Radar: Diretor da Minerva (BEEF3) revela informação privilegiada, Energisa (ENGI11) pagará dividendos e Magalu (MGLU3) reverte prejuízo

Radar: Diretor da Minerva (BEEF3) revela informação privilegiada, Energisa (ENGI11) pagará dividendos e Magalu (MGLU3) reverte prejuízo
Minerva, recentemente, puxou altas do Ibovespa ao reafirmar exportação em meio ao surto da doença da 'vaca louca' - Foto: Divulgação

Antes de a notícia sobre o possível fechamento de capital da Minerva (BEEF3) ganhar destaque no noticiário nesta quarta-feira (11), o diretor de relações com investidores da Minerva, Edison Ticle, revelou que esta seria uma possibilidade diante de um grupo de investidores que acompanhava uma live no Instagram, conduzida por Rafael Ferri, na última terça-feira.

Na ocasião, o diretor de RI da Minerva estava assistindo à live e fez comentários por escrito. Em uma das falas, ele disse que a Minerva poderia fazer “uma OPA de fechamento de capital se o mercado continuar cagando (sic) pros proventos”. OPA é a sigla para Oferta Pública de Aquisição.

Em outro momento, ele releva .outra possibilidade: “BEEF3 pode sair recompra agressiva”.

As declarações do executivo chamaram atenção e passaram a circular em redes sociais. No dia seguinte, o site Pipeline, do Valor Econômico, noticiou que os controladores da Minerva Foods haviam começado a discutir a possibilidade fechar o capital da companhia.

A Minerva se pronunciou na tarde desta quinta (12) sobre as notícias de que estaria avaliando fechar seu capital. Em fato relevante, publicado hoje, no final da tarde, a Minerva afirmou “que pelo período de ao menos seis meses não pretende realizar oferta pública para aquisição de ações para cancelamento de registro.”

Veja as outras empresas que se destacaram nesta quinta-feira:

Americanas (AMER3) reverte prejuízo e lucra R$ 224,9 milhões no 2T21

  • A Americanas (AMER3) registrou lucro líquido pró-forma — considerando a combinação de negócios da B2W e da Lojas Americanas (LAME4) — de R$ 224,9 milhões no segundo trimestre de 2021, revertendo prejuízo de R$ 36 milhões apurado em igual período do ano passado
  • Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado atingiu R$ 1,1 bilhão, com margem Ebitda de 15,5%, um recuo de 0,1 ponto percentual, devido à maior participação das vendas online e aos investimentos realizados pela Americanas.A receita líquida da varejista saltou de R$ 4,73 bilhões, no ano anterior, para R$ 6,92 bilhões, no trimestre encerrado no último mês de junho, uma variação positiva de 46,1%.
  • O volume bruto de mercadoria (GMV, na sigla em inglês) total da Americanas foi de R$ 12,6 bilhões, um crescimento de 32,6% na base anualizada. O GMV Digital atingiu R$ 9,8 bilhões no segundo trimestre deste ano, um aumento de 37,3%.

Energisa (ENGI11) pagará R$ 235 milhões em dividendos

Energisa (ENGI11) informou nesta quinta-feira (12) que fará o pagamento de dividendos no montante de R$ 235,29255425 milhões, equivalente a R$ 0,65 por unit e R$ 0,13 por ação ordinária e preferencial de emissão da companhia elétrica.

Terão direito aos dividendos os acionistas da Energisa que detiverem ativos no dia 17 de agosto. A partir de 18 de agosto, as ações da empresa serão negociadas “ex-dividendos”.

Os pagamentos serão efetuados em 29 de setembro de 2021. Não haverá desconto relativo ao Imposto de Renda na Fonte.

Magazine Luiza (MGLU3) reverte prejuízo e lucra R$ 89 mi no 2T21, reflexo do aumento das vendas

  • O Magazine Luiza (MGLU3) divulgou nesta quinta-feira (12) seus resultados no segundo trimestre desse ano. A gigante varejista apurou um lucro líquido ajustado de R$ 89,1 milhões, deixando para trás o prejuízo de R$ 62,2 milhões anotado um ano antes.
  • Entre abril e junho deste ano a receita líquida do Magazine Luiza alcançou R$ 9,013 bilhões, uma alta de 61,9 % em comparação com a receita obtida no segundo trimestre do ano passado.
  • Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da companhia atingiu R$ 455,4 milhões, crescendo 209,3%. A margem Ebitda ajustada foi de 5,1%, ante 2,6%.
  • As vendas totais da empresa, incluindo lojas físicas, e-commerce com estoque próprio (1P) e marketplace (3P) cresceram 60,5% e atingiram 13,7 bilhões. Segundo o balanço, o resultado foi “reflexo do aumento de 46,4% no e-commerce total e de 111,6% nas lojas físicas. O excelente desempenho das vendas foi alcançado mesmo com parte das lojas físicas ainda fechadas em função da covid-19, principalmente no mês de abril.”

Lojas Renner (LREN3): lucro cai 76,4%, mas receita salta 207% com retomada das vendas

  • A Lojas Renner (LREN3) divulgou nesta quinta-feira (12) seus resultados referentes ao segundo trimestre desse ano. A varejista de moda anotou um lucro líquido de R$ 193,1 milhões, valor 76,4% menor do que o ganho de R$ 818,1 milhões apurado no mesmo período em 2020.
  • Contudo, há um ano a Lojas Renner teve uma recuperação de crédito fiscal relacionado ao PIS e a Cofins, que trata de um ganho não recorrente.
  • “Em bases comparáveis, o resultado do segundo trimestre de 2021 foi 184,7% superior ao do mesmo período de 2020, em função, principalmente, do maior resultado operacional”, explicou a companhia.
  • Por outro lado, entre abril e junho desse ano, a  receita operacional líquida da Lojas Renner foi de R$ 2,489 bilhões, salto de 207,9% na comparação ano a ano. Segundo a companhia, o resultado foi impulsionado pelo recorde de vendas no Dia das Mães.
  • A receita líquida das vendas de mercadorias subiu 318,3%, para R$ 2,257 bilhões no segundo trimestre desse ano, mas a receita líquida de produtos financeiros caiu 13,9%, para R$ 231,569 milhões.

 

BRF (BRFS3) reverte lucro e registra prejuízo de R$ 199 mi com aumento de despesas financeiras

  • A BRF (BRFS3) apurou prejuízo líquido de R$ 199 milhões no segundo trimestre de 2021, revertendo lucro de R$ 307 milhões em igual período de 2020.
  • A variação do resultado foi atribuída pela companhia a um aumento das despesas financeiras, que totalizaram R$ 797 milhões entre abril e junho, ante R$ 167 milhões no ano passado.
  • Segundo a BRF, os impactos principais do aumento das despesas foram a atualização do valor justo da opção de venda relacionada à combinação de negócios da “put option” Banvit e juros associados ao endividamento, contingências, arrendamentos e passivos atuariais com variação negativa.
  • O frigorífico reportou um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado com ex-efeitos tributários de R$ 1,271 bilhão, expansão de 23,2%.
  • receita líquida cresceu 27,8%, para R$ 11,637 bilhões, impulsionada pelo melhor desempenho comercial no Segmento Brasil, pelo aumento da receita do Segmento Internacional e maiores volumes e preços no negócio de Ingredientes.

Americanas (AMER3) reverte prejuízo e lucra R$ 224,9 milhões no 2T21

Marco Antônio Lopes

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!