Acesso Rápido

    Bullion: o que é e como investir em barras de ouro?

    Bullion: o que é e como investir em barras de ouro?

    Um dos metais preciosos mais valiosos no mundo está o ouro e a prata, também conhecidos como Bullion. Mesmo nos dias atuais, as barras de ouro ainda são muito utilizadas por investidores ou até mesmo bancos centrais.

    Entretanto, para quem deseja se proteger de crises econômicas e ter um ativo com reserva de valor, o bullion, pode não ser uma forma prática para isso. Afinal, já existem outros investimentos acessíveis, entre eles fundos de ouro e ETFs, como o Gold11.

    O que é bullion?

    Bullion é o termo em inglês utilizado para falar sobre ouro e prata, também conhecido como lingote. Em geral, ele é usado a granel para fabricação e produção de moedas.

    Porém, cabe ressaltar que só se encaixam nesta nomenclatura os metais que têm ao menos 99,5% de pureza e estão armazenados em barras ou lingotes, por conta da alta pureza.

    O ouro, por exemplo, é muito usado como reserva de valor tanto por investidores quanto por bancos ao redor do mundo.

    Como funcionam as negociações do bullion?

    O valor de mercado do ouro dependerá da sua pureza, assim como os lingotes e as barras. Por isso, existe um mercado, conhecido como OTC, onde ocorre esse tipo de negociação que funciona 24 horas.

    Nele, é possível negociar grandes quantias em ouro ou metais preciosos com os principais “players” do mercado como, por exemplo:

    • Bancos;
    • Joalheiros;
    • Operadores de cofres;
    • Refinadores;
    • Sociedades de investimento.

    Esta é uma das formas de investimento mais antigas da humanidade. Mas para isso, tais metais precisam ser descobertos por empresas de mineração. Então, ele é removido em uma mescla de ouro e rocha mineralizada (o minério de ouro).

    Assim, ele precisa ser removido da pedra e o resultado desta extração é chamado de “ouro partido”. Então ele é transformado em barras de ouro ou lingotes.

    Quais as vantagens do investimento em ouro?

    A cotação do ouro é influenciado pela oferta e demanda do mercado. Em geral, o volume de negociações costuma ser elevado e inclui investidores no mundo todo.

    Nesse sentido, existem algumas vantagens interessantes no investimento em bullion, especificamente no ouro, sendo a principal delas a reserva de valor.

    Ou seja, em cenários de crises econômicas, os ativos de valor são usados como proteção financeira, também conhecido como hedge.

    Como investir em ouro?

    Os bancos utilizam lingotes em reservas para liquidar dívidas internacionais ou estimular a economia por meio de empréstimos de ouro. Mas há diferentes formas de investir em ouro, algumas delas são:

    • Forma física;
    • Fundos de ouro;
    • ETF.

    Forma física

    Uma forma óbvia, mas pouco factível para boa parte dos investidores está na compra do ouro físico. Afinal, comprar e armazenar barras de ouro pode parecer algo fora da realidade para muitos.

    Fundos de ouro 

    Uma opção interessante para quem deseja investir em ouro é optar por um fundo especializado neste ativo.

    Neles, o investidor adquire cotas destes fundos, que alocam parte dos recursos captados em ouro. Entretanto, é importante observar qual o percentual do fundo está sendo direcionado para o investimento em ouro.

    No mercado financeiro, há diversos fundos de ouro, entre eles:

    • Fundo de Ouro em real;
    • Fundo de Ouro + Dólar;
    • Fundo de Ouro em real + CDI.

    Na B3, os códigos utilizados para a negociação do ouro são OZ1D, OZ2D ou OZ3D.

    ETF

    Outra forma de investimento em ouro está nos ETFs, mais conhecidos como fundos de índice. No Brasil, é possível investir em ouro através do ETF Gold11.

    Os ETFs têm o intuito de replicar a performance financeira de um índice. Eles são negociados na bolsa de valores como se fossem uma ação.

    Esta pode ser uma boa opção para manter a carteira diversificada e sem perder o foco do investimento em ouro.

    Se você tem interesse no mercado de ouro e, especificamente, em bullion conte nos comentários como surgiu esta ideia e quais resultados você já teve.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *