Vale (VALE3): Próximo CEO terá ‘laços estreitos com Governo’, diz Silveira

O governo brasileiro, sob a administração do presidente da República, Lula (PT), quer que o próximo CEO da Vale (VALE3) mantenha laços estreitos com autoridades do poder Executivo e reguladores, apesar das turbulências no processo de sucessão que marcaram o início deste ano. As informações são da Bloomberg.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2022/04/vale3-materia-desktop.jpg

O próximo CEO da Vale assumirá o cargo em janeiro de 2025 e deve passar pelo crivo do Conselho de Administração da mineradora ainda neste ano.

Segundo o ministro das Minas e Energia, Alexandre Silveira, em entrevista à Bloomberg, o próximo CEO deverá fortalecer os vínculos com estados, municípios, reguladores e a sociedade brasileira.

Essa proximidade será uma prioridade, afirmou o ministro, e o governo irá cobrar isso com firmeza.

O conselho da Vale pretende anunciar o novo CEO até 3 de dezembro, durante o Investor Day da empresa.

Atual CEO da Vale foi reconduzido

Em março, a Vale decidiu reconduzir Eduardo Bartolomeo ao cargo de presidente enquanto buscava por um sucessor, após especulações sobre a escolha do próximo líder da mineradora e a pressão crescente do governo brasileiro para intervir no processo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop.jpg

Embora Bartolomeo tenha sido reconhecido pelo mercado por sua liderança em segurança, incluindo um plano para descomissionar barragens de rejeitos de alto risco, investidores expressaram preocupações com o desempenho operacional e as relações institucionais da Vale com estados e o governo federal.

Um dos conselheiros da companhia, José Luciano Duarte Penido, chegou a renunciar à época alegando “nefasta influência política”.

Silveira criticou o atraso no processo de sucessão da Vale, destacando a importância de uma transição rápida para resolver questões pendentes com o Brasil.

Além disso, ele antecipou que o governo brasileiro rejeitaria uma nova proposta da Vale, BHP e Samarco para um acordo final sobre a tragédia de Mariana em 2015.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião