e organize melhor toda a sua vida financeira!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    O resultado financeiro líquido ficou negativo em R$ 8,67 bilhões. Trata-se de uma melhoria em relação ao resultado financeiro negativo de R$ 22,4 bilhões no 1T20, porém uma piora na comparação com os R$ 6,24 bilhões positivos do último trimestre.

    O número ajuda a explicar a performance no resultado líquido, tanto na comparação anual quanto na trimestral. Em relação ao 1T20, os números refletem um impacto menor da variação cambial negativa sobre a dívida da empresa e derivativos, demonstrando o oposto do que ocorreu na comparação com o 4T20.

    Em seu endividamento, a companhia reportou um indicador dívida líquida/EBITDA ajustado 3,8x em dólar, apresentando um patamar mais saudável em relação ao número de 4,8x registrado no 1T20.

    A empresa também anunciou a aprovação para a construção de uma nova fábrica de celulose no Mato Grosso do Sul. A nova operação, com início previsto para 2024, deverá ter capacidade produtiva anual de 2,3 milhões de toneladas.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *