Radar: Vale (VALE3) anuncia pagamento de dividendos, analistas veem resultado positivo para GPA (PCAR3) e B3 (B3SA3) tem queda no lucro no 4T23

Vale (VALE3) anunciou, na noite desta quinta-feira (22), o pagamento de dividendos no valor bruto de R$ 2,738617408 por ação.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Os dividendos da Vale serão pagos aos acionistas que tiverem ações VALE3 na carteira no dia 11 de março. O valor cai na conta dos acionistas no dia 19 de março.

Já em relação às ADRs da Vale negociadas em Nova York, a data de corte é no dia 13 de março, e o pagamento ocorre a partir de 26 de março.

“O valor de dividendos a ser pago por ação pode sofrer pequena variação até as datas de corte em decorrência do programa de recompra de ações, que impacta o número de ações em tesouraria. Sendo o caso, a Companhia fará um novo Aviso aos Acionistas informando o valor final por ação”, complementou a mineradora em comunicado.

Além de Vale, confira outros destaques desta quinta-feira:

GPA (PCAR3): analistas veem resultado positivo no 4T23, mas reforçam que alavancagem ainda é problema

  • O GPA (PCAR3), empresa que controla o Pão de Açúcar, apresentou um prejuízo líquido de R$ 303 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23). Apesar das perdas, os analistas consideram o resultado positivo, uma vez que houve evolução em todas as linhas. 
  • “Apesar de a companhia ainda ter reportado prejuízo das operações continuadas, notamos evolução nas vendas mesmas lojas combinada ao ganho de margem bruta, compensando os maiores dispêndios visando à melhoria dos serviços em lojas”, cita o BB Investimentos. 
  • receita líquida do GPA cresceu 7% na base anual, suportada pela expansão, cerca de 61 novas lojas abertas em 2023) e pelo sólido desempenho de vendas mesmas lojas (+4,3%), apesar das tendências de deflação alimentar.
  • Para a XP, em termos de rentabilidade, a margem bruta foi novamente o destaque, com um aumento de 3,1 pontos percentuais frente ao mesmo período do ano passado, impulsionada por melhores condições comerciais, redução da quebra de produtos e menores custos logísticos, levando a margem Ebitda ajustada a subir 2,9 p.p no comparativo anual, ligeiramente afetada por despesas de vendas mais altas. 
  • “O prejuízo líquido das operações continuadas foi de R$ 87 milhões, ainda pressionado pelas despesas financeiras, enquanto o FCF foi positivo em R$ 1 bilhão, principalmente em fornecedores e estoques”, explica a XP. 
  • Segundo analistas, o GPA continua a lidar com contingências do fechamento das lojas Hiper, afetando as operações descontinuadas. Espera-se que benefícios de negociações melhores com fornecedores, otimização de despesas e estratégias promocionais continuem. A rentabilidade das lojas de proximidade abertas em 2022 e 2023 já supera as mais antigas.
  • As ações do PCAR3 acumulam alta de 5,2% desde o início deste ano, à luz das melhorias contínuas de vendas e rentabilidade. No entanto, o BB Investimento ainda mantém recomendação neutra  para ações e preço-alvo para o final de 2024 em R$ 5,60.
  • Por sua vez, a Genial avalia que, com ajustes de sortimento, redução de ruptura e despesas, 2023 marcou a virada da empresa. A perspectiva é que a evolução micro e macro beneficie a companhia em 2024. Dessa forma, a Research recomenda compra das ações do GPA, com preço-alvo de R$ 5,50, representando um upside de 29%. 

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

B3 (B3SA3) tem queda de 8,2% no lucro do 4T23; entenda detalhes do balanço

  • B3 (B3SA3) reportou, na noite desta quinta-feira (22), um lucro líquido recorrente de R$ 1,057 bilhão no quarto trimestre de 2023, queda de 8,2% frente ao mesmo período de 2022 e de 8,7% na base sequencial.
  • lucro líquido atribuído aos acionistas, que exclui itens não recorrentes, ficou em R$ 915,5 milhões, uma queda de 8,8% em 12 meses e de 14,8% no comparativo trimestral.
  • As receitas totais da B3 no quarto trimestre de 2023 somaram R$ 2,493 bilhões, número 2,9% inferior ao registrado no mesmo período do ano anterior e 0,1% superior ao do terceiro trimestre. Segundo o relatório, a queda na receita da B3 reflete o desempenho dos derivativos de câmbio, compensada, em parte, pelas receitas de juros somadas em moeda nacional. Os juros também foram apontados como responsáveis pela dificuldade de uma “recuperação consistente” no segmento de ações e instrumentos de Renda Variável durante o 4° tri.
  • Entre os destaques positivos, a companhia destaca a alta de 5,5% do saldo na depositária de renda variável, o que demonstra que o valor de mercado das empresas subiu no período.
  • Em derivativos listados, a B3 também destacou que o volume médio diário negociado (ADV) totalizou 6,2 milhões de contratos, valor maior em 4,8% em relação ao 3° tri e 35,7% ao 4° Tri de 2022, principalmente em função do bom desempenho de contratos de taxas de juros em Real.
  • Já no segmento de balcão da B3, as taxas de juros mais altas seguiram favorecendo o aumento de volumes, com alta de 14,3% no estoque de instrumentos de renda fixa e de 26,4% no estoque do Tesouro Direto em relação ao mesmo período de 2022.
  • No 4T23 da B3, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) caiu 10,3%, para R$ 1,45 bilhão, se comparado com os três meses anteriores, e apresentou um recuo de 9,8%, na comparação anual. A margem Ebtida caiu para 65,1% no quarto trimestre, de 70,5% no mesmo intervalo de 2022 e de 72,3% no terceiro trimestre.

Assaí (ASAI3): com resultados “positivos”, bancos esperam alta de 18,7% nas ações

  • As ações do Assaí (ASAI3) encerraram a sessão desta terça-feira (22) em alta de 3,56%, cotadas a R$ 14,83, após a divulgação de seu novo balanço, referente ao quarto trimestre de 2023 (4T23).
  • O Assaí apresentou um lucro líquido de R$ 297 milhões no 4T23, montante 26,8% menor quando comparado ao mesmo período do ano anterior.
  • De forma geral, o BTG Pactual destacou o quadro de melhoria nos resultados do Assaí durante o último trimestre de 2023, conforme já era projetado pelo banco. Assim, a empresa conseguiu uma melhora nos números trimestrais, embora tenha sido atingida pela inflação de alimentos, que alcançou patamares mais baixos.
  • Apesar da pressão nas vendas devido à inflação mais baixa nos alimentos, e com a taxa de juros ainda alta pressionando os resultados financeiros de certos players mais alavancados, o BTG ainda enxerga o setor como um dos “mais resilientes”.
  • O banco recomenda a compra das ações do Assaí, colocando um preço-alvo de R$ 17, o que representaria uma alta de 18,71% sobre a cotação de fechamento de ontem (21).
  • Os analistas do Goldman Sachs destacaram que o Assaí conseguiu se sair bem diante do cenário de deflação nos alimentos no 4T23, já que é algo que poderia afetar a sua receita. Apesar disso, as vendas de mesmas lojas da empresa tiveram aumento anual de 3%, superando o seu concorrente Atacadão, que registrou baixa de 2%.
  • Além disso, os especialistas também enxergam um processo de conversão de lojas mais “amadurecido”. Em relação à contração da margem bruta em 0,45 p.p., o banco diz que esse movimento teve compensação pela queda na despesa operacional.
  • O preço-alvo estabelecido pelo Goldman Sachs para as ações do Assaí é R$ 15, o que corresponde a um valor 4,74% maior que a cotação de fechamento da última quarta-feira (21).

Vale (VALE3) tem lucro 34,75% menor no 4T23, a US$ 2,442 bilhões; veja os motivos

  • Vale (VALE3) teve um lucro líquido das operações continuadas de US$ 2,442 bilhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), o que representa uma queda de 34,75% em relação ao mesmo período do ano anterior (4T22), quando o resultado foi de US$ 3,743 bilhões.
  • balanço da Vale também traz um lucro líquido das operações continuadas atribuído aos acionistas de US$ 2,418 bilhões, equivalente a uma baixa de 35,06% na comparação com o quarto trimestre de 2023.
  • resultado da Vale foi impactado negativamente pelo incremento na provisão atrelada ao rompimento da barragem da Samarco, cujo valor é de US$ 1,229 bilhão. Além disso, a mineradora também destaca um potencial acordo global com as autoridades brasileiras.
  • “Embora ainda sujeita a incertezas, nossa avaliação considera todas as informações disponíveis sobre o status do potencial acordo, os processos relacionados ao rompimento da barragem da Samarco e até em que medida a Samarco terá capacidade de contribuir com quaisquer desembolsos futuros”, destaca o novo balanço trimestral da Vale.

B3 (B3SA3) pagará R$ 374 milhões em dividendos; confira valor por ação

  • B3 (B3SA3), administradora da bolsa brasileira, anunciou na noite desta quinta-feira (22) o pagamento de R$ 374 milhões em dividendos, referentes ao resultado de 2023. O valor equivale a cerca de R$ 0,066 por ação.
  • Terão direito aos dividendos da B3 os acionistas posicionados na ação B3SA3 no dia 27 de fevereiro. O pagamento será feito no dia 5 de abril.

Nubank (ROXO34) registra lucro de US$ 360 milhões no 4T23; ações derretem 8%

  • Nubank (ROXO34) registrou lucro líquido de US$ 360,9 milhões no quatro trimestre de 2023 (4T23), conforme divulgado pela companhia nesta quarta-feira (22) após o fechamento de mercado.
  • Com isso, foi multiplicado por seis vezes o lucro do Nubank de US$ 58 milhões em igual etapa do ano anterior.
  • Além disso o resultado do Nubank ficou levemente acima das expectativas do consenso de mercado, que miravam US$ 356 milhões de lucro líquido.
  • Apesar disso, uma série de especialistas estimava um lucro acima de US$ 400 milhões e o mercado reservava grande otimismo para o balanço. Com isso, os papéis do banco despencam cerca de 8% nas negociações after hours da NYSE, onde a companhia é listada.
  • Olhando para o lucro líquido ajustado, o Nubank no 4T23 somou US$ 395,8 milhões, ante US$ 113,8 milhões registrados em igual etapa do ano anterior – ou seja, alta de cerca de 250%.
  • Já a receita do Nubank ficou em US$ 2,4 bilhões, representando alta de 57% na base anual. O número também ficou acima das expectativas do mercado, que estimava US$ 2,22 bilhões.
  • Com esses números, o lucro do Nubank em 2023 fechou em US$ 1,2 bilhão, ante US$ 204 milhões registrados no ano anterior.
  • “À medida que trabalhamos para ultrapassar a marca de 100 milhões de clientes em 2024, estamos investindo pesado em diversificar caminhos de crescimento para continuar a transformar potencial em lucro”, afirma no balanço o CEO e fundador do NubankDavid Vélez. A fintech fechou dezembro com 93,9 milhões de clientes, em comparação com 54 milhões há um ano.

Da Vale à B3, essas foram as empresas que se destacaram hoje. Para ler todas as matérias clique aqui.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Vanessa Loiola

Compartilhe sua opinião