Preocupações com demanda e recessão levam à queda do petróleo

Preocupações com demanda e recessão levam à queda do petróleo
Plataforma de petróleo. Foto: Unsplash

O petróleo fechou em queda nesta quinta-feira (4), em meio a preocupações renovadas com a economia global e com a possibilidade de recessão – o que poderia enfraquecer ainda mais a demanda pela commodity.

Hoje, o Banco da Inglaterra (BoE) projetou que a economia britânica entrará em recessão a partir do último trimestre de 2022.

Neste cenário, o barril do WTI ficou abaixo de US$ 90 pela primeira vez desde março, quando a guerra na Ucrânia estava no início.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI para setembro fechou em queda de 2,34% (US$ 2,12), a US$ 88,54, por barril. Enquanto o barril do petróleo Brent caiu 2,75% (US$ 2,66), a US$ 94,12 por barril.

Os contratos futuros da commodity chegaram a se recuperar das perdas de ontem nesta manhã, favorecidos pela queda do dólar. No entanto, o movimento não se sustentou. O petróleo passou a cair após a decisão do BoE dar fôlego ao dólar ante a libra esterlina e renovar os temores de recessão.

A instituição decidiu elevar sua taxa básica de juros em 50 pontos-base, a 1,75%, em mais uma tentativa de combater a inflação no Reino Unido, que está no maior nível em mais de quatro décadas.

A recessão no Reino Unido, segundo o BC inglês, deverá se estender por cinco trimestres.

O economista da Oanda Edward Moya destaca que o mercado de petróleo está misto, porque a destruição da demanda é atendida com capacidade ociosa limitada.

“A fraqueza contínua deve ser improvável, uma vez que o mercado de petróleo permanece apertado, mas a quebra do nível técnico chave de US$ 90 pode desencadear alguma venda de impulso”, analisa em relatório enviado a clientes. “A fraqueza do preço do petróleo deve ser limitada a partir daqui, pois os comerciantes de energia sabem que a demanda da China por petróleo pode se recuperar em breve”, pondera.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO