Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11): Santander vê ações com (grande) potencial de valorização; entenda motivos

O Santander manteve a Suzano (SUZB3) como a principal escolha do setor de papel e celulose para 2024, seguida pela Klabin (KLBN11). O banco acredita que os mercados de celulose devem ficar relativamente equilibrados no primeiro semestre do próximo ano. 

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

Para analistas do Santander, a Suzano tem um valuation atraente, potencial de alta para o consenso de Ebitda, fundamentos ESG sólidos e balanço patrimonial apoiando uma combinação de crescimento mais geração de Fluxo de Caixa Livre (FCL). 

Além disso, a companhia negocia hoje a um EV/Ebitda esperado em 2024 de 5,6x (vs. a média histórica de cinco anos de 7x), com um rendimento FCL de 7%.

Em relação ao 4T23, o Santander espera que os resultados da Suzano sejam fortes, impulsionados por maiores preços realizados de celulose e custos estáveis. Dessa forma, o banco recomenda compra das ações da Suzano, com preço alvo de R$ 75 – hoje cotadas a R$ 51,45. 

Klabin: valuation atraente

Outra bem avaliada pelo banco é a Klabin, os analistas apontam também o valuation atraente e destacam a posição de liderança nos segmentos de embalagens e iniciativas de crescimento com o projeto Puma II. 

“Acreditamos que os fortes resultados da sua divisão de embalagens (71% do Ebitda total de 2024) poderão proporcionar uma geração de FCL resiliente”, destaca o banco. O Santander recomenda compra para os papéis da Klabin, com preço-alvo de R$ 31, negociados a R$ 21. 

Para a Dexco (DXCO3), a recomendação foi neutra, com preço-alvo de R$ 8,50, ante os R$ 7,39 da cotação atual. A equipe do Santander afirma que existem riscos de queda nas ações e incertezas relacionadas à rentabilidade dos painéis de madeira, dada a falta de visibilidade sobre a melhoria da demanda no curto prazo

“Quanto à Deca e à Cerâmica, esperamos que os ‘ventos contrários’ persistam em 2024, mantendo o momento de lucros da Dexco sob pressão no curto prazo”, conclui o banco.

Suzano tem prejuízo de R$ 729 mi no 3T23

Suzano registrou prejuízo líquido de R$ 729 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo o lucro líquido de R$ 5,448 bilhões apurado no mesmo período do ano passado.

Segundo a companhia, o resultado do 3T23 da Suzano é explicado em grande parte pela redução no resultado operacional (queda da receita líquida da Suzano) e pela variação negativa no resultado financeiro, como resultado da desvalorização cambial sobre a dívida e sobre as operações com derivativos.

“Esses efeitos foram parcialmente compensados sobretudo pelo crédito de IR/CSLL diferidos, incidentes principalmente sobre os resultados negativos de variação cambial e operações com derivativos”, afirma a Suzano.

Ebitda da Suzano (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado atingiu R$ 3,695 bilhões, queda de 57% na comparação com o terceiro trimestre de 2022. Também houve redução de 6% em relação ao segundo trimestre deste ano.

Para justificar o recuo anualizado do Ebitda, a Suzano cita quatro razões:

  • menor preço médio líquido da celulose em dólar (-33%),
  • menor volume vendido (-10%), pela desvalorização do dólar frente ao real (-7%);
  • maior SG&A (+12%), sobretudo por maiores despesas administrativas decorrente de maiores gastos com pessoal (remuneração variável)
  • incorporação das despesas como resultado da aquisição do negócio de tissue da Kimberly Clark no Brasil, conforme explicado anteriormente.

receita líquida da Suzano de julho a setembro ficou em R$ 8.948 bilhões no período de julho a setembro, o que representa um recuo de 37% na comparação anualizada e de 2% ante o trimestre anterior.

Os próximos proventos de Suzano

A Suzano (SUZB3) pagará um valor de R$ 1,5 bilhão em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas, conforme divulgado na última sexta-feira (1º). O valor dos proventos por ação da Suzano será de R$ 1,16 por ação da companhia, a serem pagos no dia 10 de janeiro de 2024.

Apenas os investidores com ações da empresa no dia 7 de dezembro terão direito de receber os rendimentos. A partir do dia 8 de dezembro, as ações SUZB3 serão negociadas sem direito aos JCP.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Por fim, a Suzano (SUZB3) também manteve estimativa de investimento de capital (capex) para o ano de 2023 no valor de R$ 18,5 bilhões, conforme divulgado em fato relevante de 1ª de dezembro de 2022.

Santander projeta equilíbrio no mercado de celulose

Os analistas do Santander esperam que os mercados de celulose permaneçam relativamente equilibrados no primeiro semestre de 2024, antes de enfrentarem um ligeiro excedente de oferta no 2S24 devido ao inicio do Projeto Cerrado. 

No curto prazo, dizem os analistas, é esperado que os fundamentos continuem apoiando os preços da celulose acima do nível de US$ 630 por tonelada.

“Vemos os preços das ações de Papel & Celulose refletindo os preços da celulose próximos a US$ 530/t, abaixo do custo marginal atual da indústria e do nível de preço do meio do ciclo”, diz o Santander. 

Como resultado, o banco projeta os preços de celulose de fibra curta em US$ 610 por tonelada na China para 2024 (vs. US$ 600/t anteriormente), o que pode gerar uma sólida geração de Fluxo de Caixa Livre para as empresas do segmento. 

“Preferimos a exposição ao Brasil, graças ao forte FCL e às iniciativas atrativas de crescimento das empresas sob nossa cobertura, com a Suzano permanecendo como nossa Top Pick”, comenta o banco. 

Cotação

Nesta terça-feira (05), as ações da Suzano fecharam em queda de 0,65%, cotadas a R$ 51,45, enquanto as ações KLBN11 fecharam em alta de 0,47%, cotadas a R$ 21,13. Por fim, a Dexco teve alta de 2,64%, cotada a R$ 7,39.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Vinícius Alves

Compartilhe sua opinião